terça-feira, 24 de maio de 2011

tudo sobre dinossauros!!!

Abelissauro
    O Abelissauro cujo o nome significa " réptil de Abel ", viveu no Brasil e chegava a ter até 3 metros de altura e 7 metros de comprimento e pertencia ao grupo dos dinossauros terópodes Abelisauridae, era um terrível animal carnívoro que caçava por toda a América do Sul, sendo muito comum também na Argentina, o local onde foi encontrado e leva em seu nome cientifico é Comahue.
   O Abelissauro possuía um crânio grande e leve que poderia ultrapassar 80 centímetros de comprimento, possibilitando mover a cabeça com facilidade, isso aliado à pernas musculosas, o transformavam em um temível predador. Ele se alimentava tanto de carne fresca quanto de carniça, .
Dados do Dinossauro:
Nome: Abelissauro
Nome Científico: Abelisaurus comahuensis
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Sul
Peso: Cerca de 2,5 toneladas
Tamanho: 3 metros de altura e 7 de comprimento
Alimentação: Carnívora
Acanthodes
 
    O Acanthodes era um peixe acantódio que viveu há aproximadamente 430 milhões de anos atrás durante o período Permiano, era parcialmente escamoso, não possuía dentes, media pouco mais de 20 centímetros e se alimentava de pequenos crustáceos.
Dados do Peixe:
Nome:
Acanthodes
Época: Permiano
Local onde viveu: Oceanos
Tamanho: 23 centímetros de comprimento
Peso: Cerca de 300g
Alimentação: Carnívora
Acanthostega
    O Acanthostega era um anfíbio primitivo que viveu há aproximadamente 380 milhões de anos atrás durante o período Devoniano se alimentava de pequenos crustáceos, moluscos, peixes e insetos, vivia em pântanos e em lagos pobremente oxigenados. Seus membros eram bem desenvolvidos e acredita-se que este anfíbio foi um dos primeiros tetrápodes, ou seja, possuía 4 membros, os quais um dia iriam dominar o meio terrestre.
    O Acanthostega possuía 8 dedos em cada pata, que juntamente com o fato de não possuir uma caixa torácica adaptada a sustentar seu peso fora da água, tornavam-nos inaptos ao ambiente terrestre, acredita-se que suas patas eram mais utilizadas para "andar" pela vegetação aquática, dos pântanos onde vivia, como as atuais salamandras, do que para rastejar entre poças de água que poderiam secar periodicamente.
Dados do Anfíbio:
Nome:
Acanthostega
Nome Científico: Acanthostega
Época: Devoniano
Local onde viveu: Groelândia
Tamanho: 50 centímetros de comprimento
Peso: Cerca de 8 kg
Alimentação: Carnívora
Acrocantossauro

    O Acrocantossauro cujo nome significa " Sáurio de espinhas altas " viveu durante o período Cretáceo em Oklaroma, EUA. Podía atingir mais de 12 metros de comprimento, seu esqueleto quase completo é uma visão temerosa. Esse gigante era um carnívoro extraordinário, que caracterizava-se por uma força e uma agilidade invulgares para o seu tamanho devido, em parte, à leveza dos ossos quase ocos. O Acrocantossauro possuía uma série de espinhas largas nas vértebras dorsais, que iam desde o pescoço até a cauda, estas espinhas, que podiam ultrapassar 30 centímetros de comprimento formariam uma "vela", cuja função poderia ser a de regular a temperatura do corpo do animal, comunicar-se com outros de sua espécie ou até mesmo para parecerem maiores para adversários.
    O crânio do Acrocantossauro podia chegar a medir 1,4 metros de comprimento, com uma boca de cerca de 68 dentes próprios para cortar carne e com todo esse arsenal acredita-se que ele caçaria enormes saurópodes, como mostra uma série de pegadas no EUA.

Dados do Dinossauro:
Nome: Acrocantossauro
Nome Científico: Acrocanthosaurus atokensis
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 3 toneladas
Tamanho: 12 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Acrocantossauro

    O Acrocantossauro cujo nome significa " Sáurio de espinhas altas " viveu durante o período Cretáceo em Oklaroma, EUA. Podía atingir mais de 12 metros de comprimento, seu esqueleto quase completo é uma visão temerosa. Esse gigante era um carnívoro extraordinário, que caracterizava-se por uma força e uma agilidade invulgares para o seu tamanho devido, em parte, à leveza dos ossos quase ocos. O Acrocantossauro possuía uma série de espinhas largas nas vértebras dorsais, que iam desde o pescoço até a cauda, estas espinhas, que podiam ultrapassar 30 centímetros de comprimento formariam uma "vela", cuja função poderia ser a de regular a temperatura do corpo do animal, comunicar-se com outros de sua espécie ou até mesmo para parecerem maiores para adversários.
    O crânio do Acrocantossauro podia chegar a medir 1,4 metros de comprimento, com uma boca de cerca de 68 dentes próprios para cortar carne e com todo esse arsenal acredita-se que ele caçaria enormes saurópodes, como mostra uma série de pegadas no EUA.

Dados do Dinossauro:
Nome: Acrocantossauro
Nome Científico: Acrocanthosaurus atokensis
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 3 toneladas
Tamanho: 12 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Adamantinasuchus
   O Adamantinasuchus era um pequeno crocodilo terrestre que viveu há aproximadamente 90 milhões de anos atrás durante o período Cretáceo Superior no Brasil, mais precisamente no interior do estado de São Paulo, na região do município de Marília.Seus fósseis provém de rochas pertencentes à formação Adamantina, daí a origem do nome do animal.
   Adamantinasuchus navae é uma homenagem ao paleontólogo William Nava, coordenador do Museu de Paleontologia de Marília, que encontrou seus fósseis durante trabalhos de campo efetuados nas proximidades do Rio do Peixe, que corta a região de Marília.
   Vários ossos foram encontrados, alguns formando esqueletos, outros desarticulados, além de alguns crânios, indicando que a espécie mediria aproximadamente 50 centímetros de comprimento e provavelmente eram já animais adultos, em vista de características observadas nos dentes molariformes, que apresentam desgaste acentuado. Esse desgaste confere à espécie um hábito alimentar onívoro, que poderia incluir insetos, peixes, pequenos vertebrados, carcaças e também vegetais, como sementes duras. O animal poderia também escavar o solo com seus dentes incisiformes à procura de alimentos, como fazem os suínos atualmente.
   A morfologia do crânio e dos ossos da pélvis, como o fêmur alongado, indicam que Adamantinasuchus navae era tipicamente terrestre, com rostro alto e curto, narinas situadas na região anterior do crânio, órbitas grandes e posicionadas nas laterais do crânio, além da dentição, curta e especializada, com dentes incisiformes projetados para frente, caniniformes e molariformes, muito semelhantes aos mamíferos.
   O clima reinante durante o Cretáceo Superior na região deveria ser extremamente quente e árido, e a paisagem pontilhada por lagoas e rios efêmeros, ambiente que dava vida á esses pequenos animais e também aos grandes dinossauros herbívoros.
   Na segunda imagem vemos Adamantinasuchus a esquerda, Mariliasuchus a direita e saurópodes ao fundo, reconstruindo o ambiente da região na época. A reconstrução é do paleoartista Deverson da Silva, do Museu de Monte Alto, em São Paulo. A última foto mostra o esquelto do animal fossilizado quando foi encontrado.

Dados do Dinossauro:

Nome: Adamantinasuchus
Nome Científico:Adamantinasuchus navae
Época: Cretáceo
Local onde viveu: Brasil
Peso: Cerca de 10 quilos
Tamanho:  50 centímetros de comprimento
Alimentação: Onívora

Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Ordem: Crocodylomorpha
Família: Notossúquios
Género: Adamantinasuchus
Espécie: Adamantinasuchus navae

Bibliografias consultadas:
- Nava, W: Novo crocodylomorpha do Cretáceo Superior, Bacia Bauru, centro-oeste do estado de São Paulo, Boletim do 7° Simpósio do Cretáceo do Brasil e 1° Simpósio do Terciário do Brasil, p. 92 (IGCE, Unesp, Rio Claro-SP), Serra Negra, SP, 2006;
- Nobre, P.H & Carvalho, I.S; Um novo Crocodylomorpha Mesoeucrocodylia da Formação Adamantina, Bacia Bauru (Cretáceo Superior) no município de Marília-SP, 2° Congresso Brasileiro de Herpetologia, Pontifíca Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2005;
- Nobre, P.H & Carvalho, I.S; Adamantinasuchus navae: A new Gondwanan Crocodylomorpha (Mesoeucrocodylia) from the Late Cretaceous of Brasil. Gondwana Research, p. 370-378, 2006.
Adapis
    O Adapis é um antigo primata que viveu há aproximadamente 50 milhões de anos atrás durante o Eoceno na Europa e na América do Norte, era muito parecido com os atuais lêmures, com os olhos já voltados para frente da cabeça e "garras modificadas" que já se assemelhavam a unhas, mostrando uma grande habilidade para agarrar e saltar de galhos em galhos no topo das árvores onde se alimentava de folhas novas.
Dados do Mamífero:
Nome: Adapis
Nome Científico: Adapis parisiensis
Época: Eoceno
Local onde viveu: Europa e América do Norte
Peso: Cerca de 1,5 quilos
Afrovenator
    O Afrovenator cujo nome significa " Caçador Africano" foi descoberto num cemitério de dinossauros no Níger há aproximadamente 130 milhões de anos atrás durante o período Cretáceo, sendo o esqueleto mais completo de um terópode desse período achado na África. Antes da descoberta do Afrovenator, muitos cientistas pensavam que há 130 milhões de anos atrás o super-continente Pangea já tinha se dividido em duas massas de terra distintas, uma ao norte e uma ao sul, mas a íntima relação do Afrovenator com o Alossauro natural da América do Norte, os fez mudar de idéia. Isso implica que a conexão entre os continentes pode ter durado muitos milhões de anos mais do que previamente acreditaram.
    Na imagem acima um Afrovenator, persegue uma manada de aegyptossauros na esperança de pegar um jovem desgarrado, pois os adultos eram grandes demais para os Afrovenators.
Dados do Dinossauro:
Nome:
Afrovenator
Nome Científico:
Afrovenator abakensis
Local onde viveu:
África.
Época:
Cretáceo.
Tamanho:
6 metros de comprimento.
Peso:
Cerca de 500kg
Alimentação:
Carnívora
Alamossauro
    O Alamossauro, viveu durante o final do período Cretáceo há cerca de 66 milhões de anos atrás, caracterizava-se por um corpo maciço, pescoço longo, cabeça pequena, pés amplos  e a cauda muito comprida. Foi encontrado na América do Norte em  Montana, Novo México, Texas e Utah.
    Assemelhava-se muito com o Apatossauro. Podia erguer-se sobre as patas traseiras devido a estas serem maiores e quando ele o fazia, sua cauda móvel lhe servia de apoio. Sua cauda era quase metade do comprimento ligeiramente mais afinada, parecida com um chicote. Devia usá-la para bater nos famintos carnívoros que rondavam os mais fracos do bando, ou seja, os filhotes e os mais velhos. Já o longo pescoço era usado como uma espécie de "observatório", ajudando-o a detectar, a tempo, aproximação dos inimigos, bem como para alcançar as plantas mais altas das árvores.
    
Dados do Dinossauro:
Nome: Alamossauro
Nome Científico: Alamosaurus
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 28 toneladas
Tamanho: 21 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Albertossauro
    O Albertossauro cujo nome provém do lugar onde foi encontrado Alberta, no Canadá e que significa " Lagarto de Alberta, viveu há aproximadamente 76 a 74 milhões de anos atrás, durante o período Cretáceo, sendo um grande terópode caçador, provavelmente um antecessor pouco menor do Tiranossauro Rex. Existem três espécies de Albertossauro: o Albertosaurus libratus, o Albertosaurus sarcophagus e o Albertosaurus megagracilis. Podiam atingir 9 metros de comprimento e 3.4 metros de altura. O Albertosaurus sarcophagus foi descoberto por Joseph Burr Tyrrell in 1884.

Dados do Dinossauro:
Nome: Albertossauro
Nome Científico: Albertosaurus libratus, Albertosaurus sarcophagus e Albertosaurus megagracilis.
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 3 toneladas
Tamanho: 9 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora

Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Superordem: Dinosauria
Ordem: Saurischia
Subordem: Theropoda
Infra-ordem: Tetanurae
Micro-ordem: Carnosauria
Família: Tyrannosauridae
Gênero: Albertosaurus

Alioramo
    Encontrado na Mongólia no ano de 1976, o Alioramo foi um predador de porte médio que chegava a 6 metros de comprimento. Por não ser muito pesado, o Alioramo era um dinossauro veloz, que perseguiria suas presas dando-lhes mordidas e cabeçadas. Além da Mongólia ele encontrado também na China e na Rússia. Na imagem acima um Alioramo está perseguindo um Protoceratops, que se for alcançado não terá a menor chance no combate corpo a corpo.

Dados do Dinossauro:
Nome: Alioramo
Nome Científico: Alioramus remotus
Época: Cretáceo
Local em que viveu: Ásia
Peso: Cerca de 700kg
Tamanho: 6 metros de comprimento
Alimentação: CarnívoraAlce Gigante
    O Alce Gigante ou Megaloceros cujo nome significa " Chifres gigantes " era um ancestral dos atuais Alces, porém muito maior, sua galhada era cerca de duas vezes maior que a dos Alces atuais e deveria ser quatro vezes mais pesada e seus chifres mediam 3,5 metros de uma ponta a outra. Viveu em climas frios nas épocas glaciais, juntamente com Mamutes e Rinocerontes Lanudos, foi extinto junto com fim da última era glacial. Os machos deveriam travar enormes batalhas com esses chifres enormes por disputa de território e por fêmeas. Podem ter sido extintos por mudanças súbitas no clima de sua região.
Dados do Mamífero:
Nome: Alce Gigante
Nome Científico: Megalocerus hibernicus
Época: Pleistoceno
Local onde viveu: Europa , Ásia e norte da África
Peso: Cerca de 1,2 toneladas
Tamanho: 3 metros de altura nos ombros
Alimentação: Herbívora
Alectrossauro
 
    O Alectrossauro cujo nome significa " Lagarto de Alectra " viveu durante o período Cretáceo há aproximadamente 89 milhões de anos atrás na China e na Mongólia, caçando outros dinossauros velozes como iguanodontídeos e hadrossaurídeos, Este dinossauro terópode pertencia a família dos tiranossaurídeos, não era tão grande porém sua velocidade compensava essa " desvantagem ".
Dados do Dinossauro:
Nome: Alectrossauro
Nome Científico: Alectrosaurus olseni
Época: Cretáceo
Local onde Viveu: Ásia
Peso: Cerca de 1,5 toneladas
Tamanho: 6 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Alossauro

 
    O Alossauro cujo nome significa "lagarto diferente", viveu principalmente nos EUA, África e Austrália, e foi descoberto em 1877. Possuía estranhas elevações ósseas em cima e na frente dos olhos, sua cauda era comprida e o pescoço curto e forte. Nos pés tinha quatro dedos, sendo que um era menor.
    A história conta que pesados herbívoros estavam na água arrancando as folhas das árvores quando dois Alossauros avançaram sobre eles rapidamente. Um dos Alossauros fincou seus dentes afiados na cauda de um desses herbívoros, que sem conseguir fugir, caiu de lado, afundando pela metade no lodo do rio. Apareceu então o outro Alossauro, e o destino daquele herbívoro foi selado. Os dois mataram-no e comeram a vontade, deixando para trás o cadáver sangrento. Esta cena pôde ser reconstituída através de um achado nos EUA, onde nítidas marcas de dentes de um Alossauro foram encontradas nos ossos fossilizados da cauda de um Apatossauro, que deveria ter sido arrancada com extrema violência. Além disso, no mesmo local foram encontrados alguns dentes de Alossauro. Este achado mostra que o Alossauro caçava em bandos e não se alimentava só de carniça, pois se o Apatossauro já estivesse morto, ele não precisaria tê-lo mordido tão ferozmente.

Dados do Dinossauro:
Nome: Alossauro
Nome Científico: Allosaurus fragilis
Local em que viveu: América do Norte, África
Época: Jurássico
Peso: 1,5 toneladas
Tamanho: Cerca de 4 metros de altura e 12 de comprimento
Alimentação: Carnívora

Alossauro Polar
    Houve na Austrália um Alossauro anão, que provavelmente viveu um clima semi-ártico, quando a Austrália e a Antártida ainda eram unidas. Esta espécie viveu no início do Cretáceo, 30 milhões de anos mais tarde que seu primo do período Jurássico, devendo ter sobrevivido adaptando-se ao clima semi-ártico. Atingia apenas pouco mais de 2 metros de altura e 6 de comprimento.

Dados do Dinossauro:
Nome: Alossauro Polar
Nome Científico: Allosaurus dwarf
Local em que viveu: Austrália e Antártida
Época: Início do Cretáceo
Peso: Cerca de 500kg
Tamanho: 2,2 metros de altura e 6 de comprimento
Alimentação: Carnívora

Allossaurus atrox

Allossaurus maximus
Alxassauro
    Foi encontrado no interior da Mongólia. Seu esqueleto assemelha-se moderadamente ao de um prossaurópode, tal como o Plateossauro, mas ele era um terópode e há a possibilidades dele ter possuído penas.
Dados do Dinossauro:
Nome:
Alxassauro
Nome Científico: Alxasaurus elesitaiensis
Época: Início do Cretáceo
Local em que viveu: Mongólia, China e Rússia
Alimentação: Supostamente onívora
Amargassauro
    O Amargassauro cujo nome significava " Lagarto de La Amarga " era um saurópode que viveu a aproximadamente 110 milhões de anos atrás durante o período Cretáceo na Argentina, possuía uma característica marcante, suas vértebras possuíam prolongamentos, como uma vela que cobria toda as suas costas e serviriam possivelmente para se protegerem de predadores. Foi encontrado pelo Paleontólogo José Bonaparte do Museu de Ciências Naturais de Buenos Aires, numa formação geológica chamada La Amarga, que deu nome ao achado Amargassauro, na Patagônia atual Argentina. Suas vértebras dorsais podiam atingir mais de 80 centímetros de comprimento.

Dados do Dinossauro:
Nome: Amargassauro
Nome Científico: Amargasaurus cazuei
Época: Cretáceo
Local em que viveu: América do Sul
Tamanho: 2,5 metros de altura e 8 metros de comprimento
Peso: Cerca de 11 toneladas
Alimentação: Herbívora
Amazonssauro

    O Amazonssauro cujo nome lembra a região onde foi encontrado, a Região Amazônica, viveu há aproximadamente 110milhões de anos atrás, no início do período Cretáceo, na região norte do Brasil. Cerca de 100 fragmentos ósseos foram encontrados às margens do rio Itapecuru, no município de Itapecuru Mirim, no Maranhão. O Amazonssauro pertence a superfamília dos saurópodes chamada Diplodocoidea, media pouco mais de 10 metros de comprimento e 5 metros de altura, chegando a pesar quase 20 toneladas.
   Em sua época a região era composta por extensas planícies freqüentemente alagadas, fato este verificado por outros fósseis encontrados junto ao Amazonssauros, que incluem até grandes dentes de carnívoros. A descoberta foi realizada por pesquisadores da UFRJ, Ismar de Souza Carvalho e Leonardo dos Santos Ávilla, que juntamente com outros pesquisadores da Universidade Federal do Maranhão continurão realizando pesquisas na área.
   Os Amazonssauros deveriam viver em pequenos grupos famíliares, compostos de adultos que adavam nas bordas da manada, deixando os menores ao centro para proteção. Seus enormes pescoços os ajudavam na alimentação, pois poderiam permacer parados, apenas movimentando o pescoço conseguindo assim cobrir uma grande área de pastagem, poderiam alcançar facilmente galhos altos de árvores, porém os Diplodóceos possuíam pescoços mais adaptados para comer vegetações rasteiras do que as de topo das árvores.

Dados do Dinossauro:
Nome: Amazonssauro
Nome Científico: Amazonsaurus maranhensis
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Sul
Peso: Cerca de 10 toneladas
Tamanho: 13 metros de comprimento e 5 metros de altura
Alimentação: HerbívoraAmbulocetus
    O Ambulocetus cujo nome significa " Baleia ambulante " era um ancestral das baleias que viveu há aproximadamente 50 milhões de anos atrás durante o Eoceno na Ásia, apesar de seus membros fortes poderem o aguentar bem seu peso em terra ele preferia a água. Nadava como uma lontra, mas matava como um crocodilo, espreitava pacientemente há beira d´agua e emboscava suas presas, que podiam ser bem grandes, quase o dobro do seu tamanho, arrastando-as para a água e afundando-as ou então pequenos peixes ágeis, demonstrando uma grande variedade nos hábitos alimentares. Acredita-se que seus descendentes deram origem as atuais baleias que são os maiores animais que se conhece à viver no planeta.
Dados do Mamífero:
Nome: Ambulocetus
Nome Científico:Ambulocetus natans
Época: Eoceno
Local onde viveu: Ásia
Peso: Cerca de 350 quilos
Tamanho: 3 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Amebelodon
    O Amebelodon era um parente distante dos atuais elefantes, pertencia ao grupos dos Gomrhotheriidae, viveu há aproximadamente 17 milhões de anos atrás durante o Mioceno na América do Norte ( Flórida - EUA ), possuíam além de presas pequenas, menores que as dos atuais elefantes, presas inferiores grandes, as quais eram utilizadas para cavar e arrancar raízes, juntamente com uma tromba achatada, sendo mais larga que a dos elefantes atuais.
Dados do Mamífero:
Nome: Amebelodon
Nome Científico: Amebelodon floridanus
Época: Mioceno
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 6 toneladas
Tamanho: 3 metros de altura
Alimentação: HerbívoraAmmonite
 
    Os Ammonites eram moluscos que provavelmente evoluíram no período Devoniano dos mesmos antepassados que os belemnites. Os Ammonites se diversificaram durante a era Mesozóica em uma variedade de formas e eram abundantes. Espécimes grandes atingiam comumente até um metro de diâmetro e pesavam até 100 kg. Eles foram extintos ao término do período Cretácio junto com os dinossauros. Hoje os mais próximos parentes deles são os Nautilus raro achados nas águas profundas do Pacífico.
    O corpo suave dos Ammonites ocupavam a última câmara da concha espiral, juntamente com água e gás que faziam o mesmo flutuar. Eles flutuavam na água como um disco vertical com grupos de tentáculos que saíam de sua concha. Comprimindo a água e expelindo-a, um Ammonite poderia arremessar-se pela água como um jato de propulsão. Os tentáculos procuravam presas como peixes pequenos e os passavam para o bico com o qual o esmagavam.
Dados do Ammonite:
Nome:
Ammonite
Época: Cretáceo
Local em que viveu: Nos mares do Cretáceo
Peso: Cerca de 100kg
Tamanho: Até 1 metros de diâmetro
Alimentação: Carnívora
Amphicoelias
 
    O Amphicoelias cujo nome significa " Dupla cavidade " viveu durante o período Jurássico há aproximadamente 145 milhões de anos atrás no Colorado, Estados Unidos, é sem dúvida um dos maiores animais que já viveram no planeta, sendo menor apenas que Argentinossauro, especuladores norte-americanos com mania de grandeza, dizem que esse animal é maior que o Argentinossauro, porém pela quantidade de fósseis encontrados desse animal não é possível afirmar tal teoria. Este enorme dinossauro saurópode era da família dos diplodócios, quando adultos não tinham predadores naturais, deveriam andar em enormes manadas, migrando de região em região assim que esgotavam as reservas alimentícias do local.
Dados do Dinossauro:
Nome: Amphicoelias
Nome Científico: Amphicoelias fragillimus, Amphicoelias altus
Época: Jurássico
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 95 toneladas
Tamanho: 45 metros de comprimento e 20 metros de altura
Alimentação: Herbívora
Amphicyonid
 
    O Amphicyonid cujo nome significa "próximo ao cachorro" era um cão-urso, uma espécie extinta que viveu há aproximadamente 9 milhões de anos atrás durante o Mioceno na América do Norte e na Eurásia, era um parente próximo dos cães e dos ursos atuais e seu porte também era intermediário entre essas duas espécies, sendo mais robustos e fortes que os cães e um pouco menos que os ursos, entraram em processo de extinção pela competição com os cães que estavam atingindo portes grandes, os grandes felinos e os ursos. O Amphicyonid se alimentava de pequenos mamíferos como coelhos e roedores, porém outros cães-ursos poderiam caçar enormes animais e comer até carniça como as atuais hienas.
Dados do Mamífero:
Nome: Amphicyonid
Época: Mioceno
Local onde viveu: América do Norte, Europa e Ásia
Peso: Cerca de 30 quilos
Tamanho: 1,2 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Anatossauro
Dois mil dentes guarneciam sua boca, mas acomodados numa formação tão compacta que não poderiam servir para morder. Com eles, o Anatossauro arrancava tufos de vegetação, ou sementes, frutas e ramos, que moía em lerda mastigação. Quando arrancava plantas da lama trazia junto alguns moluscos e outros moluscos, que lhe reforçavam a dieta. Ou pequenas pedras que lhe quebravam os dentes frágeis, mas regeneráveis.
Fora da água, onde achava maior segurança, andava sobre as patas trazeiras, equilibrando o corpo de uns 10 metros com o peso compensador da cauda grossa.
O Anatossauro, com focinho em forma de bico de pato, podia locomover-se sobre duas e quatro patas.

Dados do Dinossauro:
Nome: Anatossauro
Nome Científico: Anatosaurus sp
Tamanho: Cerca de 10 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora, mas possivelmente ingeria alguns moluscos e outros pequenos animais que vinham com o alimento
Anatotitan
    O Anatotitan foi um dinossauro do grupo conhecido como dinossauros-bico-de-pato ou hadrossauros. Tinha patas traseiras poderosas e com elas podia aplicar coices, suas patas dianteiras eram mais frágeis e delicadas. Pastava de quatro, mais poderia andar somente em suas patas traseiras, o que faria se fosse necessário correr. Na frente da mandíbula do Anatotitan formou-se um bico largo e longo. Atrás desse bico, haviam baterias de dentes e bochecha fortes. Tinha uma mastigação potente e uma boca com centenas de dentes. Foram achados esqueletos parciais de Anatotitan em riachos de Montana e Dakota do Sul, os paleontólogos sugeriram que o Anatotitan poderia um enorme Edmontossauro, por que foram achados vários fósseis de Edmontossauros próximos aos achados de Anatotitan porém os esqueletos de Edmontossauros eram todos 1 metro menor e pesavam uma tonelada a menos. 

Dados do Dinossauro:
Nome: Anatotitan
Nome Científico: Anatotitan copei
Local em que viveu: América do Norte
Época: Cretáceo entre 67 a 65 milhões de anos atrás
Peso: Cerca de 5 toneladas
Tamanho: 13 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Anchicerátops
    O Anchicerátops cujo nome significa ("quase uma cara com chifre") foi encontrado em Alberta no ano de 1914. Possuía um bico córneo que era comum no grupo ao qual ele pertencia, os ceratopsianos, eram bem armados com chifres e escudos, provavelmente viviam em grandes rebanhos com os filhotes centralizados para melhor se defenderem.

Dados do Dinossauro:
Nome: Anchicerátops
Nome Científico: Anchiceratops ornatus
Local onde viveu: América do Norte
Tamanho: 6 metros de comprimento
Peso: Cerca de 4 toneladas
Alimentação: Herbívora
Anchissauro

    Seu nome significa "quase um lagarto". Um dos primeiros dinossauros a surgir, o Anchissauro viveu no início do Período Jurássico, na América do Norte e na África. O Anchissauro andava nas quatro patas, mas passava o maior tempo apoiado nas patas traseiras comendo folhas de árvores e arbustos, possuía enormes garras nas patas dianteiras que eram usadas para se proteger de predadores que em sua época já estavam se tornando maiores e mais agressivos e o único jeito de superá-los era crescer cada vez mais, pois o Anchissauro é o ancestral dos enormes saurópodes que vieram a surgir milhões de anos depois.
Dados do Dinossauro:
Nome: Anchissauro
Nome Científico: Anchisaurus sp
Época: Início do Jurássico
Local onde viveu: América do Norte e África
Peso: Cerca de 40 quilos
Tamanho: 2 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Ancylotherium
    O Ancylotherium cujo nome significa "Besta encurvada", viveu há aproximadamente 6 à 2 milhões de anos atrás durante o Plioceno, estes animais podiam chegar á 2,5 metros de altura podendo assim alcançar e comer vegetações altas nas planícies da África.  Acredita-se que estes animais foram extintos somente há 2 milhões de anos atrás e que eram parentes distantes dos atuais rinocerontes, antas e cavalos.
Dados do Dinossauro:
Nome: Ancylotherium
Nome Científico: Ancylotherium
Época: Plioceno
Local onde viveu: África, Europa e Ásia Oriental
Peso: Cerca de 1 tonelada
Tamanho: 2,5 metros de altura
Alimentação: HerbívoraAndrewsarchus
    O Andrewsarchus cujo nome significava " A besta de Andrew " era do tamanho de um rinoceronte, pertencia a uma ordem de onívoros terrícolas conhecida como Condylarthra, parente dos animais pertencentes a família dos ungulados e acredita-se que tenha parentesco com as baleias atuais. O crânio do Andrewsarchus media 86 centímetros de comprimento, ele provavelmente começou a comer peixes e outros animais aquáticos mortos que vinham parar nas praias e nas beiras de rios e de lagos, logo o Andrewsarchus começou a ir buscá-los na água para os comer em terra e assim acredita-se que sua evolução se deu na própria água.
Dados do Mamífero:
Nome: Andrewsarchus
Época: Eoceno
Local onde viveu: Ásia
Peso: Cerca de 600 quilos
Tamanho: 1,8 metros de altura e 3,6 de comprimento
Alimentação: Carnívora

Angaturama
    O Angaturama cujo nome significa " Nobre " em tupi, viveu há aproximadamente 110 milhões de anos atrás durante o período Cretáceo no Brasil, nas regiões próximas da Chapada do Araripe, no Ceará, o Angaturama era um dinossauro de porte médio e alimentava-se de peixes. Foi classificado como uma forma brasileira do grupo Spinosauridae, muito encontrado na África.
    Tinha o crânio comprido e achatado lateralmente, e, ao contrário da maioria dos carnívoros, possuía as narinas na parte de trás da cabeça, em frente aos olhos. Outro traço que o destacava era a crista na frente do crânio, seus restos fósseis são muito escassos por isso o tamanho e outras características da espécie são baseadas em outros espinossaurídeos.

Dados do Dinossauro:
Nome: Angaturama
Nome Científico: Angaturama limai
Época: Cretáceo
Local onde viveu: Brasil
Peso: Cerca de 500 quilos
Tamanho: 5 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Anhanguera blittersdorffi
    O Anhanguera blittersdorffi era um pterossauro de porte médio, viveu durante o período Cretáceo há aproximadamente 110 milhões de anos atrás no nordeste do brasileiro, possuía 52 dentes e alguns podiam atingir até 5 centímetros de comprimento num bico de meio metro, todos pontiagudos e bem afiados, próprios para pegar peixes, os quais eram sua base alimentícia.
Dados do Pterossauro:
Nome: Anhanguera
Nome Científico: Anhanguera blittersdorffi
Época: Cretáceo
Local onde Viveu: Brasil
Peso: Cerca de 30 quilos
Tamanho: 4 metros de envergadura
Alimentação: Carnívora
Anomalocaris


    
Anomalocaris canadensis
             
Amplectobelua symbrachiata
Laggania cambria
                                                                 
Anomalocaris saron
    O Anomalocaris cujo o significado do nome é " camarão anômalo ", por que os primeiros achados fósseis desse animal foram apêndices de seu corpo em 1892, e foi descrito por Whiteaves como camarões, pois os mesmos seriam "muito parecidos". Mas em 1979 Dennis Briggs reconheceu que aquele achado não era um corpo de camarão e sim uma parte do corpo de um enorme artrópode, que seria achado nas mesmas rochas de onde viera o primeiro achado. Atualmente são conhecidas três espécies de Anomalocaridae : Anomalocaris, Laggania, e Amplectobelua, porém recentes descobertas sugerem a criação de novos grupos e classes para agrupar novas espécies encontradas.
    Esses enormes artrópodes viveram há aproximadamente 510 milhões de anos atrás durante o período Cambriano em quase todo planeta, foram um dos maiores e mais temíveis predadores de sua época e continuaram a aterrorizar os mares por milhões anos, comendo todos os outros seres pequenos que pudesse agarrar, porém alguns Anomalocarídeos apresentavam características de alimentação a base de planctôn, como o Laggania, alguns desses incríveis seres podiam atingir 70 centímetros, sendo considerado gigante para sua época.
Dados do Artrópode:
Nome:
Anomalocaris
Nome Científico: Anomalocaris canadensis, Anomalocaris saron, Laggania cambria, e Amplectobelua symbrachiata
Época: Cambriano
Local onde viveu: Oceanos
Tamanho: 70 centímetros de comprimento
Peso: Cerca de 5 quilos
Alimentação: Carnívora
Anquilossauro
    O Anquilossauro cujo nome significa "lagarto fundido", por causa de sua excepcional armadura corporal, viveu há aproximadamente 65 milhões de anos atrás durante o fim do período Cretáceo nos EUA. A única parte de seu corpo vulnerável era a barriga, por isso só seria morto por predadores quando estivesse de barriga pra cima. Sua cauda tinha uma espécie de clava, na ponta, de osso puro e fortemente presa a ela. Poderia quebrar a perna de um Tiranossauro Rex com um só golpe. Tinha um crânio de quase 1 metro de comprimento, muito largo e adaptado para pastar, não para alcançar vegetação mais alta.
Dados do Dinossauro:
Nome: Anquilossauro
Nome Científico: Ankilosaurus magniventris
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 7 toneladas
Tamanho: 10 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Antarctossauro
 
    O Antarctossauro cujo nome significa " Lagarto Shu " viveu durante o período Cretáceo  há aproximadamente 90 milhões de anos atrás no Brasil, foi sem dúvida um dos maiores dinossauros encontrados no Brasil, este enorme saurópode podia atingir 40 metros de comprimento, viveu também na Argentina, Chile e Uruguai. Deveria andar em enormes manadas, com os filhotes protegidos no centro das mesmas, migrando de região para região assim que o alimento começava a acabar, pois animais enormes assim deveriam comer muito para se manterem e devastavam enormes áreas em busca de alimento.
Dados do Dinossauro:
Nome: Antarctossauro
Nome Científico: Antarctosaurus brasiliensis
Época: Cretáceo
Local onde Viveu: Brasil
Peso: Cerca de 60 toneladas
Tamanho: 40 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Anurognathus
    
    
    O Anurognathus era um pterossauro minúsculo primo dos dinossauros. Seu corpo era muito pequeno (9 cm) comparado com suas asas (50 cm de envergadura) e tinha um rabo curto e grosso. O Anurognathus era  insetívoro e tinha na boca uma massa compacta de 2 cm de agulhas como dentes. Seu crânio era pequeno, característico dos pterossauros primitivos. Com o  tempo eles evoluíram para cabeças mais magras.
    Os Paleontologistas acreditam que o Anurognathus comia insetos, mas algumas das libélulas podiam ter sido muito grandes para ele poder agarrar. Há uma teoria em que eles podiam comer insetos que parasitavam as costas de grandes sauropodes, como o Diplodocus. Isto é o que alguns pássaros fazem hoje, sentando nas costas de animais em rebanhos que estão pastando.
    Só um esqueleto de Anurognathus foi achado na pedreira de Solnhofen de Baviera, Alemanha.
Dados do Pteranossauro:
Nome:
Anurognathus
Época: Jurássico de 155 à 145 milhões de anos atrás.
Tamanho: 9 centímetros de comprimento e 50 centímetros de envergadura.
Peso: 3 à 7 gramas
Local onde Viveu: Europa
Alimentação: Carnívora

Apatossauro
    O Apatossauro cujo nome significa " réptil bobo ", viveu durante o período Jurássico há cerca de 150 milhões de anos atrás, caracterizava-se por um corpo maciço, pescoço longo, cabeça pequena, pés amplos  e a cauda muito comprida ( uma das mais compridas caudas do reino animal ). O longo pescoço, com cerca de 15 ossos grandes, era sustentado por músculos fortes. Tinha focinho longo, narinas no alto da cabeça e dentes em forma de cavilha. Foi descoberto primeiramente em 1877, no Colorado, EUA e também encontrado na Ásia Central e América do Sul.
    Com 90cm de comprimento, sua cabeça era minúscula em relação ao corpo. Isso fez com que ele ficasse conhecido como "réptil bobo" de cérebro pequeno. Sabe-se que o Apatossauro podia erguer-se sobre as patas traseiras devido a estas serem maiores e quando ele o fazia, sua cauda móvel lhe servia de apoio. Sua cauda era quase metade do comprimento ligeiramente mais afinada, parecida com um chicote. Devia usá-la para bater nos famintos carnívoros que rondavam os mais fracos do bando, ou seja, os filhotes e os mais velhos. Já o longo pescoço era usado como uma espécie de "observatório", ajudando-o a detectar, a tempo, aproximação dos inimigos, bem como para alcançar as plantas mais altas das árvores.
    Para sustentar seu alto peso, as pernas do Apatossauro terminavam em pés amplos, como os do elefante. Os da frente eram equipados com uma garra no polegar, usada para chutar os inimigos. Devia passar grande parte do seu tempo comendo, pois necessitava ingerir diariamente entre 150 e 1000 quilos de alimentos. A dentição era fraca, e provavelmente não mastigava as plantas mais duras. Vivia em manadas e provavelmente os filhotes e as fêmeas andavam no meio, cercados pelos machos que formavam a proteção externa.

Dados do Dinossauro:
Nome: Apatossauro
Nome Científico: Apatosaurus marsh
Época: Jurássico
Local onde viveu: América do Norte, América do Sul e Ásia
Peso: Cerca de 40 toneladas
Tamanho: 28 metros de comprimento e 13 metros de altura
Alimentação: Herbívora
Araeoscelis
    O Araeoscelis era um réptil primitivo que viveu há aproximadamente 270 milhões de anos atrás, durante o Permiano nos Estados Unidos, na região do Texas. Era muito parecido com os lagartos de hoje no que se refere ao modo de vida, alimentação, modo de locomoção, porém seu habitat era outro,  mais agressivo e este pequeno animal teria de ser mais adaptável para sobreviver.
Dados do réptil:
Nome: Araeoscelis
Época: Permiano
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 3 quilos
Tamanho: 60 centímetros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Archaeopteryx
 
     O Archaeopteryx  é a ave mais antiga que se conhece, conviveu com os dinossauros do período Jurássico e talvez ainda seria considerado como um dinossauro se não fosse o fato de suas penas terem se fossilizado. Um dos primeiros esqueletos de Archaeopteryx encontrados foi atribuído a um compsognathus. O Archaeopteryx tinha dentes e possuía ossos na cauda como um pequeno dinossauro, nas asas ainda possuía três dedos, que serviriam para agarrar os galhos das árvores e auxiliar na subida das mesmas. A questão questão que gera dúvidas é o fato de o Archaeopteryx não possuir o esterno (robusto osso provido de uma quilha que as aves tem no peito, onde se inserem poderosos músculos que permitem o bater de asas para o vôo ), no entanto o Archaeopteryx possuía o chamado " osso da sorte " ou " forquilha " típico das aves.
    Não se sabe ao certo se o Archaeopteryx poderia levantar vôo e voar como as aves, mas sem dúvida " voava " de galhos em galhos, dava saltos enormes impulsionados pelas asas ( como as galinhas o fazem atualmente ) e planava caçando insetos nas matas do Jurássico.

Dados da Ave:
Nome: Archaeopteryx
Nome Científico: Archaeopteryx lithographica
Época: Jurássico
Local onde viveu: Europa
Peso: Cerca de 1 quilo
Tamanho: 1 metro de comprimento
Alimentação: Carnívora
Archaeotherium
    O Archaeotherium viveu há aproximadamente 34 milhões de anos atrás durante o Oligoceno na América do Norte, era um gigantesco parente distante dos porcos e hipopótamos e podiam medir quase 2 metros de comprimento e 1,5 metros de altura no dorso, chegavam a pesar 500 quilos, sua alimentação era onívora, podendo comer de tudo, porém acredita-se que não eram capazes de caçar enormes animais e que deviam se alimentar mais de carniça, caçando apenas pequenos animais, filhotes os quais os pais se descuidavam ou então animais que já estivessem doentes, além de folhas, frutas e sementes. Eram bem ágeis, velozes, fortes e agressivos, vários crânios de Archaeotherium encontrados possuíam marcas de dente de Archaeotherium, resultantes de possíveis batalhas na disputa de territórios, alimentos e acasalamento, provavelmente eram animais solitários.
Dados do Mamífero:
Nome:
Archaeotherium
Nome Científico: Archaeotherium
Época: Oligoceno
Local onde viveu: América do Norte
Tamanho: 2 metros de comprimento e 1,5 metros de altura
Peso: Cerca de 500 quilos
Alimentação: Onívora
Archelon
 
    O Archelon cujo nome significa " Tartaruga grande " viveu durante o período Cretáceo  entre aproximadamente 75 e 65 milhões de anos atrás e foi encontrado no Estados Unidos. Possuía uma concha larga e plana,nadadeiras fortes, um rabo pequeno e em geral era muito parecido com as tartarugas marinhas de hoje. Era do tamanho de um carro e nadava com extrema agilidade nos mares cretáceos. Deveriam ser ótimos predadores de peixes, moluscos e crustáceos, porém em sua época os mares eram habitados por outros répteis-marinhos enormes, muito maiores que o Archelon e apesar de seu casco forte para os proteger, alguns pliossauros poderiam engolir-lhes inteiros, como na imagem acima, em que um Kronossauro está atacando um Archelon jovem. Também deveriam ser presas fáceis quando eram obrigados a ir em terra para enterrar seus ovos nas areias das praias, onde enormes dinossauros terópodes estariam a sua espera. O índice de mortalidade de suas crias deveria ser bem alto, como ocorre hoje em dia, porém sua longevidade era bem grande, acredita-se que poderiam ultrapassar os 100 anos facilmente.
Dados do Quelônio:
Nome: Archelon
Nome Científico: Archelon ischyros
Época: Cretáceo
Local onde Viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 3 toneladas
Tamanho: 4,6 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Arctodus
    O Arctodus ou Urso de pernas longas é um urso que viveu há aproximadamente 11 mil anos atrás durante o Pleistoceno na América do Sul e do Norte, era mais alto ( podendo atingir 3,4 metros de altura em pé), mais magro e mais ágil que os atuais ursos Kodiak, se tornando mais rápido e mais letal que seu primo atual. O crânio do Arctodus demonstra um modo de vida extremamente carnívoro, com molares especializados em cortar carne, focinho curto com musculatura poderosa e com dentes caninos grandes, resultando em uma mordida mortal. A distância entre os olhos era larga e frontal, com uma grande cavidade ocular, resultando em uma excelente visão a qual podia ser amplificada ao ficar em pé. Esses fatores juntamente com suas pernas longas as quais eram responsáveis por sua grande agilidade e velocidade, o tornavam um ótimo caçador de longas distâncias, estando apto a perseguir tanto animais pequenos e rápidos como grandes e lentos.
Dados do Mamífero:
Nome: Arctodus
Nome Científico: Arctodus simus 
Época: Pleistoceno
Local onde viveu: América do Sul e do Norte
Peso: Cerca de 700 quilos
Tamanho: 1,6 metros de altura
Alimentação: Carnívora
Argentavis
 
    A Argentavis foi um dos maiores animais voadores que já existiu, sendo considerada a maior ave voadora de todos os tempos, viveu há aproximadamente 8 milhões de anos atrás durante o Mioceno na Argentina, possuía uma envergadura de 7 metros, esse enorme tamanho dificultava o bater de asas, exigindo grande gasto energético para alçar vôo, porém estando lá em cima se tornaria fácil planar, como um pequeno avião planador e percorrer longas distâncias em busca de algum animal morto. Para esta imensa ave não seria difícil roubar alimento de outros aves rapineiras e até de mamíferos predadores, como o Thylacosmilus ( da imagem acima ). Podiam atingir uma velocidade superior há 70 km/h durante o vôo, percorrendo enormes distâncias o que tornavam seus territórios imensos, cerca de 500 Km2 , pois necessitavam de altas quantidades de comida, cerca de 10 quilos de carne por dia, quantidade a qual se tornava maior ainda na época da reprodução, sendo que em média poderiam ter um filhote a cada 2 anos e poderiam viver mais de 60 anos.
Dados da Ave:
Nome: Argentavis
Nome Científico: Argentavis magnificens
Época: Mioceno
Local onde viveu: América do Sul
Peso: Cerca de 80 quilos
Tamanho: 7 metros de envergadura e 2,5 metros de altura
Alimentação: CarnívoraArgentinossauro
   O Argentinossauro huinculensis cujo nome significa "Réptil argentino de Huincul" em homenagem a cidade onde foi encontrado, foi sem dúvida um dos maiores animais que já existiram na face da Terra.Este gigantesco saurópode pertence a infra-ordem Neosauropoda, super-família Titanosauroidea e a família Andesauridae.
   Em 1987 o fazendeiro Guillermo Heredia encontrou em sua propriedade, na província de Neuquén, Argentina, enormes fósseis que inicialmente identificou como troncos petrificados. Seu maior espanto foi quando percebeu, mais tarde, que na verdade estava diante de ossos enormes fossilizados. Imediatamente ele chamou o paleontólogo Rodolfo Coria e sua equipe, do Museu Carmen Funes em Plaza Huincul, cidade da região da Patagônia, que reconheceram o material como sendo de um enorme dinossauro desconhecido.Em 1989 sua equipe começa a escavação que levou vários meses, e conseguiu retirar da rocha poucos fósseis de gigantescas proporções, como Vértebras, tíbias, ossos da pélvis e algumas costelas, que demonstraram desde o início que se tratava de um novo dinossauro, maior todos os outros já descobertos e com o auxílio do Dr. José Bonaparte, do Museu de Buenos Aires, ele fez um estudo que levou 4 anos para se concluir. Finalmente em 1993 foi anunciado ao mundo científico a nova espécie.
   Nas imagens acima, a primeira mostra um enorme Argentinossauro sendo caçado por um grupo de Giganotossauros, a segunda mostra uma comparação entre um elefante Africano, que é o maior animal terrestre existente no planeta, um Braquiossauro (cinza), com aproximadamente 13 metros de altura e o Argentinossauro (marrom), com 20 metros de altura. E na quarta imagem temos três grandes recordistas do mundo animal, o primeiro da esquerda é um Argentinossauro ( o animal terrestre mais pesado, 100 toneldas ), o segundo no meio é um Sauroposeidon ( o animal terrestre mais alto, 25 metros ) e o último da direita é um Seismossauro ( o animal terrestre mais comprido, 52 metros ), temos também um pequeno ser humano em tamanho proporcional para verificarmos as gigantescas dimensões desses animais.
    Os Argentinossauros tinham vértebras muito rígidas. Sua flexibilidade foi sacrificada por causa do imenso peso. Eles viveram há aproximadamente 90 á 66 milhões de anos atrás, com maior intensidade de achados na Patagônia Argentina.
    Punham ovos do tamanho de uma bola de futebol, isto é, nasciam desproporcionalmente pequenos. Cientistas acreditam que aos 5 anos teria o tamanho de um pastor alemão, aos 15 teria o tamanho de um cavalo e só seriam adultos aos 50 anos.
    Supõe-se que tivessem sangue frio, pois com o sangue quente, teriam que ingerir 5 ou 6 toneladas de folhas por dia, uma quantidade teoricamente impossível para uma cabeça tão pequena. Mas com sangue frio necessitariam ingerir "apenas" 1 tonelada, mas isso é apenas uma teoria sobre os saurópodes e existem várias delas.

Dados do Dinossauro:
Nome: Argentinossauro
Nome Científico: Argentinossauro huinculensis
Época: Cretáceo
Local em que viveu: América do sul
Peso: Cerca de 90 à 110 toneladas
Tamanho: 20 metros de altura e 45 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora

Arsinoitherium
    O Arsinoitherium era um enorme mamífero que viveu há aproximadamente entre 36 a 30 milhões de anos atrás, possuía dois pares de chifres, um par enorme apontando para a frente e um par pequeno apontando para trás, que deveriam ser mais desenvolvidos nos machos, ambos cobertos de pele, e se acreditava servir para combates ou exibições e até para se defender do ataque de predadores. Atingia 1,8 metros de altura nos ombros. Considera-se que ele seja meio aparentado com os elefantes. Alimentava-se de folhas e galhos de arbustos, mas na falta destes podia se alimentar de capim ou outras gramíneas, tudo em grandes quantidades. O Arsinoitherium possuía quatro artelhos em cada pata. Viviam em pequenos grupos familiares próximos a água, acredita-se que nadavam muito bem. Seus predadores, principalmente de animais jovens, eram os creodontes.
Dados do Mamífero:
Nome: Arsinoitherium
Época: Eoceno e Oligoceno
Local onde viveu: Norte da África
Peso: Cerca de 2,5 toneladas
Tamanho: 1,8 metros de altura e 3 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Arthropleura
 
    O Arthropleura era um gigantesco artrópode que viveu há aproximadamente 330 milhões de anos atrás durante o Carbonífero na América do Norte e na Europa, é o maior artrópode terrestre que já existiu, podia ultrapassar dois metros de comprimento, preferiam os ambientes com vegetações abertas e aluviais,  em planícies inundadas como também rios aterrados e deltas e não a vegetação densa dos pântanos como se pensava anteriormente, esses dados foram retirados com bases em rastros fósseis encontrados nos EUA e na Europa.
Dados do Inseto:
Nome: Arthropleura
Nome Científico: Arthropleura
Época: Carbonífero
Local onde viveu: América do Norte e Europa
Peso: Cerca de 50 quilos
Tamanho: 80 centímetros de envergadura
Alimentação: Carnívora
Aucassauro
    O Aucassauro cujo nome tem origem no idioma Mapuche, onde Auca Mahuida é o local onde fora encontrado, significando "lagarto de Auca" e "garridoi" em homenagem a seu descobridor o geólogo Alberto Garrido. Viveu há aproximadamente 78 milhões de anos atrás durante o período Cretáceo nos arredores do vulcão Auca Mahuida na cidade de Neuquén na Argentina.
Seus fósseis foram descobertos no Subgrupo Rio Colorado na Formação Anacleto, sendo descritos em 1999 baseados em um dos mais completos esqueletos de Abelissaurídeos já descobertos e atualmente estão depositados no museu Cármen Funes em Plaza Huincul.

Dados do Dinossauro:
Nome Comum: Aucassauro
Nome Científico: Aucasaurus garridoi
Época: Cretácio Superior, Campaniano.o
Local onde viveu: Argentina
Peso: Cerca de 1500 pounds
Tamanho: 9 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora

Theropoda
Abelisauria
Abelisauridae
Carnotaurinae
Aucasaurus
Australopithecus
    O Australopithecus cujo o nome significa " macaco do sul ", apareceu há cerca de  5 milhões de anos atrás durante o Plioceno possuía diversas espécies as quais uma acredita-se ser ancestral direto dos homens. O gênero media uns 105 centímetros de altura e seu cérebro era mais ou menos do tamanho do de um chimpanzé. O Australopithecus já andava ereto e talvez usasse ferramentas rudimentares como paus e pedras ( sem modificá-los ), mas provavelmente não falava. Durante os 2,5 milhões de anos seguintes, eles dominaram o planeta extinguindo várias espécies animais que cruzavam o seu caminho, até mesmo outras espécies de Australopithecus, que não estavam tão adaptados ao meio e acabaram se extinguindo. E os mais adaptados deram origem aos nossos ancestrais um pouco mais evoluídos que o Australopithecus. Em seus estágios finais há aproximadamente 2,5 milhões de anos atrás surgiu um Australopithecus que incluía carne em sua alimentação (podendo ser até carniça), o que possibilitou uma diminuição no tamanho do estômago ( pois a carne é mais fácil de ser digerida do que vegetais) e um acumulo de proteína que resultou no aumento do cérebro e o surgimento de uma nova espécie o Homo habilis.
Dados do Mamífero:
Nome: Australopithecus
Nome Científico: Australopithecus africanus
Época: Plioceno
Local onde viveu: África
Peso: Cerca de 30 à 40 quilos
Tamanho: 1 metro de altura
Alimentação: Onívora
Avaceratops
    O Avaceratops se distinguia dos outros dinossauros por um pequeno chifre sobre o nariz e um osso de enfeite, que parecia um colar em volta do pescoço. Provavelmente o chifre servia para protegê-lo da maioria dos dinossauros carnívoros.
    Sendo herbívoro, o Avaceratops arrancava caules e troncos com sua boca especial, que funcionava como um bico de papagaio. Seus dentes afiados, localizados na parte posterior do maxilar, se encarregavam de separar as folhagens da madeira. Acredita-se que esses animais viviam em grandes grupos que perambulavam pelas planícies da América do Norte.
    É bem possível que o Avaceratops corresse com as pernas musculosas que possuía. Ao correr, balançava o pesado rabo no ar.
    Até hoje, apenas uma parte do Avacerátops foi encontrada. Isso em 1981, em Montana, nos EUA. Até 1988, não tinha nome.

Dados do Dinossauro:
Nome: Avaceratops
Época: Cretáceo
Tamanho: 1m de altura e 2,5m de comprimento
Alimentação: Herbívoro
Bactrossauro
Seu nome significa "lagarto bactriano". Era um Hadrossauro que viveu no Cretáceo, na Ásia. Podia locomover-se sobre duas ou quatro patas, como o Iguanodonte. Alimentava-se da vegetação que existia na época.

Dados do Dinossauro:
Nome: Bactrossauro
Nome Científico: Bactrosaurus johnsoni
Época em que Viveu: Cretáceo
Tamanho: 4 metros de comprimento
Alimentação: HerbívoraBahariassauro
    O Bahariassauro cujo nome significa " Lagarto do Oasis Bahariya " viveu durante o período Cretáceo há aproximadamente 98 milhões de anos atrás no Egito e na Nigéria, caçando solitariamente ou em famílias, enormes dinossauros, eram terópodes muito ágeis pertencente a família do Alossaurídeos. Parte de seus fósseis foram destruídos durante a Segunda Guerra Mundial. Na última imagem um Bahariassauro disputa um enorme peixe com um Espinossauro.
Dados do Dinossauro:
Nome: Bahariassauro
Nome Científico: Bahariasaurus ingens
Época: Cretáceo
Local onde Viveu: África
Peso: Cerca de 4 toneladas
Tamanho: 12 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora

Baluchitherium
    O Baluchitherium foi um dos maiores mamíferos terrestres que já existiu, sendo um ancestral dos atuais rinocerontes ele chegava a pesar mais de 10 toneladas e medir pouco mais de 4 metros de altura e 5 de comprimento, sendo um pouco menor que os seus "primos" próximo também ancestrais dos rinocerontes o Indricotherium e o Paraceratherium.
   Os Hábitos do Baluchiterium lembrariam o da girafa, comendo folhagens á 5 metros de altura onde outros animais menores não alcançariam e com certeza eles preencheram o nicho ecológico deixado pelos dinossauros. Viveu durante o Oligoceno na Ásia há 30 milhões de anos atrás.
Dados do Mamífero:
Nome: Baluchiterium
Nome Científico: Baluchiterium grangeri
Época: Oligoceno
Local onde viveu: Ásia
Peso: Cerca de 12 toneladas
Tamanho: 4 metros de altura e 5 de comprimento
Alimentação: Herbívora
Bambiraptor
    O Bambiraptor cujo nome significa " O Raptor Bambi ", raptor é sinônimo de ave de rapina, viveu durante o período Cretáceo há aproximadamente 71 milhões de anos atrás em Montana. No início achava-se que era um filhote de alguma espécie de raptor já conhecida, tempos depois verificou-se que era uma nova espécie, um raptor pequeno, mas que apesar do nome deveria caçar em grandes bandos. Sendo muito ágeis não era problema para eles alcançarem a vítima, o problema seria matá-la. Com certeza poderiam abater presas muito maiores que eles e como elas demorariam a morrer ela seria praticamente comida viva, o que os torna terríveis predadores.
Dados do Dinossauro:
Nome: Bambiraptor
Nome Científico: Bambiraptor feinbergorum
Época: Cretáceo
Local onde Viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 5 quilos
Tamanho: 1,5 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Barbourofelis
    Os Barbourofelis eram enormes felinos que viveram há aproximadamente 10 milhões de anos atrás durante o Mioceno, podiam atingir tamanhos semelhantes ao dos atuais ursos, não se conhece outro dos chamados dentes-de-sabre que tenha atingido esse porte e nem que tivesse sabres tão grandes. Os sabres do Barbourofelis podiam chegar a medir mais de 20 centímetros e com certeza eram armas mortais. Provavelmente como todos os dentes de sabre o Barbourofelis podia caçar animais bem maiores do que ele e disputaria territórios com outros predadores de grande porte como dentes-de-sabre e ursos das cavernas.
Nome: Barbourofelis
Nome Científico: Barbourofelis
Época: Mioceno
Local onde viveu: Ásia
Peso: Cerca de 400 quilos
Tamanho: 3,5 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Barionix

    O Barionix cujo nome significa " garra pesada " viveu há aproximadamente 144 milhões de anos atrás durante o período Cretáceo foi encontrado em 1983, o Barionix tinha sua característica mais marcante sendo uma garra curvada com cerca de 30cm. Tinha dentes pequenos, pontudos e em maior quantidade que os outros carnívoros. O pescoço era comprido e uma crista chata estendia-se sobre o seu focinho.
    No fim período Jurássico, começo do Cretáceo, muitas regiões da Europa estavam inundadas pela água, formando imensos lagos. O Barionix vivia às margens desses lagos, onde ficava encolhido na vegetação. Com o olhar fixo na água, mergulhava sua cabeça alongada e estreita, e num gesto rápido e fulminante retirava-a, trazendo entre os dentes um peixe relativamente grande. É difícil imaginar que este animal, de aspecto meio desengonçado tenha desenvolvido tamanha habilidade para pescar. Mas, possivelmente, também comia carniça, pois foram encontrados ossos de Iguanodonte junto ao Barionix.
    O Barionix especializou-se em comer peixe. Sendo que ficava grande parte de seu tempo pescando nas margens de rios ou lagos, era uma presa fácil para os enormes crocodilos que existiam na época.
Dados do Dinossauro:
Nome: Barionix
Nome Científico: Baryonyx walkeri
Época: Cretáceo
Local onde viveu: Europa
Peso: Cerca de 1 tonelada
Tamanho: 6 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Barossauro

    O Barossauro cujo nome significa " Lagarto pesado " viveu durante o período Jurássico há aproximadamente 150 milhões de anos atrás nos Estados Unidos, era um enorme dinossauro saurópode, muito comprido porém não tão " pesado " ( se comparado com outros de mesmo comprimento ), que passava a maior parte de seu tempo comendo folhas de árvores e arbustos, viviam em enormes manadas onde os filhotes andavam no centro, sendo protegidos pelos adultos que quase não tinham predadores naturais.
Dados do Dinossauro:
Nome: Barossauro
Nome Científico: Barosaurus lentus
Época: Jurássico
Local onde Viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 10 toneladas
Tamanho: 27 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Basilossauro
    O Basilossauro cujo nome significa " Lagarto rei " é uma Baleia primitiva que viveu há aproximadamente 40 milhões de anos atrás durante o Eoceno nos mares próximos há América Do Norte e África , era um predador delgado e hidrodinâmico, foi assim nomeado por se achar inicialmente que se tratava de um réptil marinho. Durante rápidas mudanças evolutivas, seus membros traseiros se atrofiaram e só restaram estruturas vestigiais. As narinas do Basilossauro já se aproximavam dos olhos no alto da cabeça e suas mandíbulas eram bem alongadas. Sua alimentação era baseada em peixes, tubarões, moluscos e outras baleias.
Dados do Mamífero:
Nome: Basilossauro
Nome Científico: Basilosaurus
Época: Eoceno
Local onde viveu: América do norte e África
Peso: Cerca de 35 a 40 toneladas
Tamanho: 19 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Batrachognathus
    O Batrachognatus cujo nome significa " Mandíbula de sapo " era um pterossauro primitivo que viveu durante o período Jurássico há aproximadamente 150 milhões de anos atrás no Kazakistão, comendo pequenos insetos, como os atuais morcegos o fazem hoje. Provavelmente viveriam em grupos, procriando em paredões rochosos e caçando insetos.
Dados do Pterossauro:
Nome: Batrachognatus
Nome Científico: Batrachognatus volans
Época: Jurássico
Local onde viveu: Ásia
Peso: Cerca de 600 gramas
Tamanho: 50 centímetros de envergadura
Alimentação: Carnívora
Baurusuchus
  
   O Baurusuchus cujo nome significa "crocodilo de Bauru" é um antigo crocodilo terrestre que viveu no Brasil há cerca de 90 milhões de anos atrás durante o período Cretáceo na região de Bauru, interior de São Paulo. Meida cerca de 3,5 metros de comprimento e pesava aproximadamente 80 quilos.
   O menino Clésio Felício de 13 anos encontrou um dente em um terreno próximo a sua escola em General Salgado interior de São Paulo e achando ser de bezerro o levou ao seu professor de Ciências João Tadeu Arruda que verificando se tratar de um fóssil resolveu, procurar especialistas para analisar o achado.
   No ano de 2002 após a realização de civersas análises no material recolhido, pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro e do Museu de Paleontologia de Monte Alto em São Paulo, foram até General Salgado, realizar escavações no local indicado pelo professor João Tadeu e descobriram muito fósseis: arcadas, restos de ossos e 11 esqueletos quase completos. Esse material permitiu que os especialistas descobrissem diversas informações sobre o novo crocodilo.
   As pernas do Baurusuchus eram bem mais longas do que as dos crocodilos atuais, pois ele precisava passar mais tempo caminhando pelo o solo, não dependendo muito da presença de água. Ele era carnívoro e suas grandes mandíbulas o tornavam um excelente predador, caçando em grupos numerosos pequenos, médios e grandes animais. Convivendo com enormes dinossauros e pequenos mamíferos.

Dados do Animal:

Nome: Baurusuchus
Nome Científico:Baurusuchus salgadoensis
Época: Cretáceo
Local onde viveu: Brasil
Peso: Cerca de 80 quilos
Tamanho: 3,5 metros de comprimento
Alimentação: Onívora

Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Ordem: Crocodylomorpha
Família: Notossúquios
Género: Baurusuchus
Espécie: Baurusuchus salgadoensis
Becklespinax
    O Becklespinax cujo nome significa " Beckle espinha única  " viveu durante o período Cretáceo há aproximadamente 127 milhões de anos atrás na Inglaterra, era um enorme dinossauro terópode, muito ágil e que deveria possuir uma espécie de "vela" nas costa, como ocorria com o Espinossauro, porém não era parente do mesmo.
Dados do Dinossauro:
Nome: Becklespinax
Nome Científico: Becklespinax altispinax
Época: Cretáceo
Local onde viveu: Europa
Peso: Cerca de 1 toneladas
Tamanho: 8 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Belemnites
    Os Belemnites eram  carnívoros com um corpo suave ao redor de uma concha interna, parecidos com as atuais lulas. Evoluíram no período Carbonífero e pensa-se que tenham evoluído dos mesmos antepassados que os dos ammonites. Os Belemnites eram comuns do mais Baixo período jurássico até o fim do período Cretáceo e foi extinto ao mesmo tempo que os dinossauros - aproximadamente 65 milhões de anos atrás.
    Os Belemnites eram eficientes para pegar peixes pequenos e animais marinhos com os seus tentáculos, e os comia com as suas mandíbulas em forma de bico. Os tentáculos deles eram diferentes ao da lula moderna, eles tinham ganchos em vez de ventosas para agarrar as presas. Eles foram construídos para velocidade e provavelmente serviriam de alimento para ictiossauros e outros répteis marinhos como já visto em evidências fósseis.
Dados do Belemnite:
Nome:
Belemnite
Alimentação: Carnívora
Bisão antigo
 
    O Bisão antigo era um bovídeo antepassado do Bisão Norte americano, que viveu há 20 mil anos atrás durante o Pleistoceno na América do Norte, era um pouco maior que seus parentes atuais e vivam em enormes grupos, como os bisões americanos atuais, migrando de regiões para regiões nas determinadas épocas do ano, no Rancho La Brea (EUA) são encontrados muitos desses exemplares e uma curiosidade é que só são encontrados filhotes com idades entre 2 a 4 meses, de 14 a 16 meses e 26 a 30 meses, os de 5 a 13 meses e os de 17 a 25 meses não são encontrados, isso ocorre justamente pelo ciclo de migração que esses Bisões possuíam, onde nesses meses que não são encontrados filhotes, a grupo todo se encontrava em outras regiões.
Dados do Mamífero:
Nome: Bisão antigo
Nome Científico: Bison antiquus
Época: Pleistoceno
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 800 quilos
Tamanho: 1,7 metros de altura
Alimentação: Herbívora
Bisão de cornos longos
 
    O Bisão de cornos longos era um parente do Bisão Norte americano que viveu há 20 mil anos atrás durante o Pleistoceno na América do Norte, era um pouco maior que seus parentes atuais e vivam em grupos, menores que os dos bisões americanos atuais, migrando de regiões para regiões nas determinadas épocas do ano, no Rancho La Brea (EUA) são encontrados exemplares dessa espécies em pequenas quantidades, seus chifres podiam atingir 1,8 metros de comprimento de uma ponta a outra.
Dados do Mamífero:
Nome: Bisão de cornos longos
Nome Científico: Bison latifrons
Época: Pleistoceno
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 800 quilos
Tamanho: 1,7 metros de altura
Alimentação: Herbívora
Boryhyaena
    O Boryhyaena era um marsupial carnívoro que viveu na América do Sul há aproximadamente 25 milhões de anos atrás durante o Oligoceno, possuía pouco mais de 1 metro de comprimento e era uma espécie bem sucedida até se encontrar em uma enorme competição com os mamíferos, os quais entre outros fatores o levaram a extinção.
Dados do Mamífero:
Nome: Boryhyaena
Época: Oligoceno
Local onde viveu: América do Sul
Peso: Cerca de 30 quilos
Tamamnho: 1 metros de comprimento e 50 centímetros de altura
Alimentação: CarnívoraBrachauchenius
 
    O Brachauchenius era um réptil marinho cujo nome significa "pescoço curto" que viveu há aproximadamente 90 milhões de anos atrás durante o período Cretáceo nas costas norte americanas, era um predador muito voraz, seu crânio tinha cerca de 1,5 metros de comprimento e sua alimentação era a base de outros répteis marinhos como pequenos plesiossauros e tartarugas, cefalópodes como a lula da imagem acima e de peixes incluindo tubarões, acredita-se que esses enormes répteis marinhos ainda tinham de vir a terra para desovar.

Dados do Plesiossauro:
Nome: Brachauchenius
Nome Científico: Brachauchenius lucasi
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 19 toneladas
Tamanho: 11 metros de comprimento
Alimentação: Carnívoro
Braquiossauro
    O Braquiossauro cujo nome significa "lagarto braço", foi descoberto em 1900 no Colorado, EUA, mas também viveu na Argélia e Tunísia, há aproximadamente 144 milhões de anos atrás, durante o período Jurássico. Esse animal provavelmente não poderia erguer-se nas patas traseiras como mostra o filme "Jurassic Park", pois elas eram mais curtas que as dianteiras. Mesmo assim sua altura lhe permitia, sem esforço, comer as copas das árvores, sua atividade principal.
    O Braquiossauro passava a maior parte do dia comendo folhas de suas árvores prediletas como as coníferas (tipo pinheiros), cicadáceas e gingoáceas. Calcula-se que para abastecer seu corpanzil de até 90 toneladas, comia mais ou menos 2 toneladas de plantas por dia. Apesar do grande peso, podia desenvolver uma velocidade de aproximadamente 20 km/h. Com certeza a terra devia tremer.
    Como as narinas desse enorme saurópode ficavam no alto da cabeça, muitos cientistas acreditavam que ele vivia na água, comendo plantas aquáticas no fundo de lagos e rios. Nesse caso seu corpo ficaria debaixo da água e de vez em quando aparecia a pequena cabeça com as narinas através das quais ele respirava. Mas essa teoria foi superada, pois sabe-se que seus pulmões não teriam suportado a pressão da água.

Dados do Dinossauro:
Nome: Braquiossauro
Nome Científico: Brachiossaurus brancai, Brachiosaurus altithorax
Época em que Viveu: Jurássico
Local onde viveu: América do Norte e África
Peso: Cerca de 90 toneladas
Tamanho: 25 metros de comprimento e 15 metros de altura
Alimentação: Herbívora

Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Superordem: Dinosauria
Ordem: Saurischia
Subordem: Sauropoda
Família: Brachiosauridae
Género: Brachiosaurus
Brontotherium
    O Brontotherium cujo nome significa "Besta-trovão", é um produto da mitologia indígena Sioux. O Brontotherium que eles estavam se referindo era um grande mamífero do Oligoceno, distantemente relacionado ao rinoceronte, que tinha um chifre " bifurcado " em seu focinho, sendo maior nos machos que nas fêmeas, este chifre era provavelmente usado em lutas entre machos, muito parecido com os cervos e antílopes de hoje. O Brontotherium desapareceu junto com as grandes florestas que foram substituídas por prados onde cavalos, rinocerontes e outros mamíferos ficaram mais abundantes. Seus chifres eram constituídos de tecido ósseo e provavelmente revestidos por pele.
Dados do Mamífero:
Nome: Brontotherium
Época: Oligoceno, há aproximadamente 30 milhões de anos atrás.
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 3 toneladas
Tamanho: 2,5 metros de altura
Alimentação: Herbívora Búfalo Gigante
 
    O Búfalo Gigante ou Pelorovis era um gigantesco bovídeo , sendo considerado como um dos maiores que já existiu , e que viveu há aproximadamente 12 mil anos atrás durante o Pleistoceno na África do Sul, pastando em savanas próximas de rios e lagos, pois como seus parentes atuais, eles também gostavam de estar sempre próximos de fontes de água. Suas dimensões eram enormes, podiam atingir mais de 2,5 metros de altura nos ombros, pesar mais de 1,5 toneladas, seus chifres podiam chegar a mediar de uma ponta até a outra mais 3 metros de comprimento. Com todo esse tamanho, os predadores de sua época não eram capazes de caçar adultos, restringindo-se apenas aos filhotes, os quais ainda contavam com a proteção da manada, como na imagem acima, na qual um Búfalo Gigante ataca ferozmente um bando leões africanos.
Dados do Mamífero:
Nome: Búfalo Gigante
Nome Científico: Pelorovis antiquus
Época: Pleistoceno
Local onde viveu: África
Peso: Cerca de 1,6 toneladas
Tamanho: 2,5 metros de altura
Alimentação: Herbívora

Cacops
       O Cacops era um anfíbio primitivo que viveu há aproximadamente 290 milhões de anos atrás durante o período Permiano no sul dos Estados Unidos. Foi uns dos anfíbios mais adaptados a vida terrestre, pois se parecia muito com os répteis, seu corpo era protegido por um revestimento de placas ósseas que cobriam a coluna vertebral e formavam uma protuberância robusta e pertencia a ordem dos temnospondilos.
Dados do Anfíbio:
Nome: Cacops
Época: Permiano
Peso: Cerca de 10 quilos
Tamanho: 50 centímetros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Camarassauro
    O Camarassauro cujo nome significa " lagarto câmara ", pois possuía câmaras nas vértebras para reduzir seu peso, era um enorme saurópode que viveu no período jurássico na América do Norte e que podia atingir mais de 15 metros de comprimento e 20 toneladas.
    Os Camarassauros podiam erguer-se sobre as pernas traseiras para comer no topo das árvores, atingindo assim alturas de quase 10 metros e para se defenderem usavam as patas dianteiras dotadas de garras para atacar o inimigo e utilizavam o longo rabo como chicote.

Dados do Dinossauro:
Nome: Camarassauro
Nome Científico: Camarasaurus supremos, C. grandis, C. lentos, C. alenquerensis e C. lewisi
Época: Jurássico
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 20 toneladas
Tamanho: 15 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora

Camelo Girafa
 
    O Camelo Girafa ou Aepycamelus era conhecido como Alticamelus e foi um ancestral dos atuais camelos, viveu na América do Norte há 10 milhões de anos atrás durante o Mioceno e seus descendentes migraram para a Ásia e para a África e deram origem aos atuais camelos e dromedários. Podia erguer sua cabeça a uma altura de 3,5 metros para se alimentar de folhas e já era adaptado para viver em ambientes desérticos onde não existia muita água.
Dados do Mamífero:
Nome: Camelo Girafa
Nome Científico: Aepycamelus
Época: Mioceno
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 270 quilos
Tamanho: 3 metros de altura
Alimentação: Herbívora
Camelops
 
    O Camelops é um parente dos atuais camelos, viveu  há aproximadamente 12 mil anos atrás durante o Pleistoceno no oeste dos EUA, era do tamanho de um camelo atual e devia possuir os mesmos hábitos, vivendo em ambientes áridos e secos em pequenos bandos familiares de fêmeas com seus filhotes e um macho dominante. 
Dados do Mamífero:
Nome: Camelops
Nome Científico: Camelops hesternus
Época: Pleistoceno
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 240 quilos
Tamanho: 2,3 metros de altura
Alimentação: Herbívora
Camptossauro
Era um vegetariano inofensivo que tinha seus dentes robundos escondidos sob uma espécie de bico semelhante ao dos pássaros. Também, como os pássaros tinha o cérebro pequeno e não deveria ter sido um animal muito inteligente.

Dados do Dinossauro:
Nome: Camptossauro
Nome científico: Camptosaurus sp
Época em que viveu: (Provavelmente) Jurássico
Tamanho: Por volta de 3m, baseado em comparação com outro dinossauro
Alimentação: Herbívora
Campylognathoides
    O Campylognathoides cujo nome significa " Forma de Campylognathus " era um pterossauro primitivo que viveu durante o período Jurássico há aproximadamente 195 milhões de anos atrás na Alemanha, caçando insetos pelos ares. Esse foi um dos maiores pterossauros primitivos e alguns de seus descendentes perderam a cauda, ficando maiores ainda.
Dados do Pterossauro:
Nome: Campylognathoides
Nome Científico: Campylognathoides liasicus
Época: Triássico
Local onde viveu: Europa
Peso: Cerca de 20 quilos
Tamanho: 6 metros de envergadura
Alimentação: Carnívora
Carcharodontossauro
 
    O Carcharodontossauro cujo nome significa " réptil com dentes de tubarão " era conhecido apenas por fragmentos de ossos, mas recentemente foram descobertos mais fósseis que indicam ser o Carcharodontossauro um dos maiores dinossauros carnívoros que já existiram, sendo maior até que o Tiranossauro rex e seus dentes atingiam o incrível tamanho de 15 centímetros.
    Há 90 milhões de anos atrás, esse enorme animal era um dos dinossauros mais amedrontadores que vagavam pela paisagem pré-histórica. Tinha a pele manchada, que servia como camuflagem na luz filtrada pelas árvores, quando ele aguardava a hora certa para atacar. Então, ele se atirava sobre a presa com sua boca enorme . O Carcharodontossauro não era veloz, mas tocaiava sua presa e a engolia inteira. Seu pescoço era forte o bastante para girar sua enorme cabeça.
    Na terceira imagem de cima para baixo um Carcharodontossauro está atacando e disputando a mesma presa com um Espinossauro, que é sem dúvida também um dos maiores dinossauros carnívoros que já existiu, a presa é um enorme saurópode conhecido como Aegyptosaurus baharijensis, quem ganhará a luta é impossível determinar com certeza, mas se os grandes carnívoros travassem uma batalha, essa seria aterrorizante.
    Na última imagem um Carcharodontossauro está ameaçando um Deltadromeus e que se "não der ouvidos" a essa ameaça poderá virar a sobremesa desse banquete.
Dados do Dinossauro:
Nome: Carcharodontossauro
Nome Científico: Carcharodontosaurus saharicus
Época: Cretáceo
Local em que viveu: Norte da África ( Egito, Marrocos, Tunísia, etc)
Tamanho: 15 metros de comprimento
Peso: Cerca de 9 toneladas
Alimentação: Carnívora
Carnotauro
    Era uma terópode de 3 metros altura que viveu na atual Patagônia. Tinha um focinho como o do buldogue e uma mordida não menos potente. Acima dos olhos tinha dois chifres parecidos com asas. Seu nome significa "touro carnívoro". Este animal é conhecido também pelos minúsculos e até ridículos braços, quando comparados ao tamanho total do corpo.

Dados do Dinossauro:
Nome: Carnotauro, que significa "touro carnívoro"
Nome Científico: Carnotaurus sastrei
Peso: Cerca de 250 kg
Tamanho: 3 metros de altura e 8 metros de comprimento
Alimentação: Carnivora
Castor Gigante
     O Castor Gigante é um dos maiores roedores que já existiram podendo atingir o tamanho de um urso, viveu há aproximadamente 50 mil anos atrás durante o Pleistoceno na América do Norte, utilizava seus dentes para roer vegetações duras como cascas de árvores, era bom nadador, porém não construía represas, pois os atuais castores constroem represas para se protegerem de predadores e nesse caso o próprio tamanho agigantado o protegia, foram encontrados fósseis de Castor gigante desde a Flórida (sul dos EUA) até o norte do Canadá.
Dados do Mamífero:
Nome: Castor gigante
Nome Científico: Castoroides ohioensis
Época: Pleistoceno                                                                                                                                  Cavalo da Floresta
    O Cavalo da Floresta é um parente próximo dos cavalos atuais e viveu há aproximadamente 40 mil anos atrás durante o Mioceno nos EUA e no Canadá, seus hábitos diferem um pouco dos cavalos de hoje, pois ainda viviam em floresta e possuíam três dedos em cada pata, os cavalos só perderiam esses dedos extras e se tornariam enormes com o fim das florestas e posterior surgimento dos campos, que os obrigou a serem mais velozes e fortes para se defenderem de predadores em campos abertos. Este foi um dos maiores exemplares há ainda habitar as florestas.
Dados do Mamífero:
Nome: Cavalo da Floresta
Nome Científico: Hypohippus affinis
Época: Mioceno
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 550 kg
Tamanho:  1,3 metros de altura
Alimentação: Herbívora
Cavalo gigante
    O Cavalo gigante é um parente próximo dos cavalos atuais e viveu há aproximadamente 25 mil anos atrás durante o Pleistoceno no leste dos Estados Unidos, seus hábitos não diferem dos cavalos de hoje, vivendo em grupos com apenas um macho dominante, porém ele era maior, mais pesado, robusto e forte, seus coices quebrariam facilmente os ossos de um predador descuidado a ponto de atacá-los como os grandes felinos, cães e ursos que existiam em sua época, seus dentes tornavam suas mordidas poderosas armas de luta corporal, as quais eram comumente utilizadas em combates entre machos na disputa por territórios e por grupos de fêmeas. O Cavalo gigante é um dos maiores membros que já existiram da família dos Equidae, a qual pertence os atuais cavalos.
Dados do Mamífero:
Nome: Cavalo gigante
Nome Científico: Equus giganteus
Época: Pleistoceno
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 1 tonelada
Tamanho:  2 metros de altura
Alimentação: Herbívora
Cavalo primitivo
    O Hyracotherium ou Cavalo primitivo era um ancestral dos atuais cavalos viveu há aproximadamente 55 milhões de anos atrás durante o Eoceno na América do Norte e Europa, era do tamanho de uma raposa, ele possuía quatro artelhos nas patas dianteiras e três nas traseiras, e a maior parte de seu peso se apoiava nas almofadas das patas, semelhantes às dos cães. Seus dentes mastigavam as folhas e os frutos tenros de seu habitat na floresta. Antigamente ele era conhecido como Eohippus.
Dados do Mamífero:
Nome: Cavalo primitivo
Nome Científico: Hyracotherium
Época: Eoceno
Local onde viveu: América do Norte e Europa
Peso: Cerca de 20 á 30 quilos
Tamanho: Aproximadamente 40 centímetros de altura e 70 de comprimento
Alimentação: Herbívora
Cavalo primitivo de três dedos
    O Mesohippus ou Cavalo primitivo de três dedos provavelmente se alimentava das folhas novas dos arbustos e de folhas e frutos com polpa, das árvores pequenas. Os dentes e mandíbulas pequenos refletem sua dieta leve. Quando os cavalos evoluíram, os dentes e mandíbulas ficaram maiores, pois a dieta mudou, para incluir as gramíneas rijas.
Dados do Mamífero:
Nome: Cavalo primitivo de três dedos
Nome Científico: Mesohippus
Época: Oligoceno há 35 milhões de anos atrás
Local em que viveu: América do Norte e Europa
Peso: Cerca de 50 á 60 quilos
Tamanho: Aproximadamente 50 centímetros de altura e 1 metro de comprimento
Alimentação: Herbívora
Cavalo primitivo de um dedo
    O Pliohippus ou Cavalo primitivo de um dedo viveu há aproximadamente 5 milhões de anos atrás durante o Plioceno na América do Norte, quase completou a evolução dos quatro artelhos de seus ancestrais para um casco com um só artelho. A pata dianteira do Pliohippus se assemelhava à dos cavalos de hoje, com apenas um casco, porém ainda não era tão adaptado.
Dados do Mamífero:
Nome: Cavalo primitivo de um dedo
Nome Científico: Pliohippus
Época: Plioceno
Local em que viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 60 á 70 quilos
Tamanho: Aproximadamente 1,2 metros de altura e 1,5 de comprimento
Alimentação: Herbívora
Cearadactylus
    O Cearadactylus era um pterossauro de médio porte que viveu durante o período Cretáceo há aproximadamente 110 milhões de anos atrás no nordeste brasileiro. Possuía numerosos dentes extremamente afiados, próprios para pegar peixes, os quais deveriam ser a base de sua alimentação, sua envergadura ultrapassava os 5 metros, porém seus ossos eram muito finos, o que tornava seu corpo extremamente leve, para um animal desse porte.
Dados do Pterossauro:
Nome: Cearadactylus
Época: Cretáceo
Local onde viveu: Brasil
Peso: Cerca de 15 quilos
Tamanho: 5,5 metros de envergadura
Alimentação: Carnívora
Centrossauro
 
    O Centrossauro cujo nome significa "lagarto de ponta afiada", viveu há aproximadamente 65 milhões de anos atrás no final do período Cretáceo, possuía uma cabeça pesada com dois chifres pequenos no topo do crânio e um grande na ponta do nariz, ombros fortes e um rabo pequeno, como a maioria dos Ceratopsídeos, família a qual pertence.

Dados do Dinossauro:
Nome: Centrossauro
Nome Científico: Centrosaurus apertus
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 4 toneladas
Tamanho: 6 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Ceratossauro
    O Ceratossauro cujo nome significa " lagarto de chifre nasal ", devido à protuberância que possui no focinho. Viveu durante o período Jurássico na África e América do norte (Colorado e Utah). É um parente do Alossauro, mas ao contrário de todos os outros grandes terópodes que viveram após ele, tinha quatro dedos nas patas superiores. Além disso tinha estranhas protuberâncias ósseas sobre os olhos.

Dados do Dinossauro:

Nome: Ceratossauro
Nome Científico: Ceratosaurus nasicornis
Época: Jurássico
Local onde viveu: África e América do Norte
Peso: Cerca de 1 tonelada
Tamanho: 6 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Chalicotherium
    O Chalicotherium é um animal primitivo que viveu há aproximadamente 16 milhões de anos atrás durante o Mioceno na Europa, e eram parentes dos atuais cavalos, rinocerontes e antas. Esses animais estranhos inicialmente confundiram os paleontólogos, porém depois que encontraram seu esqueleto completo o enigma foi desfeito. Uma de suas primeiras descrições resume sua forma, " um gorila misturado com um cavalo robusto", porém seus hábitos eram semelhantes a de preguiças gigantescas, as quais viviam em florestas comendo folhas das árvores, mas a semelhança é apenas convergência adaptativa.
Dados do Mamífero:
Nome: Chalicotherium
Nome Científico: Chalicotherium goldfussi
Época: Mioceno
Local em que viveu: Europa
Peso: Cerca de 1,5 toneladas
Tamanho:  2,6 metros de altura
Alimentação: Herbívora
Chasmossauro
    O Chasmossauro cujo nome significa " Lagarto de fenda no crânio " pertencia a família dos ceratopsídeos. Viviam em grupos grandes na América do Norte durante o período Cretáceo governados por machos dominantes onde todos se ajudavam em caso de ataque, se alimentavam pastando em campos e florestas.O escudo e os chifres eram ótimas armas de defesa contra predadores porém eram também utilizadas em batalhas entre machos na disputa de fêmeas.Também tem outras espécies conhecidas como: Chasmossauro canadensis, Chasmossauro mariscalensis e Chasmossauro russelli.
Dados do Dinossauro:
Nome: Chasmossauro
Nome Científico: Chasmosaurus belli
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 1,5 toneladas
Tamanho: 8 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Cheirolepis
 
    O Cheirolepis era um peixe osteícteos (peixes ósseos) que viveu há aproximadamente 400 milhões de anos atrás durante o período Devoniano se alimentava de pequenos crustáceos, moluscos e peixes, é o mais provável ancestral do esturjão, era recoberto por escamas, as quais o faziam deslizar mas rapidamente pela água, atingia no máximo meio metro de comprimento, o que o tornava um presa, nos terríveis mares devonianos, onde enormes placodontes estavam sempre a espreita de pequenos peixes como o Cheirolepis.
Dados do Peixe:
Nome:
Cheirolepis
Nome Científico: Cheirolepis
Época: Devoniano
Local onde viveu: Oceanos
Tamanho: 50 centímetros de comprimento
Peso: Cerca de 8 kg
Alimentação: Carnívora
Clidastes
    O Clidastes era um réptil marinho pertencente ao grupo dos mosassauros, na imagem acima um Clidastes está sendo atacado por um mosassauro ( que deu nome ao grupo dos mosassauros) , mas nem sempre foi assim, o Clidastes foi um grande predador, com seus quase 4 metros de comprimento ele caçava grandes peixes e moluscos nos mares do Cretáceo. Sua cauda era um pouco mais comprida que a do mosassauro, tornando-o mais ágil , o que não evitava ser pego de surpresa, mais seus piores inimigos eram os tubarões, os quais já estavam mais adaptados a vida aquática que os répteis.

Dados do Mosassauro:
Nome: Clidastes
Nome Científico: Clidastes liodontus
Época: Cretáceo
Local onde viveu: Oceano Atlântico
Peso: Cerca de 400 quilos
Tamanho: 3,5 metros de comprimento
Alimentação: Carnívoro
Climatius
 
    O Climatius era um peixes acantódio que viveu há aproximadamente 430 milhões de anos atrás durante o período Siluriano, era bastante espinhento coberto por escamas rígidas, sua barriga era eriçada por pares de barbatanas sustentadas por fortes espinhos, media cerca de 13 centímetros de comprimento e se alimentava de pequenos crustáceos, moluscos e peixes.
Dados do Peixe:
Nome:
Climatius
Época: Siluriano
Local onde viveu: Oceanos
Tamanho: 13 centímetros de comprimento
Peso: Cerca de 200g
Alimentação: Carnívora
Coelophisis
Coelophisis ("osso ocos", devendo-se ao fato de seus ossos serem assim), era pequeno, aerodinâmico e leve, mas cada grama de seu peso era puro terror.
Viveu no Fim do Triássico e foi encontrado num lugar onde havia milhares de ossos desse animal, centenas de esqueletos empilhados uns sobre os outros num verdadeiro cemitério de dinossauros. Em um único bloco estudado foram encontrado pelo menos seis Coelophisis; considerando o resto da área do bloco e os outros blocos transportados, deveria haver naquele lugar pelo menos 1000 animais.
Os cientistas ainda têm dúvidas sobre o que ocasionou tal catástrofe. Talvez, a manada inteira de Coelophisis tenha sido afetada por uma seca, e, em busca de água para beberem, centenas de animais convergeram para um riacho; mas de repente, a seca acabou. Chuvas torrenciais começaram a cair. Sem aviso, uma inundação cobriu o leito do rio, submergindo tudo o que estava ali. Os Coelophisis foram dragados pelas águas lamacentas.
Como o nome já diz, o Coelophisis tinha ossos ocos e leves, as patas trazeiras eram compridas e o crânio pontiagudo era repleto de dentes afiados; tinha garras desenvolvidas para fechar quando eram flexionadas, agarrando a presa. Era um dinossauro bípede, projetado para correr. Tinha um faro muito bom; os olhos também eram ótimos, já tinham visão colorida, vista lateral ampla e poderiam localizar facilmente a presa. Graças a cauda poderia se mover ereto e manter o equilíbrio. Era um animal incrivelmente veloz para o seu tamanho, podia locomover-se a uma velocidade de até 60 quilômetros horários. O surgimento deste animal originou uma jornada evolutiva que culminou nada menos que o grande Tiranossauro Rex.
Foram identificadas duas formas distintas de Coelophysis, a robusta e a esbelta, as quais os paleontologistas acreditam terem sido macho e fêmea. Poderia abater presas muito maiores do que si mesmo trabalhando em equipe. Além disso, achados paleontológicos revelam que também poderiam ser canibais. Junto aos ossos de um Coelophisis foram encontrados ossos de um bebê desta espécie. Poderiam se alimentar de outros de sua espécie normalmente, ou este não era um hábto comum e abriram uma exeção, enlouquecidos pela fome.

Dados do Dinossauro:

Nome: Coelophisis
Nome Científico: Coelophysis bauri
Época em que Viveu: Fim do Triássico, na América do Norte
Peso: Cerca de 30 quilos
Tamanho: 1,80 metros de comprimento e 91 centímetros de altura
Alimentação: Carnívora
Coelurus
    O Coelurus cujo nome significa " cauda oca " viveu durante o período Jurássico há aproximadamente 145 milhões de anos atrás no EUA, media algo em torno de 2 metros de comprimento e 20 quilos. Era um caçador ágil e muito veloz, provavelmente viveriam em bandos os quais se auxiliariam na caça, na proteção, cuidando dos filhotes etc. Esses pequenos dinossauros eram parentes distantes dos enormes carnívoros,  isto é, eram também terópodes. Os descendentes desses animais se tornaram muito parecidos com aves, acredita-se até que deveriam possuir penas.
Dados do Dinossauro:
Nome: Coelurus
Nome Científico: Coelurus agilis
Época: Jurássico
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 20 quilos
Tamanho: 2 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Colossochelys
 
    O Colossochelys cujo nome significa " Carapaça colossal " viveu durante o período Pleistoceno na Índia, era uma enorme tartaruga terrestre, a maior que se conhece, do tamanho de um carro, ultrapassando 1,5 metros de altura e 2,5 de comprimento, suas perna eram extremamente fortes como a de elefantes, porém um pouco menores. Seus modos de vida eram similares ao das atuais tartarugas terrestres, principalmente como as tartarugas gigantes das ilhas de Seychelles e de Galápagos, que chegam a pesar 300 quilos. Os Colossochelys eram bem adaptados a clima secos e podiam sobreviver bastante tempo sem água e sem comida, devido ao seu estilo de vida vagaroso que economiza energia, como o apresentado por todos os quelônios terrestres.
Dados do Quelônio:
Nome: Colossochelys
Nome Científico: Colossochelys atlas, Geochelone atlas
Época: Pleistoceno
Local onde viveu: Ásia
Peso: Cerca de 800 quilos
Tamanho: 2,8 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Compsognato
    O mini-dinossauro Compsognato cujo nome significa " queixo bonito " foi descoberto na Alemanha, em 1850. Tinha as mãos pequenas, com apenas dois dedos munidos de garras. Os pés se apoiavam e três dedos e as duas pernas longas e finas, com certeza o ajudavam a se locomover com rapidez e agilidade quando perseguia a presa. Alguns ossos de lagarto que os cientistas encontraram em sua barriga, revelaram a alimentação do compsognato.
    Antes do Compsognato existiu um dinossauro chamado Procompsognato. Ele era extremamente parecido com o ele, embora fosse maior, com cerca de 1 metro de comprimento e 10Kg.
    É um dos menores dinossauros encontrados até hoje. Apesar de seu tamanho, era um carnívoro voraz, da família Coelurosauridae, terópode.

Dados do Dinossauro:
Nome: Compsognato
Nome Científico: Compsognathus longipes
Época em que Viveu: Fim do Jurássico, por volta de 144 milhões de anos atrás
Peso: Cerca de 3kg
Tamanho: Cerca de 74cm de comprimento
Alimentação: Carnívora, principalmente de lagartos, insetos e outros pequenos animais
Conchoraptor
É um parente do Oviraptor e tinha hábtos e tamanho semelhantes à ele. Apezar das semelhanças, o Conchoraptor tinha o crânio raso sem a crita ou elmo ósseos existentes no seu parente. Tem garras estreitas e ligeiramente encurvadas.
Ninhos e embriões encontrados deste animal revelam que o Conchoraptor tinha ovos semelhantes aos dos pássaros.
Dados do Dinossauro:
Nome: Conchoraptor
Nome Científico: Conchoraptor gracilis
Época em que viveu: Fim do Cretáceo, na Mongólia
Tamanho: 1,6 metros
Alimentação: CarnívoraCoritossauro
    O Coritossauro cujo nome significa "lagarto de elmo (ou capacete)" , viveu há aproximadamente 145 milhões de anos atrás no final do período Jurássico na América do Norte, era um herbívoro Ornitópode do tipo Hadrossauro ou "bico de pato". Vivia em rebanhos enormes que migravam por toda a América do Norte. A forma do crânio variava conforme a idade, sendo que seu "capacete" só ficaria totalmente formado quando o animal atingi-se a maturidade.

Dados do Dinossauro:
Nome: Coritossauro
Nome Científico: Corythosaurus casuarius
Época: Jurássico
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 5 toneladas
Tamanho: 9 à 10 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Coccosteus

    O Coccosteus era um peixe placodermo que viveu há aproximadamente 400 milhões de anos atrás durante o período Devoniano atacando ferozmente suas presas, em sua época era um dos predadores mais vorazes dos oceanos, pois os tubarões ainda estavam em processo de formação, possuía placas ósseas nos ombros e na cabeça, seus "dentes" eram em forma de placas ósseas muito afiadas, como um serrote, com os quais dilacerava suas presas, quando não era possível engolir elas inteiras.
Dados do Peixe:
Nome:
Coccosteus
Nome Científico: Coccosteus
Época: Devoniano
Local onde viveu: Oceanos
Tamanho: 1 metro de comprimento
Peso: Cerca de 30 kg
Alimentação: Carnívora
Tubarão Ginsu
    O Cretoxyrhina era um tubarão primitivo, que viveu há aproximadamente 82 milhões de anos atrás durante o período Cretáceo , esse enorme tubarão, um dos maiores em seu tempo, chegava a medir 7 metros de comprimento e era extremamente agressivo , pois caçava presas muito maiores do que eles, como nas ilustrações acima. Esses tubarões já muito bem adaptados a vida marinha representavam um " problema " para os recém chegados ao ambiente marinho os " répteis marinhos ", que estavam em processo de adaptação ao meio e quase sempre viravam " comida de peixe ". Mas alguns répteis marinhos " deram o troco " e se tornaram os maiores predadores que já existiram no planeta e o Cretoxyrhina as vezes também virava " comida " de enormes plesiossauros como o Liopleurodonte.
Dados do Tubarão Pré-Histórico:
Nome:
Tubarão Ginsu
Nome: Cretoxyrhina mantelli
Época: Cretáceo
Local em que viveu: Oceano Atlântico
Peso: Cerca de 1,2 toneladas
Tamanho: 7 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Criorhynchus
    O Criorhynchus cujo nome significa " Bico de martelo " era um pterossauro que viveu durante o período Cretáceo há aproximadamente 140 milhões de anos atrás na Inglaterra, comendo peixes e outros seres aquáticos. Sua crista era bem na ponta do bico e provavelmente fosse colorida, se tornando ainda mais colorida na época da reprodução.
Dados do Pterossauro:
Nome: Criorhynchus
Nome Científico: Criorhynchus simus
Época: Cretáceo
Local onde viveu: Europa
Peso: Cerca de 40 quilos
Tamanho: 5 metros de envergadura
Alimentação: Carnívora
Cryolophossauro
    O Cryolophossauro cujo nome significa " lagarto de coroa do gelo " foi descoberto recentemente se comparado há outros dinossauros, ele foi encontrado em 1994, na Antártida. O Cryolophossauro foi um carnívoro de 6 metros de comprimento muito ágil e agressivo e provavelmente caçava em grupos.

Dados do Dinossauro:
Nome: Cryolophossauro
Nome Científico: Cryolophosaurus ellioti
Local onde viveu: Antártida
Peso: Cerca de 700 quilos
Tamanho: 6 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Cryptoclidus
            
    Com 8 metros de comprimento,o Cryptoclidus era um Plesiossauro de tamanho médio. Teve um pescoço que chegava a 2 metros de comprimento e não parecia ter sido muito flexível. Manteve seu corpo vultoso provavelmente longe de sua cabeça pequena para não ser uma presa em potencial. Tinha dentes pontiagudos, ideal para pegar peixes e calamares. Tinha quatro nadadeiras largas, com que " voava " pela água com movimentos ondulantes e graciosos.
    Os Plesiossauros eram um grupo de diferentes répteis marinhos. Estes incluíram crocodilos marinhos e Ictiossauros. Os Plesiossauros são descendentes dos répteis que viveram na terra e que tinham voltado ao mar.
    Paleontologistas estão divididos em como devem  ser relacionados os plesiossauros em relação a grupos marinhos. Porém, está claro que eles eram parentes muito distantes dos dinossauros.
    Existem restos bem preservados de Cryptoclidus, foram achados outros plesiossauros ao longo do mundo. Em particular foram recuperados muitos esqueletos de Cryptoclidus completos de pedreiras ao redor de Oxford e Peterborough na Inglaterra.
Dados do Plesiossauro:
Nome: Cryptoclidus
Peso: Cerca de 8 toneladas
Época: Jurássico de 165 à 150 milhões de anos atrás.
Local onde Viveu: Mares próximos há Europa, Ásia e América do Sul.
Tamanho: 8 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Ctenochasma
    O Ctenochasma cujo nome significa " Lagarto noturno" era um pterossauro que viveu durante o período Jurássico há aproximadamente 150 milhões de anos atrás na Alemanha, possuía mais de 260 dentes no bico, os quais acredita-se que eram usados para filtrar a água em busca de pequenos crustáceos.
Dados do Pterossauro:
Nome: Ctenochasma
Nome Científico: Ctenochasma gracilis
Época: Jurássico
Local onde viveu: Europa
Peso: Cerca de 5 quilos
Tamanho: 1,2 metros de envergadura
Alimentação: Carnívora
Cycnorhamphus
    O Cycnorhamphus cujo nome significa " Bico de cisne " era um pterossauro que viveu durante o período Jurássico há aproximadamente 150 milhões de anos atrás na Alemanha e na França, comendo peixes e outros seres aquáticos. Era também conhecido como Gallodactylus.
Dados do Pterossauro:
Nome: Cycnorhamphus
Nome Científico: Cycnorhamphus suevicus
Época: Jurássico
Local onde viveu: Europa
Peso: Cerca de 10 quilos
Tamanho: 1,4 metros de envergadura
Alimentação: Carnívora
Cynodonte
            
    O termo " Cynodonte " se refere a um grupo largo de mamífero-répteis extintos, o Cynodontia. Estes incluem os antepassados diretos de mamíferos. Este animal foi o modelado por fósseis de outro Cynodonte achado na África do Sul chamado Trinaxodonte.
    Trinaxodonte viveu um pouco mais cedo e possuía o tamanho de um gato. Os dentes de Trinaxodonte eram parecidos com caninos, incisivos e molares que são características mamífero. Buracos pequenos nos ossos do focinho sugestionam bigodes. A presença de bigodes implica pelos no corpo e sugere que o Cynodonte possuía sangue quente.
    Sendo meio réptil e meio mamífero os Cynodontes representam o vínculo evolutivo perdido entre estes dois grupos. Os Cynodont e as Placérias eram parentes distantes, mas o Cynodonte possuía mais características dos mamíferos.
    Na Floresta Petrificada, deserto do Arizona nos E.U.A., foram achados algumas vezes só dois dentes de molar de um Cynodonte grande. Estes eram semelhantes com os do Trinaxodonte mas sugeriram um animal muito maior.
    Eles comiam ovos, répteis pequenos e insetos entre outros animais pequenos.
Dados do Réptil-Mamífero:
Nome: Cynodonte
Peso: Cerca de 20 quilos
Época: Triássico
Local onde Viveu: África do Sul
Tamanho: 1 metro e meio de comprimento
Alimentação: Carnívora
Cynognathus
 
    O Cynognathus era um cinodonte ou seja pertencia há um grupo de répteis parecidos com mamíferos denominado Cynodontia, viveu há aproximadamente 230 milhões de anos atrás durante o período Triássico no sul da África e América do Sul, era predador voraz, caçava qualquer animal pequeno que encontrasse, mas não rejeitaria uma carcaça de animal morto que encontrasse, pois possuíam garras e mandíbulas muito fortes, capazes até de quebrar ossos e naquela época com enormes predadores rondando não se podia desperdiçar nenhuma chance de se obter alimento.
Dados do Réptil-Mamífero:
Nome:
Cynognathus
Nome Científico: Cynognathus
Época: Triássico
Local onde viveu: América do Sul e África
Tamanho: 1 metro de comprimento
Peso: Cerca de 20 quilos
Alimentação: Carnívora
Daspletossauro
    O Daspletossauro, cujo nome significa lagarto horroroso, foi descoberto em Alberta, em 1970. Tinha 9 metros de comprimento e era muito assemelhado com o Tiranossauro Rex. Ele possuía ossos e juntas adaptados no crânio e no pescoço para dar cabeçadas em suas presas em uma possível perseguição; era capaz de arrancar enormes pedaços de carne em apenas uma mordida. Provavelmente o Daspletossauro seria um caçador solitário e não muito veloz, tendo que atacar suas presas por meio de emboscadas, dando-lhes mordidas as quais seriam fatais para a presa que em pouco tempo cairia morta, bastando apenas encontra-la depois.

Dados do Dinossauro:
Nome: Daspletossauro
Nome Científico: Daspletosaurus torosus
Peso: Cerca de 3 toneladas
Tamanho: 9 metros de comprimento
Época: Cretáceo à 80 milhões de anos atrás
Local em que viveu: Canadá
Alimentação: Carnívora
Dasypus bellus
    O Dasypus bellus cujo nome significa "tatu bonito", viveu durante o Pleistoceno há aproximadamente 20 mil anos atrás no sudeste dos Estados Unidos, comendo pequenos insetos, minhocas, lesmas, carniça e raízes, era descente de tatus vindos da América do Sul que migraram para o norte quando surgiu a ponte de terra entre as Américas. É um parente próximo do atual Tatu-galinha (Dasypus novemcinctus).
Dados do Mamífero:
Nome: Dasypus
Nome Científico: Dasypus bellus
Época: Pleistoceno
Local em que viveu: Américas do Norte
Peso: Cerca de 20 quilos
Tamanho: 70 centímetros de comprimento
Alimentação: Onívora
Deinonychus
 
    O Deinonychus, cujo nome significa "garra terrível", foi apelidado pelo seu descobridor de "incomum", pois era pequeno, inteligente e extremamente ágil. Viveu há aproximadamente 140 milhões de anos atrás durante o período Cretáceo na América do Norte.
    As pegadas do Deinonychus indicam que este andava normalmente à uma velocidade de 6 km/h e, como a velocidade máxima de um dinossauro é cerca de 10 vezes a de caminhada, sabe-se que o Deinonychus podia correr à uma velocidade de 60 km/h. Era praticamente impossível um grande herbívoro, que desenvolvia no máximo 30 km/h, escapar de um predador como este durante uma perseguição e como já se teve indícios os Deinonychus caçavam em bandos, o que os tornavam armas letais até para grandes carnívoros.
    Possuía a cabeça muito grande. Seus dentes eram pequenos e afiados, os braços longos e os dedos munidos de garras, ideais para segurar as presas rebeldes. O segundo dedo do pé possuía uma grande garra curvada em forma de foice com cerca de 12,5 cm de comprimento, com a qual e rasgava suas vítimas. Além de essa garra ser afiadíssima, ela apresentava um movimento amplo circular, o que a permitia arrancar grandes pedaços de carne de uma só vez e provocar cortes extensos e profundos no animal atacado. Dinossauros como estes eram chamados de "raptors" (aves de rapina) devido às garras semelhantes as da águia.
    Sabe-se agora que o Deinonychus alimentava suas crias. O achado de uma presa desse dinossauro mostra ranhuras feitas pelos dentes de um Deinonychus adulto e microranhuras que certamente não eram de adultos. A solução estava em alguns dentes encontrados que serviam perfeitamente para fazer estes tipos de ranhuras. Assim, os adultos deveriam trazer grandes pedaços de carne para os filhotes, que não poderiam caçar sozinhos.

Dados do Dinosauro:
Nome: Deinonychus
Nome Científico: Deinonychus antirrhopus
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 75 quilos
Tamanho: 4 metros de comprimento e 1,5 metros de altura
Alimentação: Carnívora
Deinosuchus
 
    Deinosuchus é um dos maiores crocodilianos que já existiu . Embora seja conhecido pobremente pelos seus fósseis, é calculado que os adultos grandes poderiam ter alcançado até aproximadamente 15 metros. Vivia pelas orlas marítimas do Cretáceo na América Norte. Um carnívoro voraz, é pensado que Deinosuchus tem incluído alguns dinossauros entre sua presa. Indivíduos grandes de Deinosuchus podem ter alcançado um comprimento maior que o do Tyrannosaurus Rex.
    Crocodilos são parentes bastante íntimos dos dinossauros, depois de terem evoluído dos antepassados de arcossauro no período de Triássico. Os crocodilos mudaram muito pouco desde então, quase todos sendo  predadores semi-aquáticos.
    Pelos períodos do Cretáceo os crocodilos tinham ficado muito abundantes e difundidos. Um dos mais notáveis crocodilos do Cretáceo foi encontrado no Rio Grande do Texas. Foi nomeado de Deinosuchus  que significa("crocodilo terrível"), este é de longe o maior crocodilo achado. Seu crânio media 2 metros de comprimento e se esta criatura tivesse as proporções de um crocodilo típico então que pode ter atingido um comprimento de 15 metros e pode ter pesado 2 toneladas. O Deinosuchus era suficientemente grande e pesado para ter atacado dinossauros de tamanhos consideráveis e os pegava furtivamente quando eles iam beber água em lagos e rios.
Dados do Aligator:
Nome: Deinosuchus
Época: Fim do Cretáceo , há 80 milhões de anos atrás
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 2 toneladas
Tamanho: 15 metros de comprimento
Alimentação: Carnívoro
Deinotherium
    O Deinotherium era um parente, mas não ancestral, dos atuais elefantes, sua característica marcante era a de possuir as presas na parte inferior da mandíbula, " no queixo " e devia utilizar suas presas para arrancar plantas. Viveu há cerca de 1,8 milhões de anos atrás durante o Pleistoceno no norte da África, leste da Europa e oeste da Ásia. Media pouco mais de 3 metros na altura do dorso e devia pesar quase 10 toneladas.
Dados do Mamífero:
Nome: Deinotherium
Nome Científico: Deinotherium giganteum
Época: Pleistoceno
Local onde viveu: África, Europa e Ásia
Peso: Cerca de 10 toneladas
Tamanho: 3,3 metros de altura
Alimentação: Herbívora                                                                                Deltadromeus agilis
    O Deltadromeus agilis cujo nome significa corredor ágil do Delta, era um terópode, que apenas 50% de seu esqueleto foi encontrado e nada do crânio, o qual foi baseado na espécie mais semelhante. Tinha 10 metros de comprimento e certamente foi um animal muito veloz para o seu tamanho. Tinha o corpo estreito, compacto, ágil e forte; ideal para correr mais do que suas presas e em alta velocidade. Tinha membros longos e muito delicados
    Foi um predador letal, um carnívoro sanguinário. Esse dinossauro foi uma das mais magníficas máquinas de matar de todos os tempos.
Dados do Dinossauro:
Nome: Deltadromeus
Nome Científico: Deltadromeus agilis
Local em que viveu: Marrocos
Época: Cretáceo, há cerca de 90 milhões de anos atrás.
Peso: Cerca de 1,5 toneladas
Tamanho: 10 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Demastosuchus
    O Demastosuchus não era um dinossauro, mas sim um réptil primitivo que possuía uma forte couraça protetora em que até sua barriga fazia parte. Chegava a medir até 6 metros de comprimento e se alimentava de folhas e raízes com seu focinho semelhante ao de um porco. Possuía espinhos de até meio metro de comprimento no pescoço o que tornava sua couraça um ótimo sistema de defesa. O Demastosuchus era grande demais para ser caçado pelos dinossauros carnívoros de sua época e seus predadores era então enormes répteis primitivos.
Dados do Réptil:
Nome: Demastosuchus
Época: Triássico
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 500 quilos
Tamanho: 6 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Diatryma
 
    O Diatryma reinava soberano nas planícies da América do Norte. Com mais de 2 metros de altura e o crânio quase equivalente ao de um cavalo atual, essas aves rapineiras gigantes não voavam, mas corriam muito velozmente. Viviam isoladamente ou em pares e atacavam pequenos herbívoros, como o Hyracotherium ou Cavalo primitivo ( abatido acima ), um ancestral do atual cavalo. Provavelmente, o Diatryma corria com maior velocidade que sua presa e em seguida a matava com um golpe de seu bico curvo, ou com uma patada de suas poderosas pernas. Mas com o aparecimento de predadores mamíferos de grande porte o Diatryma mão resistiu a competição e se tornou extinto.
Dados da Ave:
Nome:
Diatryma
Época: Eoceno
Local onde viveu: América do Norte e Europa
Peso: Cerca de 280 quilos
Tamanho: 2,2 metros de altura
Alimentação: CarnívoraDicraeossauro
    O Dicraeossauro cujo nome significa " lagarto bifurcado ", viveu a 180 milhões de anos atrás no recôndito das florestas de coníferas e de palmeirais, onde se alimentavam de plantas e sementes. Altos e de pescoço longo e fino, como típicos saurópodes que eram.
    Apesar de serem " pequenos " se comparados á outros saurópodes, os Dicraeossauros tinham a cabeça bem pequena e os olhos e as narinas também eram pequenos. Sendo herbívoro, lento e possuindo uma grande " quantidade de carne " deveria ser atacado pelos dinossauros carnívoros constantemente. Não dispunha de couraça nem de garras afiadas, mas podia se defender com o rabo. Por ser mais leve e ágil, também conseguia escapar correndo de alguns inimigos.
    Uma importante descoberta feita em 1907, na Tanzânia, revelou grandes ossadas que faziam supor que muitos dinossauros morreram junto a foz de um rio, e seus corpos foram arrastados para bancos de lama. Alguns ossos eram de dinossauros ainda não descobertos. Dentre eles, o Dicraeossauro, só batizado em 1935.

Dados do Dinossauro:
Nome: Dicraeossauro
Nome Científico: Dicraeosaurus
Época: Fim do Jurássico
Local onde viveu: África
Peso: Cerca de 28 toneladas
Tamanho: 20 metros de comprimento e 6 de altura
Alimentação: Herbívoro
Dilofossauro
 
         
 
    O Dilofossauro cujo o nome significa "lagarto de duas cristas" foi descoberto em 1942 no norte do Arizona, EUA. Foi um dos primeiros grandes terópodes, com suas fortes pernas, braços e longa cauda. Sua boca com dentes finos e afiados, um pouco parecida com a do crocodilo, o identificou logo como um carnívoro. Viveu há aproximadamente 208 milhões de anos atrás no início do período Jurássico.
    Com os maxilares bastante estreitos e fracos, ele talvez usasse as grandes mãos para rasgar a presa. Sua principal característica era a crista dupla, que ia mais ou menos da altura do crânio até o nariz, desenhando um "V" na cabeça desse animal. Não se sabe ao certo para que serviam as cristas do Dilofossauro. Alguns cientistas acreditam que eram enfeites para impressionar as fêmeas.

Dados do Dinossauro:
Nome: Dilofossauro
Nome Científico: Dilophosaurus wetherlli
Época: Jurássico
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 600 kg
Tamanho: 6 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Dimetrodon
 
    O Dimetrodon não pode ser considerado como um dinossauro, ele faz parte de um grupo de répteis chamados pelicossáurios , que viveram antes dos dinossauros aparecerem na Terra durante o período Permiano há aproximadamente 250 milhões de anos atrás. O Dimetrodon foi um predador que dominou em sua época , provavelmente devido às vantagens que lhe proporcionava o seu grande leque dorsal , que orientado perpendicularmente ao sol devia demorar metade do tempo para se aquecer que outros de seu tamanho sem leque.
    Na imagem acima um Dimetrodon atacou e matou um Edaphosaurus, que possuía um leque semelhante ao do Dimetrodon, mas era herbívoro e um pouco menor.
Dados do Pelicossáurio:
Nome: Dimetrodon
Época: Permiano
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 250 quilos
Tamanho: 3 metros de comprimento e 1 de altura
Alimentação: Carnívora
Dimorphodon
    O Dimorphodon cujo nome significa " Dentes de duas formas " era um pterossauro que viveu durante o período Cretáceo há aproximadamente 105 milhões de anos atrás na Inglaterra, caçando insetos velozmente pelos ares, provavelmente viviam em grupos enormes para se protegerem melhor e obterem melhores êxitos nas caçadas.
Dados do Pterossauro:
Nome: Dimorphodon
Nome Científico: Dimorphodon macronyx
Época: Cretáceo
Local onde viveu: Europa
Peso: Cerca de 15 quilos
Tamanho: 1,4 metros de envergadura
Alimentação: Carnívora
Dinichthys

    O Dinichthys era um peixe placodermo que viveu há aproximadamente 400 milhões de anos atrás durante o período Devoniano atacando ferozmente suas presas, em sua época era um dos maiores predadores e mais vorazes dos oceanos, pois os tubarões ainda estavam em processo de formação e serviam de comida para esse gigantesco peixe primitivo, possuía placas ósseas nos ombros e na cabeça, seus "dentes" eram em forma de placas ósseas muito afiadas, como um serrote, com os quais arrancava pedaços de suas presas, quando não era possível engolir elas inteiras, as quais aguardava nas profundezas espreitando-as para dar o "terrível bote".
Dados do Peixe:
Nome:
Dinichthys
Nome Científico: Dinichthys
Época: Devoniano
Local onde viveu: Oceanos
Tamanho: 9 metros de comprimento
Peso: Cerca de 800 kg
Alimentação: Carnívora
Dinilysia
     A Dinilysia cujo nome significa " destruidora terrível " é uma ancestral das cobras atuais, que viveu há aproximadamente 80 milhões de anos atrás durante o período Cretáceo na Argentina, foi uma das cobras mais antigas conhecidas e seu esqueleto um dos mais completos já encontrados, sendo pertencente há um grupo de cobras muito antigo existente atualmente ao qual fazem parte pítons, sucuris e jibóias, sendo ainda muito parecida com esta última em tamanho. A Dinilysia viveu juntamente com dinossauros e deve ter caçados vários deles.
Dados do Réptil:
Nome: Dinilysia
Nome Científico: Dinilysia patagonica
Época: Cretáceo
Local onde Viveu: América do Sul
Peso: Cerca de 20 quilos.
Tamanho: 3 metros de comprimento
Alimentação: CarnívoraDinofelis
 
    O Dinofelis cujo nome significa "  Gato terrível " era um dente-de-sabre de tamanho próximo as atuais onças-pintadas, viveu há 5 milhões de anos atrás durante o Plioceno na Ásia, Europa, África e América do Norte, caçando antílopes, babuínos e até hominídeos pré-históricos como os Australopithecus. Existiam várias espécies de Dinofelis, pois habitavam quase todo o planeta e a separação geográfica com o tempo gera espécies diferentes. Por ter pernas fortes provavelmente não era bom em perseguir presas, preferindo o ataque surpresa, o que sugere que tivesse a pelagem como as dos atuais leopardos e onças ( possuindo até a pelagem negra ), preferindo então áreas densamente arborizadas, onde é mais fácil atacar de surpresa, área a qual acredita-se era preferida por nossos ancestrais africanos Australopithecus, que foram obrigados a se mudar para as savanas.
Dados do Mamífero:
Nome: Dinofelis
Nome Científico: Dinofelis abeli, Dinofelis diastemata, Dinofelis paleoonca, Dinofelis barlowi, Dinofelis piveteaui
Época: Plioceno
Local em que Viveu: América do Norte, Ásia, Europa e África
Peso: Cerca de 160 quilos
Tamanho: 2 metros de comprimento e 70 centímetros de altura
Alimentação: Carnívora
Dinohyus

    O Dinohyus cujo nome signifca " Porco Terrível " viveu há aproximadamente 18 milhões de anos atrás durante o Mioceno na América do Norte, era um gigantesco parente distante dos porcos e hipopótamos. Os Dinohyus podiam medir mais de 3 metros de comprimento e 2,1 metros de altura no dorso, chegavam a pesar mais de 1 tonelada, só sua cabeça podia medir mais de 1 metro, sua alimentação era onívora, podendo comer de tudo, porém acredita-se que não eram capazes de caçar enormes animais, deviam se alimentar mais de carniça, caçando apenas pequenos animais, filhotes os quais os pais se descuidavam ou então animais que já estivessem doentes, além de folhas, frutas e sementes. Eram bem ágeis, velozes, fortes e agressivos, vários crânios de Dinohyus encontrados possuíam marcas de dente de Dinohyus, resultantes de possíveis batalhas na disputa de territórios, alimentos e acasalamento e provavelmente eram animais solitários.
Dados do Mamífero:
Nome:
Dinohyus
Nome Científico: Dinohyus hollandi
Época: Mioceno
Local onde viveu: América do Norte
Tamanho: 3 metros de comprimento e 2 metros de altura
Peso: Cerca de 1,4 toneladas
Alimentação: Onívora
Diplodoco
    O Diplodoco cujo nome significa " dupla viga " era um enorme saurópode, que viveu há aproximadamente 150 milhões de anos atrás durante o período Jurássico na América do Norte e chegava a medir 45 metros de comprimento. O Diplodoco tinha dentes próprios para desfolhar vegetação leve, como samambaias e que não serviam para mastigar. Existiram quatro espécies principais de Diplodocus: Diplodocus longus, Diplodocus carnegii, Diplodocus hayi e Diplodocus lacustris. É um dos dinossauros mais conhecidos. Cópias de seus esqueletos estão em muitos museus pelo mundo inteiro. Os Diplodocos como mostram pegadas fósseis, tinham pés largos e redondos e também andavam semelhantes aos atuais elefantes.
    O pescoço do Diplodocos possuía 15 vértebras enormes, que sustentavam sua pequena cabeça, o dorso possuía 10 vértebras maiores ainda e a cauda 70 vértebras que iam afunilando até a sua ponta, que servia como um chicote.
Dados do Dinossauro:
Nome: Diplodoco
Nome Científico: Diplodocus longus, D. carnegii, D. hayi e D. lacustris.
Época: Jurássico
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 38 toneladas
Tamanho: 45 metros de comprimento e 5 metros na altura dos quadris.
Alimentação: HerbívoraDodô

    O Dodô era uma ave a qual as asas haviam se atrofiado e sendo assim não podiam mais voar, que viveu há 200 anos no atual Holoceno atrás em pequenas ilhas do Oceano Indico, nas ilhas Maurício, Reunião e Rodrigues sendo que existiam cerca de 9 espécies diferentes, 3 espécies diferentes em cada ilha. As primeiras descrições dessas aves mostram-na como uma ave desajeitada e feia, que "mal podia arrastar-se pesada e desajeitadamente" e que "esta massa bizarra se sustenta mal sobre dois pés". A figura mais antiga de Dodô de que se conhece é de 1601, feita por De Bry, e representa um animal que fora levado vivo para a Holanda por Van Neck, explorador holandês que andou em regiões próximas as Ilhas Maurício no final do século XVI. Roelandt Savery pintou o Dodô várias vezes: Berlim, 1626; Viena, 1628; Haia; Estugarda e Londres (Zoological Society e British Museum), Oxford e Harlem. Na biblioteca do último imperador da Áustria, existe um desenho atribuído a Hoefnagel que se pensa datar de 1620, feito a partir de animais do aviário do imperador. Justamente pelo Dodô ter algumas dessas qualidades já mencionadas ( não poder voar, ser desajeitada e possuir grande quantidade de carne ) é que diversos marinheiros ao passarem próximos a essas ilhas abatiam diversos animais com o intuito de alimentarem e a matança chegou a tal ponto que a ave se tornou extinta no século XVIII. E essa tragédia não termina por ai, pois a extinção de uma espécie não se dá sem efeitos nocivos sobre outras espécies, como uma árvore chamada "Calvária", cujas sementes alimentavam o Dodô também está prestes a desaparecer. Sua semente só conseguia germinar depois que o Dodô se alimentasse de seu fruto e "gastasse" a casca grossa da semente. Hoje existem apenas 13 árvores de "Calvária" no mundo. As que ainda resistem têm mais de 300 anos de idade. Sem o Dodô, a Calvária está prestes a desaparecer para sempre.
Dados da Ave:
Nome: Dodô
Nome Científico: Raphus cucullatus
Época: Holoceno
Local onde viveu: Ilhas do Oceano Indico
Peso: Cerca de 23 quilos
Tamanho: 50 centímetros de altura
Alimentação: Herbívora                                                                                    Doedicurus
    O Doedicurus pertence a família dos Gliptodontes, sendo um dos maiores representantes dessa família, que possuíam um ancestral comum com os atuais tatus. O Doedicurus viveu durante o Pleistoceno há aproximadamente 100 mil anos atrás na América do Sul, migrando posteriormente para as Américas Central e do Norte, quando a ponte de terra se formou, pastava gramíneas o dia todo pelas planícies americanas, sua incrível armadura que lembra as armaduras de guerreiros medievais com direito a maça (arma de guerra medieval constituída de uma "bola cheia de espinhos") e tudo mais. A carapaça servia como ótimo escudo para se defender do ataque de ferozes predadores que existiam em sua época, como aves rapineiras gigantes, enormes tigres-dentes-de-sabre, etc, a arma na ponta da cauda acredita-se que servia tanto para a defesa contra predadores quanto para a disputa entre machos por territórios de acasalamento.
Dados do Mamífero:
Nome: Doedicurus
Nome Científico: Doedicurus clavicaudatus
Época: Pleistoceno
Local em que viveu: Américas do Sul e do Norte
Peso: Cerca de 2 toneladas
Tamanho: 4 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Dolichocebus

    O Dolichocebus é um antigo primata que viveu há aproximadamente 31 milhões de anos atrás durante o Oligoceno na América do Sul, era um ancestral dos chamados "macacos do novo mundo",  ainda possuía garras, mas era muito parecido com os macacos atuais. Acredita-se já usava a cauda para auxiliar sua locomoção por entre as árvores, alimentava-se de frutas e folhas.
Dados do Mamífero:
Nome: Dolichocebus
Nome Científico: Dolichocebus gaimanensis
Época: Oligoceno
Local onde viveu: América do Sul
Peso: Cerca de 3 quilos
Tamanho: 40 centímetros de comprimento
Alimentação: HerbívoraDorudon
    O Dorudon era semelhante aos atuais golfinhos, porem era menos inteligente. O Dorudon ostentou os pequenos membros traseiros de aproximadamente 10 centímetros por muito tempo. Armado com ferozes dentes, comia peixes há 40 milhões de anos atrás durante o Eoceno no Oceano Atlântico.
Dados do Mamífero:
Nome: Dorudon
Época: Eoceno
Local onde viveu: Oceano Atlântico
Peso: Cerca de 1,5 toneladas
Tamanho: 5 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Dorygnatus
    O Dorygnatus cujo nome significa " Bico de lança " era um pterossauro primitivo que viveu durante o período Jurássico há aproximadamente 195 milhões de anos atrás na Alemanha, caçando insetos em enormes bandos, agilmente como morcegos.
Dados do Pterossauro:
Nome: Dorygnatus
Nome Científico: Dorygnatus banthensis
Época: Jurássico
Local onde viveu: Europa
Peso: Cerca de 3 quilos
Tamanho: 1 metro de envergadura
Alimentação: Carnívora
Dromeossauro
    O Dromeossauro cujo nome significa "lagarto corredor", foi um pequeno dinossauro carnívoro que deve ter sido muito ágil. A característica mais marcante desse animal é um de seus esqueletos, no qual foram encontrados vestígios do que poderiam ter sido penas. Então, se é assim, seus descendentes (como o velociraptor) também foram emplumados. Isso reforça a tese de que os dinossauros deram origem às aves.

Dados do Dinossauro:
Nome: Dromeossauro
Nome Científico: Dromeosaurus albertensis
Peso: 18 quilogramas
Tamanho: Cerca de 1,8 metros
Alimentação: Carnívora
Dromiceiomimo
    O Dromiceiomimo cujo o nome significa " Imitação de Ema ", viveu em Alberta no Canadá durante o período Cretáceo, era um terópode que media aproximadamente 3,5 metros de comprimento e chegava a pesar 150 quilos, era parecido com o Estrutiomimo, comia ovos de outros dinossauros e escapava correndo, em passadas parecidas com as da Ema, um meio de alimentação nutritivo e sem muito perigo.
Dados do Dinossauro:
Nome: Dromiceiomimo
Nome Científico: Dromiceiomimus brevitertius
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 150 quilos
Tamanho: media de 3,5 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Dryopithecus
    O Dryopithecus é um ancestral dos grande símios que viveu há aproximadamente 17 milhões de anos atrás durante o Mioceno na Ásia e Europa, no solo de florestas se alimentando de frutas. Era muito parecido com os atuais chipanzés, porém eram bem menores e com uma capacidade cerebral reduzida, viviam em pequenos grupos familiares, comandados pelos machos mais velhos.
Dados do Mamífero:
Nome: Dryopithecus
Nome Científico: Dryopithecus fontani
Época: Mioceno
Local onde viveu: Ásia e Europa
Peso: Cerca de 35 quilos
Tamanho: 1,2 metros de altura
Alimentação: Herbívora                                                                               Dryossauro
    O Dryossauro cujo nome significa " lagarto do Carvalho " era um herbívoro que viveu durante o período Jurássico, na América do Norte, África e Europa. Pertencia ao grupo dos Hadrossauros, da família Ornitópodes. Provavelmente viviam em grupos familiares comandados pelos exemplares mais velhos e mais experientes, os mais jovens ajudariam a criar os filhotes, a chocar os ovos e a conseguir comida.
Dados do Dinossauro:
Nome: Dryossauro
Nome Científico: Dryosaurus sp
Época: Fim do Jurássico
Peso: Cerca de150 quilos
Tamanho: 4 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Dsungaripterus
    O Dsungaripterus era um pterossauro de médio porte que viveu durante o período Cretáceo há aproximadamente 120 milhões de anos atrás na China. Possuía um estranho bico desdentado na ponta, não se sabe ao certo para que servia, mas seus dentes demonstraram que ele comia peixes e outros animais aquáticos, como esse caranguejo-pata-de-cavalo da imagem acima.
Dados do Pterossauro:
Nome: Dsungaripterus
Nome Científico: Dsungaripterus weii
Época: Cretáceo
Local onde viveu: Ásia
Peso: Cerca de 10 quilos
Tamanho: 3,5 metros de envergadura
Alimentação: Carnívora
Dunkleosteus
 
    O Dunkleosteus era um peixe placodermo que viveu há aproximadamente entre 370 e 360  milhões de anos atrás durante o período Devoniano atacando ferozmente e velozmente suas presas, em sua época era um dos maiores predadores dos oceanos, pois os tubarões ainda estavam em processo de formação e não deveriam possuir predadores quando adultos. Todos os Placodermos possuíam placas ósseas nos ombros e na cabeça, e seus "dentes" eram em forma de placas ósseas muito afiadas, como um serrote, com os quais dilacerava suas presas, quando não era possível engolir elas inteiras. Restos fósseis de pigmentos sugerem que suas costas possuíam cores escuras e que suas barrigas eram prateadas. Se alimentavam de quase qualquer animal, incluindo peixes, tubarões e outros animais marinhos incluindo Dunkleosteus menores.
Dados do Peixe:
Nome:
Dunkleosteus
Nome Científico: Dunkleosteus ferrelli
Época: Devoniano
Local onde viveu: Oceanos
Tamanho: 10 metros de comprimento
Peso: Cerca de 3 toneladas
Alimentação: Carnívora

Reino: Animalia
Filo: Chordata
Subfilo: Vertebrata
Classe: Placodermi
Ordem: Arthrodira
Familia: Dinichthyidae
Genero: Dunkleosteus

Edafossauro
 
    O Edaphossauro não pode ser considerado um dinossauro, ele faz parte de um grupo de répteis muito antigo, anterior aos dinossauros durante o período Permiano há aproximadamente 250 milhões de anos atrás. Seu enorme leque serviria para se aquecer, absorvendo a luz solar e aquecendo o sangue que passasse pelo leque. Na imagem acima um Dimetrodon, réptil muito parecido com o Edafossauro, atacou e matou o mesmo. O Dimetrodon era um dos maiores predadores daquele período.
Dados do Réptil:
Nome: Edafossauro
Nome Científico: Edaphosaurus
Época: Permiano
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 150 quilos
Tamanho: 3 metros de comprimento e 70 centímetros de altura
Alimentação: Herbívora
Edmontonia
    As Edmontonias possuíam armaduras corporais quase intransponível. A única parte de seu corpo vulnerável era a barriga, por isso só seria morto por predadores quando estivesse de barriga pra cima. Era adaptado para pastar, não para alcançar vegetação mais alta, foi ancestral dos anquilossaurídeos que possuíam uma armadura mais evoluída.
Dados do Dinossauro:
Nome: Edmontonia
Época: Cretáceo
Peso: Até 5 toneladas
Tamanho: Cerca de 8 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Edmontossauro
    O Edmontossauro cujo nome significa " lagarto de Edmontom " eram constituídos por três espécies principais: Edmontosaurus regalis, Edmontosaurus annectens e Edmontosaurus saskatchewanensis.
    Este herbívoro que vivia em manadas que chegavam a dez mil animais que viveram durante o período Cretáceo Superior, na América do Norte. Era frequentemente um banquete para o Tiranossauro Rex. Era um Hadrossauro, assim como o Parassaurolofo, Maiassaura e outros do gênero.
    O Edmontossauro tinha uma espécie de saco nasal, o que acredita-se que emitia sons. Com quase o comprimento de um Tiranossauro, este herbívoro era um dos maiores hadrossauros que já existiram e chegava a ter até mil dentes.

Dados do Dinossauro:
Nome: Edmontossauro
Nome Científico: Edmontosaurus regalis, E. annectens e E. saskatchewanensis
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Norte
Peso: 3,5 toneladas
Tamanho: 13 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Elasmossaurus
O Elasmossaurus não era um dinossauro , mas , sim, um réptil marinho do grupo dos plesiossauros. O seu aspecto poderia ser descrito como o de uma gigantesca serpente unida ao corpo de uma tartaruga marinha. Seu pescoço , possuía o comprimento maior do que todo o restante do corpo. O Elasmossaurus provavelmente arrastava-se em praias para por seus ovos em ninhos pouco profundos como as tartarugas marinhas o fazem hoje em dia.
Dados do Plesiossauros:
Nome: Elasmossaurus
Época: Fim do Cretáceo
Tamanho: 15 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Elasmotherium
    O Elasmotherium ou Rinoceronte de chifre grande viveu há 200 mil anos atrás durante o pleistoceno, era um parente próximo dos atuais rinocerontes porém era três vezes maior, seu chifre podia chagar a quase 2 metros de comprimento. Viveu junto mamutes, tigres dentes de sabre, ursos e outros animais pleistocênicos, mas provavelmente um Elasmotherium adulto não deveria temer muito os predadores de sua época.
Dados do Mamífero:
Nome: Rinoceronte de chifre grande
Nome Científico: Elasmotherium
Época: Pleistoceno
Local em que Viveu: Ásia
Peso: Cerca de 6 toneladas
Tamanho: 3,4 metros de altura e 4 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora                                                                                            Elefante Nauman
    O Elefante Nauman viveu há 15 mil anos atrás no leste da Ásia e no Japão até o fim do Pleistoceno. Esse antigo habitante das florestas era um parente próximo dos elefantes asiáticos atuais e vivia na mesma época dos mamutes e mastodontes, medindo pouco menos e 3 metros de altura.
Dados do Mamífero:
Nome: Elefante Nauman
Época: Pleistoceno
Local em que viveu: Leste da Ásia e Japão
Peso: 5 toneladas
Tamanho: 2,8 metros de altura
Alimentação: HerbívoraEntelodonte

    O Entelodonte viveu há aproximadamente 25 milhões de anos atrás durante o Oligoceno na América do Norte, era um gigantesco parente distante dos porcos e hipopótamos e podiam medir quase 3 metros de comprimento e 2 metros de altura no dorso, chegavam a pesar 1 tonelada, sua alimentação era onívora, podendo comer de tudo, porém acredita-se que não eram capazes de caçar enormes animais, deviam se alimentar mais de carniça, caçando apenas pequenos animais, filhotes os quais os pais se descuidavam ou então animais que já estivessem doentes, além de folhas, frutas e sementes. Eram bem ágeis, velozes, fortes e agressivos, vários crânios de Entelodontes encontrados possuíam marcas de dente de Entelodontes, resultantes de possíveis batalhas na disputa de territórios, alimentos e acasalamento e provavelmente eram animais solitários.
Dados do Mamífero:
Nome:
Entelodonto
Nome Científico: Entelodon
Época: Oligoceno
Local onde viveu: América do Norte e Ásia
Tamanho: 2,8 metros de comprimento e 2 metros de altura
Peso: Cerca de 1 toneladas
Alimentação: Onívora
Eoraptor
    O Eoraptor cujo nome significa "ladrão da alvorada" é o mais primitivo dinossauro encontrado até hoje, viveu há aproximadamente 220 milhões de anos atrás durante o período Triássico na Argentina. Era do tamanho de um cachorro e pesava por volta de 11 quilos. Foi encontrado perto do esqueleto de um Herrerassauro. Tinha dentes afiados como navalha e longas garras, as quais utilizava para caçar pequenos animais.
Dados do Dinossauro:
Nome:
Eoraptor
Nome Científico: Eoraptor sp.
Época: Triássico.
Local onde viveu: Argentina
Peso: Cerca de 11 kg
Tamanho:
1 metro de comprimento
Alimentação: Carnívora
Eryops
    O Eryops foi um enorme anfíbio de 2,5 metros de comprimento que habitou os pântanos do período Permiano na América do Norte. Segundo alguns estudos sobre a anatomia do Eryops, acredita-se que foi um antepassado dos anuros ( sapos, rãs e pererecas ), pois as suas patas eram bem encurtadas e faziam-no arrastar seu ventre no chão, já que eram dispostas nas laterais, como em quase todos os anfíbios e as pernas eram grossas como as do sapo sendo boas para a locomoção em terra; o que faz pensar que, embora fosse muito bem adaptado ao ambiente terrestre, preferiria caçar submerso, sendo ágil caçador nesse outro ambiente..
    O Eryops apresenta outro fato interessante, sua boca foi uma das maiores bocarras que um animal pode possuir. Acredita-se, também, que foi um dos primeiros anfíbios a “coaxar” (outro fato que aproxima o Eryops dos anuros atuais ). Seu dorso era revestido com placas ósseas mas não se sabe ao certo a função das mesmas.
Dados do Anfíbio:
Nome:
Eryops
Nome Científico: Eryops sp
Época: Permiano
Local onde viveu: América do Norte
Tamanho: 2,5 metros de comprimento
Peso: Cerca de 200 kg
Alimentação: Carnívora
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Anphíbia
Ordem: Labirintodontia
Superordem: Temnospondylia
Família: Eryopidae
Género: Eryops
Espécie: Eryops spErythrosuchus
 
    O Erythrosuchus viveu há aproximadamente 230 milhões de anos atrás durante o período Triássico no sul da África, era predador extremamente voraz, sendo um dos maiores de sua época, caçava animais até maiores do que ele, com sua enorme boca e força não seria difícil, só o faltava agilidade, a qual fora sacrificada em troca da força,  para ele atacar animais maiores e mais lerdos seria muito fácil, bastaria ele dar somente uma mordida que o ferimento causado seria enorme, provocando grande perda de sangue e posteriormente a queda do animal, só seria necessário então verificar onde o animal caiu e o Erythrosuchus com certeza não rejeitaria uma refeição fácil vinda de um animal já morto, carniça.
Dados do Réptil:
Nome:
Erythrosuchus
Nome Científico: Erythrosuchus
Época: Triássico
Local onde viveu: África
Tamanho: 4,5 metros de comprimento
Peso: Cerca de 1 tonelada
Alimentação: Carnívora
Espinossauro
    O Espinossauro cujo nome significa " Lagarto espinho ", viveu no norte da África durante o período Cretáceo há aproximadamente 66 milhões de anos atrás e  diferenciava-se dos outros dinossauros de sua família por uma espécie de "vela" nas costas. Essa "vela dorsal" era formada por prolongamentos das vértebras das colunas que mediam 1,8 metros de comprimento, cobertas de pele. Segundo os cientistas ela armazenava o calor do sol, dando-lhe a vantagem de ser mais ágil que os outros répteis. Esse animal possuía as tradicionais características dos outro predadores, a não ser os dentes que eram retos e não curvados e os braços um pouco maiores e mais fortes. Com o olhar frio e guloso, o Espinossauro observava de longe um crocodilo. O aterrorizante dinossauro terópode, cujo esqueleto foi encontrado no Egito, agarrou o crocodilo de surpresa mordendo o seu pescoço e sacudindo-o como se fosse um simples peixinho. O indefeso animal nada pôde fazer contra aquele monstro de mais de 6 toneladas e acabou sendo devorado.
O Espinossauro disputa o título de maior terópode, porém os restos achados por Stromer no Egito foram pelos ares quando a cidade de Munique, onde estavam alojados, foi bombardeada em 1944. Sasso e seus colegas conseguiram analisar mais algumas peças desse quebra-cabeças: dois pedaços do focinho do bicho, bem mais avantajados que os fósseis conhecidos da espécie até então. Ambos os exemplares mencionados vieram do Marrocos.
    Na sétima imagem um Espinossauro disputa sua caça com um Carcharodontossauro, que foi um dos maiores carnívoros terrestres que já existiu, a caça é um Aegyptossauro que era um enorme saurópode que viveu na mesma época. E na última imagem um Espinossauro disputa um enorme peixe com um Bahariassauro.

Dados do Dinossauro:
Nome: Espinossauro
Nome Científico: Spinosaurus aegipticus
Época : Cretáceo
Local em que viveu: Norte da África
Peso: Cerca de 7 toneladas
Tamanho: 17 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora

Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Superordem: Dinosauria
Ordem: Saurischia
Subordem: Theropoda
Infra-ordem: Tetanurae
Micro-ordem: Carnosauria
Família: Spinosauridae
Género: Spinosaurus
Espécie: aegyptiacus
Estauricossauro
    O Estauricossauro cujo nome significa " Lagarto Cruzeiro do Sul " teve seus restos encontrados em Santa Maria, no Rio Grande do Sul e hoje estão expostos num museu nos EUA. Acredita-se que o Estauricossauro é o mais antigo dinossauro existente. Como só foram encontradas partes isoladas do esqueleto do Estauricossauro, sua reconstituição foi difícil. Era pequeno, tinha a cabeça relativamente grande, os dentes pontudos e afiados, e a cauda comprida e fina. Talvez os braços fossem fortes e as pernas longas como as de um corredor. Viveu durante o período Triássico há aproximadamente 225 milhões de anos atrás caçando pequenos animais.

Dados do Dinossauro:
Nome: Estauricossauro
Nome Científico: Staurikosaurus pricei
Época: Triássico
Local onde viveu: Brasil
Peso: Cerca de 30 kg
Tamanho: 1,8 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Estegodonte
    O Estegodonte viveu no leste da Ásia e norte da África há aproximadamente 2,5 milhões de anos atrás durante o Plioceno. Acredita-se que o Estegodonte é o ancestral direto dos Mamutes e dos Elefantes atuais. Media 3 metros de altura e possuía grandes presas curvas as quais acredita-se que eram usadas para cavar, para exibições e até confrontos entre machos.
Dados do Mamífero:
Nome: Estegodonte
Nome Científico: Stegodon magnidens
Época: Plioceno
Local onde viveu: Ásia e África
Peso: Cerca de 7 toneladas
Tamanho: 3 metros de altura
Alimentação: HerbívoraEstegossauro
    O Estegossauro cujo nome significa "lagarto telhado" viveu há aproximadamente 200 milhões de anos atrás e recebeu esse nome porque pensava-se que suas placas ósseas protetoras eram dispostas como as telhas e um telhado. Hoje sabe-se que elas ficavam em pé ao longo da coluna vertebral, fixadas na pele duríssima e não no esqueleto. Há diversas teorias sobre a utilização dessas placas: como armadura ou talvez como reguladores térmicos, esquentando ou esfriando o corpo do Estegossauro conforme sua posição ao sol ou ao vento. Há também a possibilidade de estas placas terem sido usadas para a exibição, assim, quando um predador atacava ou um parceiro era encontrado, o Estegossauro bombeava sangue para as placas e elas tornavam-se mais vivas e vermelhas o que seduzia o parceiro ou amedrontava o atacante. O corpo desse animal era maciço e a cauda extremamente musculosa era a sua arma de ataque, já que contava com quatro espinhos ósseos de 50 centímetros a 1 metro de comprimento. O pescoço terminava numa cabeça absurdamente pequena, de apenas 40cm, comportando um cérebro do tamanho de uma noz. Quando o Estegossauro estava em perigo, curvava a cabeça para baixo, protegendo-a com sua nuca repleta de placas e ao mesmo tempo aplicava fortes golpes laterais com a cauda. Várias espécies de Estegossauro viveram na América do Norte. Alguns eram mais primitivos e tinham as placas menores e mais pontiagudas.

Dados do Dinossauro:
Nome: Estegossauro
Nome Científico: Stegosaurus armatus
Época: Jurássico
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 6 toneladas
Tamanho: 12 metros de comprimento e 4 de altura
Alimentação: Herbívora
Estiracossauro
    

    O Estiracossauro cujo nome significa "lagarto ouriço", viveu principalmente no Canadá e EUA. Possuía um grande chifre no nariz, porém, o que o diferenciava dos outros animais de sua família era a pequena saliência óssea sobre os olhos. Tinha uma crista em forma de escudo, com seis longos e fortes espinhos que lembravam o cocar de um índio. Supõe-se hoje que, esses espinhos não eram muito eficientes pois não estavam devidamente posicionados para garantir uma boa defesa caso o animal sofresse um ataque. Mesmo assim poderiam transmitir uma impressão bem ameaçadora, assustando e afugentando o inimigo.Numa luta, a principal arma do Estiracossauro era o grande chifre no nariz, com qual feria a vítima. O esqueleto do Estiracossauro era muito forte, pois tinha que sustentar a cabeça pesada. Era sem dúvida, um dos dinossauros mais amedrontadores que já existiu. Viveu há aproximadamente 66 milhões de anos atrás.

Dados do Dinossauro:
Nome: Estiracossauro
Nome Científico: Styracosaurus albertensis
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 4 toneladas
Tamanho: 6m de comprimento
Alimentação: Herbívora                                                                               Estrutiomimo
    O nome Estrutiomimo significa "imitação de avestruz" e muitos répteis encouraçados e musculosos, quase invulneráveis e invencíveis, tiveram sua extinção acelerada por causa de competidores mais fracos, como o esguio Estrutiomimo, que comia ovos de outros dinossauros e escapava correndo, em passadas parecidas com as do avestruz, um meio de alimentação nutritivo e sem muito perigo. A destruição dos ovos limitava a proliferação dos gigantes. Além dos ovos, o Estrutiomimo alimentava-se de insetos, como libélulas de meio metro de envergadura, que existiam no período Cretáceo.

Dados do Dinossauro:
Nome: Estrutiomimo
Nome Científico: Struthiomimus sp
Época em que Viveu: Cretáceo
Alimentação: Onívora

Eudimorphodon
    O Eudimorphodon cujo nome significa " Verdadeiro Dimorphodon " era um pterossauro primitivo que viveu durante o período Triássico há aproximadamente 225 milhões de anos atrás na Itália, caçando insetos agilmente, como os atuais morcegos, em numerosos bandos.
Dados do Pterossauro:
Nome: Eudimorphodon
Nome Científico: Eudimorphodon ranzii
Época: Triássico
Local onde viveu: Europa
Peso: Cerca de 2 quilos
Tamanho: 1 metro de envergadura
Alimentação: Carnívora
Euplocéfalo
    O Euplocéfalo cujo nome significa "cabeça bem protegida" viveu há aproximadamente 66 milhões de anos atrás no final do período Cretáceo no Canadá, tinha um tipo de armação óssea que se espalhava pelo seu corpo em forma de cinturões, estendendo-se do pescoço até a cauda, dando a esse animal maior proteção, sua ossada desse animal foi descoberta em 1902, no Canadá. Além disso, ele possuía ferrões bem grossos na cabeça, nos ombros e nas costas.Sua longa cauda terminava em uma "bola", formada por inúmeros pequenos ossos. Um golpe com esta arma poderia ser fatal, um só golpe quebraria a perna de um enorme terópode. Os olhos do Euplocéfalo eram pequenos, a cabeça larga e os ossos do crânio estavam tão bem ligados como uma blindagem. Na verdade, o Euplocéfalo, com seu corpo grande e largo, todo protegido, poderia muito bem ser comparado a um tanque de guerra, como era comum nos anquilossaurídeos.

Dados do Dinossauro:
Nome: Euplocéfalo
Nome Científico: Euplocephalus tutus
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 4 toneladas
Tamanho: 6 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora                                                                   Eurhinodelphis
    O Eurhinodelphis era um golfinho primitivo pertencente ao grupo dos cetáceos que viveu há aproximadamente 12 milhões de anos atrás durante o Mioceno na França, Bélgica e EUA, pertencia a uma família de golfinhos primitivos chamada Rhabdosteidae, com seu focinho longo comia crustáceos e peixes pequenos e acredita-se que a ponta do focinho desdentada servia para escavar na areia e procurar alimento. Durante o Mioceno todo eles foram comuns, porém no final do Mioceno estavam se tornando extintos e sendo substituídos pelos golfinhos atuais.
Dados do Mamífero:
Nome: Eurhinodelphis
Nome Científico: Eurhinodelphis bossi
Época: Mioceno
Local onde viveu: Europa e América do Norte
Peso: Cerca de 400 quilos
Tamanho: 2,7 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora

Eusmilus
    O Eusmilus pertencia ao grupo dos chamados Dentes-de-Sabre, como todos eles o Eusmilus deveria caçar presas grandes através de emboscadas, dando uma mordida com seus enormes dentes e abrindo uma ferida enorme, que num futuro próximo seria fatal para a vítima. O que diferia o Eusmilus do resto dos dentes de sabre é o fato de ele ser um dos primeiros dentes de sabre que existiu, ele viveu a 35 milhões de anos atrás, possuía o porte de uma jaguatirica e era capaz de abater presas de até 5 vezes o seu tamanho.
Nome: Eusmilus
Nome Científico: Eusmilus
Época: Eoceno à 35 mil anos atrás
Peso: Cerca de 35 quilos
Tamanho: Aproximadamente 1,20 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Eustreptospondylus
    O Eustreptospondylus cujo nome significava "vértebra bem preservada", viveu na Inglaterra durante o período Jurássico há aproximadamente 165 milhões anos atrás. O Eustreptospondylus foi um carnívoro bípede, que está relacionado com a última linha antecessora ao Tiranossauro e provavelmente se alimentava de animais mortos. O único esqueleto encontrado até agora desse animal possuía 5 metros de comprimento e demonstra que o animal deveria pesar algo em torno de 500 quilos, porém estudos mostraram que esse exemplar era apenas um jovem e que a espécie poderia ser um pouco maior que isso.
Dados do Dinossauro:
Nome: Eustreptospondylus
Nome Científico: Eustreptospondylus oxoniensis
Época: Jurássico
Local onde viveu: Europa
Peso: Cerca de 600kg
Tamanho: Pouco mais de 5 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora

Fiomia
    A Fiomia era um ancestral bem primitivo dos atuais elefantes que viveu no norte da África há 30 milhões de anos atrás durante o Oligoceno. Media pouco mais de 1 metro na altura do dorso e acredita-se que possuí-se hábitos semi-aquáticos, como seu ancestral o Moeritherium se alimentando de plantas tenras perto e dentro de rios e lagos.
Dados do Mamífero:
Nome: Fiomia
Nome Científico: Phiomia winton
Época: Oligoceno
Local onde viveu: África
Peso: Cerca de 350 quilos
Tamanho: 1,3 metros de altura
Alimentação: Herbívora
Galimimo
   
    O Galimimo cujo nome significa " imitação de ave ", devido ao formato de seu corpo, corria como um avestruz e viveu durante o período Cretáceo, na Ásia há 70 milhões de anos atrás. Por não possuir dentes deveria comer plantas, insetos e pequenos mamíferos.
    Era o maior dos chamados "dinossauros-avestruz". A velocidade desse animal é estipulada através de suas pegadas, com as distâncias entre elas e com a profundidade delas estima-se que esses animais poderiam atingir enormes velocidades, pouco mais de 60 Km/h.

Dados do Dinossauro:
Nome: Galimimo
Nome Científico: Gallimimus bullatos
Época: Cretáceo
Peso: Cerca de 120kg
Tamanho: 4 metros de comprimento
Alimentação: Onívora
Gastônia
   O Gastônia burgei cujo nome indica seus descobridores, Robert Gaston juntamente com Don Burge, viveu há aproximadamente 125 milhões de anos atrás durante o período Cretáceo nos Estados Unidos e podia atingir 5,5 metros de comprimento, 2 metros de altura e pesar 1 tonelada. Pertencia ao grupo Ankylosauria, mesmo do Anquilossauro.
   Eles possuíam um arsenal completo de defesa contra os predadores, composto de espinhos gigantescos que poderiam atingir quase um metro de comprimento, restos de sua pele fossilizada demonstraram um complexo sistema de escamas grossas com encaixes precisos, a cabeça ficava sob uma proteção de osso sólido, embora fosse um herbívoro seu poderoso bico córneo era capaz de arrancar membros de pequenos e médios predadores como o Utahraptor, e em toda latetral de seu corpo, até a ponta do rabo, o Gastônia apresentava espigões que se encaixavam como uma tesoura e quando atacado o Gastônia poderia curvar ambos os lados do corpo alternadamente, produzindo um efeito esmagador entre seus espigões laterais que poderia cortar um pequeno predador ao meio e cortar membros de grandes predadores.

Dados do Dinossauro:
Nome: Gastônia
Nome Científico: Gastonia burgei
Época: Cretáceo
Local em que Viveu: América do norte
Peso: 1 Tonelada
Tamanho: 5,5 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Gastornis
 
    O Gastornis cujo nome foi baseado em "Gaston Planté", responsável pelo primeiro achado dessa espécie, era uma grande ave rapineira, que viveu durante o Eoceno há aproximadamente 45 milhões de anos atrás na Europa, provavelmente caçava pequenos mamíferos e lagartos que habitavam as florestas européias. Possuindo grande agilidade e um enorme bico, perseguia suas presas e desferia-lhes fortes bicadas e patadas ( com suas fortes garras dos pés ), se transformando em  um dos grandes predadores da época. Mas esses tipos de aves não suportaram a competição com os mamíferos e quando eles se tornaram hábeis caçadores elas entraram em extinção.
Dados da Ave:
Nome:
Gastornis
Época: Eoceno
Local onde viveu: Europa
Peso: Cerca de 180 quilos
Tamanho: 2,2 metros de altura
Alimentação: CarnívoraGermanodactylus
    O Germanodactylus era um pterossauro que vivia em árvores, que evoluiu a partir dos ranforrincos, provavelmente ele passaria o dia dependurado de cabeça para baixo, saindo periodicamente dessa posição para caçar insetos, como fazem hoje os morcegos.
    Acredita-se que o Germanodactylus possuía garras adaptadas, mais fortes, para se manter nessa posição invertida e que deveriam viver em bandos enormes para se protegerem melhor de predadores e para facilitar a caça de insetos.    
Dados do Pterossauro:
Nome: Germanodactylus
Época: Jurássico
Local onde Viveu: Europa
Peso: Cerca de100 gramas
Tamanho: 1,1 metros de envergadura
Alimentação: Peixes
Giganotossauro
    O Giganotossauro cujo nome significa "Lagarto Gigante do Sul" viveu há aproximadamente 67 milhões de anos atrás durante o período Cretáceo na Patagônia Argentina, mas provavelmente dava seus passeios em territórios brasileiros, ultrapassou o tamanho do maior  Tiranossauro rex conhecido e dos Carcharodontossauros e Espinossauros, sendo sem dúvida um dos maiores carnívoros terrestres conhecidos e com esse tamanho todo poderiam caçar até enormes saurópodes que quase não tinham inimigos naturais, provavelmente os Giganotossauros eram territoriais, e como eram enormes deveriam precisar de enormes quantidades de comida, e seus territórios então seriam enormes. Suas mandíbulas eram também enormes e seu crânio um dos maiores, mais de 1,6 metros de comprimento, seus dentes podiam medir 15 centímetros de comprimento, sendo curvos e afiados o que é um indicio de que eles eram utilizados para morder algo vivo, que ao se debater e tentar escapar acabaria indo mais para dentro da boca do predador, mas certamente o Giganotossauro não negaria uma refeição já morta em putrefação, agindo também como carniceiro.
    Nas imagens a cima, um grupo de Giganitissauros está caçando um Argentinossauro, n apenúltima imagem, um casal de Giganotossauros persegue uma manada de Amargassauros e na última um Giganotossauro está sobre um Carnotauro.
Dados do Dinossauro:
Nome: Giganotossauro
Nome Científico: Giganotosaurus carolinii
Época: Cretáceo
Local onde Viveu: América do sul
Peso: Cerca de 7 toneladas
Tamanho: 14 metros de comprimento e 7 metros de altura
Alimentação: Carnívora
Gigantophis
     A Gigantophis é uma das maiores cobras que já existiu, viveu há aproximadamente 36 milhões de anos atrás durante o Eoceno no norte da África, um exemplar encontrado no Egito media mais de 18 metros de comprimento. A Gigantophis era pertencente ao grupo das Boidae, o qual é um grupo antigo de cobras que não possuíam veneno, mesmo das atuais Pítons e Sucuris, era lenta e extremamente forte e suas presas eram geralmente grandes e lentas, como o Moeritherium ( como na imagem acima ) e crocodilos, além de outros mamíferos de grande porte, mas caso algum animal pequeno não tomasse cuidado perto desta gigantesca cobra certamente viraria alimento.
Dados do Réptil:
Nome: Gigantophis
Nome Científico: Gigantophis sp.
Época: Eoceno
Local onde Viveu: África
Peso: Cerca de 400 quilos.
Tamanho: 19 metros de comprimento
Alimentação: CarnívoraGigantopithecus
    O Gigantopithecus foi um dos maiores primatas que já existiram, viveu há aproximadamente 500 mil anos atrás durante o Pleistoceno na China, Índia e em outros países do sudeste asiático, eram parentes próximos dos atuais orogotangos porém seus hábitos diferiam dos mesmos, pois um animal tão grande e pesado não poderia ser arborícola como seus parentes atuais, sendo então seus hábitos mais parecidos com gorilas, apresentando corpos maciços e fortes. Sua alimentação era baseada em frutas, gramas, sementes e principalmente bambu, que o tornava competidor natural dos atuais ursos pandas. Foram encontrados restos fósseis de Homo erectus nos mesmos locais e datando do mesmo período de fósseis de Gigantopithecus, sugerindo que o Homo erectus pode ter "ajudado" a extinguir esta gigantesca espécie. Na China foram encontrados diversos dentes de Gigantopithecus, os quais são até moídos e vendidos como remédio em mercados. Primatas desse porte, alimentam as lendas do "Pé Grande" e do "Abominável Homem das Neves", os quais poderiam ser apenas restos fósseis desses animais ou então animais dessa espécie que sobreviveram até os dias de hoje, porém animais de grande porte como estes causariam grandes alterações ambientais que seriam facilmente identificáveis pelo homem.
Dados do Mamífero:
Nome: Gigantopithecus
Nome Científico: Gigantopithecus blacki
Época: Pleistoceno
Local onde viveu: Ásia
Peso: Cerca de 600 quilos
Tamanho: 3 metros de altura
Alimentação: HerbívoraGigantoraptor
   O Gigantoraptor erlianensis cujo nome significa "ave de rapina gigante" e erlianensis que lembra o local onde foi encontrado, Erlian região autónoma chinesa da Mongólia Interior viveu no final do período Cretáceo há aproximadamente de 70 milhões de anos atrás na atual Mongólia e norte da China.
   Essa é uma das maiores espécies encontradas do grupo dos oviraptores, podia atingir cerca de 1,4 toneladas, 8 metros de comprimento e 3,5 metros de altura do chão até o quadril. Este enorme dinossauro tinha penas e bico semelhantes aos das aves atuais e era quase do tamanho de um Alossauro e pouco menor em tamanho a um tiranossauro. Suas pernas longas sugerem que era um predador e que agarrava suas presas durante perseguições.
   Foi descoberto pesquisadores da equipe de Xu Xing, paleontólogo do Instituto de Paleontologia de Vertebrados da Academia Chinesa de Ciências de Pequim.

Dados do Dinossauro:
Nome: Gigantoraptor
Nome Científico: Gigantoraptor erlianensis
Época: Cretáceo
Local onde viveu:Ásia
Peso: Cerca de 1,4 toneladas.
Tamanho: 8 metros de comprimento e 3,5 metros de altura até os quadris.
Alimentação: Carnívora
Girafatitan
 
    O Girafatitan cujo nome significa " Grande Girafa " assemelhava-se com um Braquiossauro, pertencia a família dos saurópodes,  media de 22 á 30 metros de comprimento e chegava pesar 80 toneladas, sua altura lhe permitia sem esforço, comer as copas das árvores, comia mais ou menos 2 toneladas de plantas por dia e sem dúvida foi um dos maiores animais que já viveram no planeta. Viveu durante o período Jurássico na Tanzânia.
Dados do Dinossauro:
Nome: Giraffatitan
Nome Científico: Giraffatitan brancai
Época: Jurássico
Local onde viveu: Tanzânia
Peso: Cerca de 80 toneladas
Tamanho: 30 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Girafídeo de chifre ramificado
    O Girafídeo de chifre ramificado pertencia ao grupo dos grafídeos, ancestrais das atuais girafas e ocapis, viveu durante o Plioceno há 5 milhões de anos atrás no leste da África, seus chifres se parecem muito com o de cervos e veados, porém seus cascos, rabo e estrutura óssea não deixam dúvidas de sua origem. Por possuir hábitos semelhantes as das atuais girafas, acredita-se que vivessem em bandos e então os machos teriam desenvolvidos chifres maiores para disputarem territórios e posições hierárquicas.
Dados do Mamífero:
Nome: Girafídeo de chifre ramificado
Nome Científico: Climacoceras gentryi
Época: Plioceno
Local onde viveu: África
Peso: Cerca de 100 quilos                                                                             Glossotherium
    O Glossotherium era uma preguiça gigantesca que viveu durante o Pleistoceno e era do tamanho de um boi, sendo muito semelhante ao Megalonyx ( outra preguiça gigante ). Passava o dia todo comendo folhas de árvores e arbustos, em enormes quantidades, utilizando sua língua comprida para obtê-las e manejando os galhos com suas garras que eram grandes e fortes. Os Glossotheriuns eram parentes dos Megatheriuns que vieram da América do Sul para a América do Norte quando emergiu uma ponte de terra entre os dois continentes no final do período Terciário. Apesar de enormes os Glossotheriuns eram criaturas pacíficas e muitos predadores pleistocênicos deviam atacá-los pela enorme quantidade de carne que elas podiam fornecer, mas com certeza eles podiam se defender muito bem no combate corpo a corpo, pois eram muito fortes e entre esses predadores estavam os Tigres dentes de sabre, os Ursos das Cavernas, Leões Americanos, lobos e o pior de todos, os quais acredita-se ter extinguido essa espécie, o Homo sapiens.
Dados do Mamífero:
Nome: Glossotherium
Nome Científico: Glossotherium harlani
Época: Pleistoceno
Local em que Viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 1,5 toneladas
Tamanho: 2 metros de altura
Alimentação: Herbívora
Tamanho: 1,5 metros de altura
Alimentaçã                                                                                              Glyptodonte
    O Glyptodonte deu nome a família dos Gliptodontes a que pertence, sendo um dos maiores representantes dessa família, que possuíam um ancestral comum com os atuais tatus. O Glyptodonte viveu durante o Pleistoceno há aproximadamente 100 mil anos atrás na América do Sul, migrando posteriormente para o Norte, quando a ponte de terra se formou, pastava gramíneas o dia todo pelas planícies americanas, sua incrível armadura (carapaça) servia como ótimo escudo para se defender do ataque de ferozes predadores que existiam em sua época, como aves rapineiras gigantes, enormes tigres-dentes-de-sabre, etc. Foram encontrados muitos fósseis desse espécime em grutas do Vale do Rio das Velhas em Minas Gerais.
Dados do Mamífero:
Nome: Glyptodonte
Nome Científico: Glyptodon clavipes
Época: Pleistoceno
Local em que viveu: Américas do Sul
Peso: Cerca de 1,4 toneladas
Tamanho: 3 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora                                                                     Gnathossauro
    O Gnathossauro cujo nome significa " Mandíbula de lagarto " era um pterossauro que viveu durante o período Jurássico há aproximadamente 150 milhões de anos atrás na Alemanha, comendo peixes e outros animais marinhos como crustáceos e moluscos que habitavam a costas européias, media cerca de 1,7 metros de envergadura.
Dados do Pterossauro:
Nome: Gnathossauro
Nome Científico: Gnathossauro sublatus
Época: Jurássico
Local onde viveu: Europa
Peso: Cerca de 10 quilos
Tamanho: 1,7 metros de envergadura
Alimentação: Carnívora
Gomphotherium
    O Gomphotherium foi um ancestral dos atuais elefantes, acredita-se que a tromba dos probocídeos tenha iniciado à adquirir habilidade para manejar coisas neste estranho animal, que possuía presas que se estendiam a partir das duas mandíbulas e que viveu há aproximadamente 17 milhões de anos atrás durante o Mioceno na Ásia, Europa e América do Norte e media pouco mais que de 2 metros de altura.
Dados do Mamífero:
Nome: Gomphotherium
Nome Científico: Gomphotherium
Época: Mioceno
Local onde viveu: América do Norte, Ásia e Europa
Peso: Cerca de 3 toneladas
Tamanho: 2 metros de altura
Alimentação: Herbívora                                                                 Gondwanatitan
    O Gondwanatitan cujo nome significa " Titã de Gondwana " e recebeu este nome devido a ele ter vivido no continente cretáceo Gondwana (que na época abrigava a Índia e todos os continentes do hemisfério sul). Este magnífico animal era um legítimo saurópode brasileiro. Viveu há aproximadamente 80 milhões de anos atrás durante o período Cretáceo no Brasil.
    O Gondwanatitan tinha 8 metros de comprimento e 2 metros de altura. Diferente dos outros saurópodes que têm a tíbia curvada para dentro da pata, a tíbia do Gondwanatitan era quase totalmente reta. Tinha um andar arrastado e se deslocava em grandes manadas, trilhando caminhos à beira de lagos, pântanos e vales de rios, muito comuns na região central do Brasil cretáceo.

Dados do Dinossauro:
Nome: Gondwanatitan
Nome Científico: Gondwanatitan faustoi
Época: Cretáceo
Local onde viveu: Brasil
Peso: Cerca de 10 toneladas
Tamanho: 2 metros de altura e 8 de comprimento
Alimentação: Herbívora
Gorgossauro
    O Gorgossauro cujo nome significa "Lagarto de Gorgon" viveu durante o período Cretáceo há aproximadamente 70 milhões de anos atrás em Alberta, Montana e Novo México. Era um enorme dinossauro carnívoro terópode da família dos tiranossaurídeos, possuía uma boca enorme, pernas fortes e seus braços já se apresentavam atrofiados algo comum em sua família. O Gorgossauro era um predador solitário, porem em épocas de procriação poderiam viver em grupos familiares.
Dados do Dinossauro:
Nome: Gorgossauro
Nome Científico: Gorgosaurus libratus
Época: Cretáceo
Local onde Viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 3 toneladas
Tamanho: 9 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Hadrossauro
 
     O hadrossauro era um dinossauro que possuía um bico córneo semelhante ao das tartarugas e ao das aves, por isso o nome significa lagarto com bico de pato, andavam em manadas para se protegerem, possuía dentes queixais e podiam andar com 4 ou 2 pernas.
Dados do Dinossauro:
Nome: Hadrossauro
Época: Cretáceo
Local onde Viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 5 toneladas
Tamanho: 13 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
. Hatzegopteryx
 
    O Hatzegopteryx cujo nome significa " Hatezg - nome da bacia onde foi encontrado, pteryx - asa e thambema - monstro ambos em grego " era um enorme pterossauro que viveu há aproximadamente 70 milhões de anos atrás no final do período Cretáceo na Romênia, na região da Transilvânia ( "Terra do Drácula ), por causa de seu grande tamanho foi inicialmente classificado como um dinossauro carnívoro terópode mas sem nenhuma informação precisa e somente no final dos anos 90 que voltaram a investigar seus resto de descobriram que se tratava de um pterossauro gigantesco.
Dados do Pterossauro:
Nome: Hatzegopteryx
Nome Científico: Hatzegopteryx thambema
Época: Cretáceo
Local onde viveu: Europa
Peso: Cerca 100 quilos
Tamanho: 13 metros de envergadura
Alimentação: Peixes
Hemiauchenia
    O Hemiauchenia foi uma ancestral dos atuais Guanacos e vicunhas e parente próximo dos camelos, que viveu há aproximadamente 5 milhões de anos atrás durante o Plioceno na América do Norte, seus descendentes migraram para o sul cruzando a ponte de terra que se formou entre as Américas do Sul e do Norte, os quais se deram muito bem em ambientes andinos.
Dados do Mamífero:
Nome: Hemiauchenia
Nome Científico: Hemiauchenia macrocephala
Época: Plioceno
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 90 kg
Tamanho: 1,8 metros de altura
Alimentação: Herbívora                                                                   Herrerassauro
<>
O Herrerassauro foi um dos primeiros dinossauros a surgir. Viveu durante o Triásico, na América do Sul. Seu nome significa "lagarto de Herrera". É um animal muito pouco conhecido.

Dados do Dinossauro:
Nome: Herrerassauro
Nome Científico: Herrerasaurus sp
Época em que Viveu: Triássico
Tamanho: Cerca de 3 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Heterodontossauro
Era um herbívoro com o tamanho de um peru. Foi encontrado na África do Sul em 1911 um pedaço de mandíbula de dinossauro que os cientistas tiveram dificuldade de dizer de qual espécie pertencia. Mais tarde, em 1976, com a descoberta de um esqueleto muito bem conservado, foi possível completar a descrição desse animal.
Heterodontossauro quer dizer "lagarto com dentes diferentes", realmente este dinossauro possuía três tipos de dentes diferentes: incisivos afiados, molares e caninos. A finalidade dos dentes caninos ainda é um mistério, já que o Heterodontossauro era um dinossauro herbívoro, talvez ele o usasse para abrir as frutas de casca mais dura.
Observando os ossos das pernas traseiras podemos saber que o Heterodontossauro podia ser bastante veloz. Quando corria, uma serie de ossos de apoio mantinham sua coluna e cauda em posição reta. O rabo cônico e longo agiu como um contrapeso enquanto o animal corria..

Dados do Dinossauro:
Nome: Heterodontossauro, que significa "lagarto com dentes diferentes"
Nome Científico: Heterodontossaurus tucki
Época em que Viveu: Fim do Triássico, por volta de 208 milhões de anos atrás
Peso: 35kg
Tamanho: 1,10m de comprimento
Alimentação: Herbívora
Hiena Gigante
 
    A Hiena Gigante é a maior representante da família das hienas que já existiu, viveu durante o período Plesitoceno há aproximadamente 18 mil anos atrás no sul da Europa, leste da Ásia e norte da África, era muito robusta e forte, chegando a pesar o dobro das atuais hienas, sendo capaz de atacar e roubar as presas de enormes leões e tigres dentes de sabre e ainda quebrar e comer ossos de enormes elefantes, seu faro e sua audição eram muito aguçados, podendo sentir o cheiro de carne putrefata e ouvir animais a enormes distâncias e graças a suas pernas compridas e fortes chegar há esses animais em curtos períodos de tempo.
Dados do Mamífero:
Nome: Hiena Gigante
Nome Científico: Pachycrocuta brevirostris
Época: Pleistoceno
Local onde viveu: Ásia, Europa e África
Peso: Cerca de 210 quilos
Tamanho: 1,7 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Hipsilofodonte
O Hipsilofodonte que viveu principalmente na Inglaterra, Portugal e EUA, foi um dos menores e mais velozes herbívoros do período Cretáceo. Suas pernas eram longas, a cauda comprida e fixa, os braços curtos e as mãos tinham cinco dedos, sendo que só quatro possuíam unhas.
Durante muito tempo acreditou-se que o Hipsilofodonte subia em árvores para procurar o sua alimentação, porém, foi provado mais tarde que a formação de suas mãos não permitia que ele segurasse nos galhos. Assim, se alimentava da vegetação rasteira da época.
O Hipsilofodonte, "dente pontudo", possuia dentes capazes de permanecer sempre afiados e um bico ósseo também com dentes. Este animal estava muito bem equipado para o seu estilo de vida. Provavelmente andava e manadas e por ser um ótimo corredor, quando um inimigo se aproximava, ele fugia para a floresta e ficava escondido até o perigo passar.
O Hipsilofodonte já foi encontrado até na Antártida, na Ilha de James Ross, na ponta ao norte do continente, porque um dia os dois continentes já foram unidos.

Dados do Dinossauro:
Nome: Hipsilofodonte
Nome Científico: Hypsilophodon foxi
Época em que Viveu: Fim do Jurássico, por volta de 144 milhões de anos atrás
Peso: Cerca de 60kg
Tamanho: 2 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Holmesina
    O Holmesina é um gigantesco tatu que viveu há aproximadamente 12 mil anos atrás durante o Pleistoceno nos EUA, era descendente de pequenos animais que migraram da América do Sul quando se formou a ponte de terra entras as Américas. O Holmesina foi um dos maiores tatus que já existiu, o único que atingiu tamanho próximo foi o Pampatherium, primo sul-americano. Se alimentava de raízes, ovos, insetos, moluscos e carniça, com a ajuda de suas poderosas garras, as quais também serviam para cavar enormes tocas para abriga-los. Apesar de seu enorme tamanho os adultos podiam ser caçados por enormes Tigres dentes de sabre, que podiam quebrar sua forte couraça protetora e dispor da grande quantidade de carne que esses animais possuíam.
Dados do Mamífero:
Nome: Holmesina
Nome Científico: Holmesina septentrionalis
Época: Pleistoceno
Local em que viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 250 quilos
Tamanho: 2,6 metros de comprimento
Alimentação: Onívora
Homalocephale
 
    O Homalocephale cujo nome significa " Cabeça chata " pertencia a família dos paquicefalossauros viveu na Mongólia há aproximadamente 74 milhões de anos atrás durante o período Cretáceo,  media 3 metros de comprimento e pesava 60 kg. Provavelmente utilizava sua cabeça achatada e dura com uma camada óssea de 8 a 10 centímetros de espessura para golpear possíveis rivais, da mesma espécie em disputas territoriais e por fêmeas, e golpear outras espécies como possíveis predadores.
Dados do Dinossauro:
Nome: Homalocephale
Nome Científico: Homalocephale calathocercos
Época: Cretáceo
Local onde viveu: Ásia
Peso: Cerca de 60 quilos
Tamanho: 3 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Homem de Neanderthal

    O Homo neanderthalensis cujo nome lembra o local onde foi encontrado, surgiu há aproximadamente 200 mil anos atrás, originário possivelmente dos Homo erectus que se adaptaram ao clima frio da Europa, seu cérebro era de tamanho igual ao nosso, sua garganta era projetada para a fala, eles possuíam uma linguagem própria, viviam em grupos familiares formados de 8 à 25 pessoas no máximo, seu corpo era mais baixo, mais forte e mais atarracado que o nosso ( bem adaptado ao clima frio em que viviam), eram inteligentes, sua população era algo em torno 100 mil pessoas e sua alimentação era constituída 85% de carne, enterravam seus mortos. Os Homo neanderthalensis tinham uma vida agita e cheia de riscos, sua caça se baseava no combate corpo a corpo, metade de suas crianças não chegava aos 12 anos e 4 a cada 5 homens não chega a 40 anos, as mães neandertais amamentavam seus filhos até 5 anos de idade.
    Possuíam basicamente 6 tipos de ferramentas, raspadeiras ( para confeccionar vestimentas ), machadinhas, facas ( que também eram usadas como pontas de lanças ), laminas (que eram mais afiadas que bisturis cirúrgicos ) e lanças ( feitas com galhos ). Os Homo neanderthalensis não eram nossos ancestrais entraram em processo de extinção logo após terem entrado em contato com o Homo sapiens.
    Há aproximadamente 35 mil anos atrás o Homo sapiens chegou a Europa vindo da Ásia, no começo havia uma coexistência pacífica até benéfica para os Homens Neandertais, que estavam aprendendo com o Homo sapiens, suas ferramentas estavam pela primeira vez sofrendo bruscas modificações, os Homens Neandertais estavam fazendo  ferramentas feitas de ossos, chifres e dentes, começaram até a fabricar adornos para vestimentas (tudo isso copiando o Homo sapiens) , mas com o tempo a coisa começou a mudar, mais e mais Homo sapiens chegavam a Europa, isso começou a gerar conflitos e os Homo sapiens tinham armas mais sofisticadas que os Homens de Neandertal, tem-se inicio o processo de extinção dos Homens Neandertais, que há aproximadamente 27 mil anos atrás entraram em extinção.
Dados do Mamífero:
Nome: Homem de Neanderthal
Nome Científico: Homo sapiens neanderthalensis
Época: Pleistoceno
Local onde vive: Europa e Oriente Médio
Peso: Cerca de 80 quilos
Tamanho: 1,6 metros de altura
Alimentação: Onívora
Homo erectus
    O Homo erectus cujo o nome significa " homem hereto ", surgiu há aproximadamente 1,8 milhões de anos atrás, descobriram-se fósseis do Homo erectus desde a África ( local onde acredita-se que apareceu primeiro ) até a Indonésia na Oceania, Ásia e Europa. Com a altura de um homem moderno e um cérebro do tamanho da metade do nosso o Homo erectus era bem inteligente e dominava o uso de uma das mais importantes ferramentas que o homem já teve o fogo e com tudo isso já era possível manter uma estrutura social complexa e viver agrupados em comunidades.
    O uso do fogo distinguiu o Homo erectus de todas as espécies que haviam surgido antes, ossos carbonizados de animais foram encontrados em sítios arqueológicos em muitos lugares. Essa espécie foi tão bem sucedida que só foi extinta provavelmente pelo Homo sapiens ou o humano atual mais ou menos 50 mil anos atrás. Os Homo erectus que migraram para a Europa passaram por adaptações ao frio e acredita-se deram origem ao Homo neanderthalensis, os Homo erectus que se mantiveram na África tiveram que enfrentar muitas Eras Glaciais ( grandes esfriamentos que causavam grandes períodos de seca ou de chuvas na África ) e tiveram que se adaptar a elas, acredita-se que assim se deu a origem do Homo sapiens. 
Dados do Mamífero:
Nome: Homo erectus
Época: Pleistoceno
Local onde viveu: África, Europa, Ásia e Oceania.
Peso: Cerca de 60 quilos
Tamanho: 1,7 metro de altura
Alimentação: Onívora
Homo habilis

    O Homo habilis cujo o nome significa " homem habilidoso ", surgiu há aproximadamente 2 milhões de anos, confeccionava e utilizava ferramentas, começando talvez por uma simples pedra. De cérebro grande ( pouco menos da metade do nosso ) e mãos habilidosas, o Homo habilis levava uma vida nômade nas savanas do leste da África, alimentando-se de carne, obtida talvez caçando e carne de animais mortos, além de frutos e outros vegetais. Muitos estudiosos o consideram apenas um Australopithecus moderno sendo ainda a mesma espécie, a qual acredita-se que deu origem ao Homo erectus.
Dados do Mamífero:
Nome: Homo habilis
Época: Plioceno
Local onde viveu: África
Peso: Cerca de 30 à 40 quilos
Tamanho: 1 metro de altura
Alimentação: Onívora
Homo sapiens

    O Homo sapiens ( nossa espécie ) surgiu há aproximadamente 150 mil anos atrás, possivelmente na África, como resultado de adaptações de Homo erectus ao meio em que eles viviam. Desde então o Homo sapiens vem evoluindo e aumentando seu número cada vez mais, extinguindo todas as espécies que se opunham a ele, se tornando o " animal " dominante do planeta.
    A " Invasão Humana " tem inicio há 100 mil anos atrás, com uma grande erupção de um vulcão que afetou todo o planeta, somente cerca 10 mil Homo sapiens sobrevivem e junto com isso tem -se inicio a uma nova era glacial, na qual torna difícil a vida na África e há cerca de 70 mil anos atrás o Homo sapiens chegou no Oriente Médio, há 50 mil anos atrás na Ásia e tem-se inicio o processo de extinção do Homo erectus, há 40 mil anos atrás o Homo sapiens chega na Europa e lá fica conhecido como Homem de Cro-Magnon, há 35 mil anos atrás entra em contato com o Homem de Neandertal, tem-se inicio uma série de conflitos os quais quase sempre o Homo sapiens vence, há 28 mil anos atrás a população de Homens Neandertais diminui drasticamente e há 27 mil anos atrás os Homens Neandertais são extintos.
    O Homo sapiens continua sua dominação do planeta extinguindo diversas espécies e infestando o planeta. Há 20 mil anos atrás tem-se inicio uma nova Era Glacial e forma-se uma ponte de terra entre a Rússia e o Alasca e há 15 mil anos atrás o Homo sapiens chega a América do Norte, entra em contato com novas espécies e o mesmo ocorre com elas ( entram em processo de extinção ), há 13 mil anos atrás o Homo sapiens chega a América do Sul e ocorre a extinção de diversas espécies animais americanas e entre elas está o Mamute, o Tigre-dentes-de-sabre, o Mastodonte,etc. Os Homo sapiens que ficaram no Oriente Médio nessa época começavam a praticar a agricultura e posteriormente tem-se inicio as construções e os grandes impérios enfim a " História começa " e essa é uma outra " Estória ".
Dados do Mamífero:
Nome: Homem
Nome Científico: Homo sapiens sapiens
Época: Holoceno
Local onde vive: Todo o Planeta Terra e fora dele também
Peso: Cerca de 70 quilos
Tamanho: 1,7 metros de altura
Alimentação: Onívora
Homotherium
    O Homotherium pertencia ao grupo dos chamados Dentes-de-Sabre, como todos eles o Homotherium deveria caçar presas grandes em pequenos bandos através de emboscadas, dando varias mordidas mordidas com seus enormes dentes e abrindo uma ferida enorme, que num futuro próximo seria fatal para a vítima. O que diferia o Homotherium do resto dos dentes de sabre eram seus dentes em forma de "cimitarra" um pouco menor se comparado a outros dentes-de-sabre e o fato de suas pernas traseiras serem menores do que as pernas dianteiras, como hienas, e por este fato ele deveria andar mais lento do que os felinos geralmente o fazem, sendo mais parecido com um urso do que um felino. Mas como suas presas também eram lentas ele se tornou um grande predador da época, competindo a cerca de 12 mil anos atrás com os demais Dentes de Sabre, com os Leões das Cavernas e até Ursos das Cavernas. E uma prova disso é que foram encontradas ossadas de mamutes com marcas de ataque e ossadas de Homotherium próximas. Já foram encontradas diversas espécies de homotherium, como por exemplo os Homotherium crenatidens, Homotherium ethiopicum, Homotherium hadarensis, Homotherium latidens, Homotherium nestianus, Homotherium nihowansis, Homotherium serum e o Homotherium ultimum.
Dados do Mamífero:
Nome: Homotherium
Nome Científico: Homotherium nestianus
Época: Pleistoceno à 12 mil anos atrás
Local em que Viveu: América do Norte, Europa e Ásia
Peso: Cerca de 200 quilos
Tamanho: 1,80 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Huayangossauro
    Era um dinossauro pertencente ao grupo dos ornitisquianos, era provido de placas, e primitivo foi um dos primeiros estegossauros as placas ósseas podem ter sido usadas para controle térmico, defesa e/ou demonstrações para intimidar um predador, e/ou para acasalamento.
Dados do Dinossauro:
Nome: Huayangossauro
Peso: Cerca de 3 toneladas
Tamanho: 5 metros de comprimento
Época: Jurássico
Alimentação: Herbívora
Hybodus
    
    O Hybodus era um tubarão primitivo. Julgando pelo tamanho de seus dentes o Hybodus possuía aproximadamente 2 metros de comprimento e quase certamente teve a forma hidrodinâmica típica que todos os tubarões tiveram desde o primeiro aparecimento deles no período Devoniano, mais de 360 milhões de anos atrás. Suas mandíbulas alojaram dois tipos de dentes e refletem uma dieta variada. Um jogo era afiado, satisfatório para prender presas escorregadias como peixes e calamares. Seus outros dentes eram planos e fortes, para esmagar as coberturas de animais como moluscos.
    O pouco que os paleontologos sabem sobre tubarões pré-históricos é principalmente pelos dentes deles, que constantemente estão sendo encontrados. Eles são as únicas partes de seu corpo que normalmente petrifica, e é relativamente comum. Eles estão muito abundantes em algumas localizações, e foram achados em depósitos marinhos de idade jurássica pelo mundo.
    Os esqueletos de tubarão são feitos de cartilagem e não de osso, e assim não petrifica bem. Porém, há fósseis raros de suas barbatanas dorsais espinhosas. O barbatana poderia ter sido usada como um meio de defesa, se outra criatura marinha tentasse comer o tubarão, poderia utilizar sua barbatana dorsal para tornar este um trabalho difícil e desagradável.
Dados do Tubarão Pré-Histórico:
Nome:
Hybodus
Época: Jurássico
Local em que viveu: Nas costas da Europa e da América do Norte
Peso: Cerca de 300kg
Tamanho: Até 2,5 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Hylaeossauro
    O Hylaeossauro cujo o nome significa " réptil das florestas ", viveu na Inglaterra há aproximadamente 130 milhões de anos atrás durante o período Cretáceo e chegava a ter até 1,80 metros de altura e 4 metros de comprimento e se assemelhava com o Polacanto. Pertencia ao grupo dos nodossauros. O Hylaeossauro se parecia com um lagarto comprido, revestido com uma armadura cheia de "lanças" ou espigões agudos que iam do pescoço à ponta da cauda. O Hylaeossauro andava devagar e se alimentava de samambaias e outras folhagens.
Dados do Dinossauro:
Nome: Hylaeossauro
Nome Científico: Hylaeosaurus
Época: Cretáceo
Local onde viveu: Europa
Peso: Cerca de 1 tonelada
Tamanho: 4 de comprimento e 1,80 metros de altura
Alimentação: Herbívora
Hypacrossauro
 

    O Hypacrossauro cujo nome significa " Lagarto de crista baixa " pertencia a família dos Ornitópodes e viveu durante o período Cretáceo nas atuais regiões de Alberta (Canadá) e Montana (EUA),  media 9 metros de comprimento e chegava a pesar 4 toneladas. Deveriam andar em enormes manadas, pastando em campos e florestas.
Dados do Dinossauro:
Nome: Hypacrossauro
Nome Científico: Hypacrossauro altispinus
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Norte
Peso:  Cerca de 4 toneladas
Tamanho: 9 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Iberomesornis
    O Iberomesornis cujo nome significa " pássaro  intermediário espanhol "era um ancestral das aves que viveu há aproximadamente 130 milhões de anos atrás durante o período Cretáceo na Espanha, certamente já poderia alçar vôos com suas asas emplumadas, porém ainda mantinha características de répteis como dentes e garras nos dedos das asas. Em sua época certamente o Iberomesornis era obrigado a dividir seu espaço aéreo com enormes pterossauros.
Dados do Mamífero:
Nome: Iberomesornis
Nome Científico: Iberomesornis
Época: Cretáceo
Local onde viveu: Europa
Peso: Cerca de 200 gramas
Tamanho: 20 centímetros de envergadura
Alimentação: Onívora
Ichtyostega
    O Ichtyostega era um anfíbio primitivo que viveu há aproximadamente 360 milhões de anos atrás durante o período Devoniano se alimentava de pequenos crustáceos, moluscos, peixes e insetos, vivia em pântanos e em lagos pobremente oxigenados. Seus membros eram bem desenvolvidos e acredita-se que este anfíbio foi um dos primeiros tetrápodes, ou seja, os que possuíam 4 membros. O Ichtyostega possuía 5 dedos nas patas dianteiras e 7 nas traseiras, as quais eram posicionadas mais para nadar por entre vegetação aquática dos pântanos onde viviam, do que para andar em terra, o que os tornavam inaptos ao ambiente terrestre e possuíndo um estilo de vida parecido com o das atuais salamandras.
Dados do Anfíbio:
Nome:
Ichtyostega
Nome Científico: Ichtyostega
Época: Devoniano
Local onde viveu: Groelândia
Tamanho: 1 metros de comprimento
Peso: Cerca de 20 kg
Alimentação: Carnívora
Ictiossauro
    Os ictiossauros deram nome a família dos ictiossauros, " Peixe-lagarto", ao qual inúmeros espécimes dessas criaturas pertencem, eram os "répteis" mais adaptados a vida aquática, pois seus ancestrais foram uns dos primeiros répteis a buscar alimentos na água, seus corpos possuíam uma ótima hidrodinâmica que os permitia competir com os tubarões que eram seus principais rivais e predadores na infância, pois os tubarões tinham iniciado seu processo de evolução bem antes dos ictiossauros. Os ictiossauros se alimentavam de peixes e moluscos, pois foram encontrados junto aos seus restos fósseis, restos desses seres.
Dados do Ictiossauro:
Nome: Ictiossauro
Peso: Cerca de 1,7 toneladas
Época: Triássico
Local em que Viveu: Costas da Europa e América do Sul.
Tamanho: 3 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Iguanodonte
O Iguanodonte (dente de iguano) era um herbívoro grande, a espécie maior cresceu aproximadamente até 10 metros. Tinha a cabeça larga como a de um cavalo, com um bico córneo semelhante ao da tartaruga à frente de sua boca, que era ideal para retirar a vegetação. Haviam numerosos dentes em filas paralelas na parte de trás de suas mandíbulas. Possuia mais ou menos cem dentes e seu bico era bastante afiado, com saliências irregulares na borda, que o ajudavam a cortar as plantas. Foi um dos primeiros dinossauros com a capacidade de mastigar. Os répteis geralmente não podem mastigar porque não possuem músculos especiais para mover a mandíbula de lado a lado. Mas o Iguanodonte conseguiu mastigar muito efetivamente seu alimento.
Seus braços, longos e relativamente fortes, serviam também para arrancar folhas das árvores. No pés, tinha três dedos e nas mãos, cinco. seu polegar era pontudo, como uma grande espora. As unhas dos pés e das mãos tinham um formato de casco, o que leva a crer que esse animal locomovia-se sobre duas ou quatro patas.
Quando erguia-se sobre as patas trazeira, alcançava uma altura considerável, o que lhe servia de vantagem na luta com os adversários. Existiram diversas expécies de Iguanodonte, sendo as três mais importantes: Iguanodon mantelli (o primeiro dinossauro a ser encontrado); Iguanodon bernissartensis e Iguanodon artherfieldensis (as duas ultimas foram encontradas em uma mina da Bélgica). Foram encontrados restos de Iguanodon em quase toda parte do mundo. Foram um tipo de dinossauro expetacularmente próspero e foram encontrados restos dele em diversos países, como Inglaterra, Alemanha, Espanha, Bélgica, China e América do Norte.

Dados do Dinossauro:
Nome: Iguanodonte
Nome Científico: Iguanodon mantelli, Iguanodon bernissartensis e Iguanodon artherfieldensis
Época em que Viveu: Início do Cretáceo, de 132 a 100 milhões de anos atrás
Peso: Cerca de 5 toneladas
Tamanho: Até 10 metros de comprimento e 5 metros de altura
Alimentação: Herbívora
Indosuchus
    O Indosuchus cujo nome significa " crocodilo indiano" viveu há aproximadamente 80 milhões de anos atrás durante o período Cretáceo na Índia, suas mandíbulas eram um pouco alongadas, se assemelhando as dos crocodilos e outros grandes predadores da época como o Barionix, Espinossauro e o Suchomimo porém era um pouco menor que esses últimos igualando em tamanho e peso com o Barionix, demonstrando que seus hábitos predatórios poderiam ser similares aos outros dinossauros citados, estando sempre próximo da água.

Dados do Dinossauro:
Nome: Indosuchus
Nome Científico: Indosuchus raptorius
Época: Cretáceo
Local onde viveu: Ásia
Peso: Cerca de 1 tonelada
Tamanho: 6 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Indricotherium
 

    O Indricotherium cujo nome significa " Besta de Indrik " (Indrik é um animal mitológico) foi um dos maiores mamíferos terrestres que já existiu, viveu há aproximadamente 30 milhões de anos atrás durante o Oligoceno na Ásia, sendo um ancestral dos atuais rinocerontes ele chegava a pesar mais de 17 toneladas e medir pouco mais de 5,5 metros de altura e 6 de comprimento, sendo um pouco mais leve que o seu primo próximo também ancestral dos rinocerontes o Paraceratherium e já foi considerado o mais pesado dos mamíferos terrestres.
   Os Hábitos do Indricotherium lembrariam o da girafa, comendo folhagens á 7 metros de altura onde outros animais menores não alcançariam e com certeza eles preencheram o nicho ecológico deixado pelos dinossauros. Os Indricotherium adultos não teriam inimigos naturais.
Dados do Mamífero:
Nome: Indricotherium
Nome Científico: Indricotherium asiaticum, Indricotherium parvum
Época: Oligoceno
Local onde viveu: Ásia
Peso: Cerca de 17 toneladas
Tamanho: 5,5 metros de altura e 8 de comprimento
Alimentação: Herbívora
Irritator
    O Irritator cujo nome significa " irritante " viveu há aproximadamente 110 milhões de anos atrás durante o período Cretáceo no Brasil, nas regiões próximas da Chapada do Araripe, no Ceará, sendo um dinossauro de porte médio que se alimentava de peixes. Foi classificado como uma forma brasileira do grupo Spinosauridae, muito encontrado na África.
    Tinha o crânio comprido e achatado lateralmente, e, ao contrário da maioria dos carnívoros, possuía as narinas na parte de trás da cabeça, em frente aos olhos. Como seus restos fósseis são bem escassos e somente uma parte do crânio foi encontrada, suas reconstruções são baseadas em outros espinossaurídeos como o Barionix, o Suchomimo e o Espinossauro, e devido a semelhanças com o Angaturama na estrutura corporal, no local  e na época onde foi encontrado, tem-se estudado a hipótese de serem parentes próximos ou então da mesma espécie.

Dados do Dinossauro:
Nome: Irritator
Nome Científico: Irritator challengeri
Época: Cretáceo
Local onde viveu: Brasil
Peso: Cerca de 2 toneladas
Tamanho: 8 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Jobaria
 
    Este enorme dinossauro possuía 21 metros de comprimento, 4,6 metros de altura nos quadris e um peso aproximado de 18 toneladas. Este enorme saurópode comedor de plantas dominou em sua época há aproximadamente 135 milhões de anos atrás durante o período Cretáceo na África.
    O dinossauro, nomeado de Jobaria tiguidensis, Jobaria se refere a “Jobar,” uma criatura das lendas dos nômades Tuaregs da Nigéria onde foram encontrados os ossos expostos, tiguidensis se refere a um precipício perto dos locais de escavação. Um time conduzido por Paul Sereno da Universidade de Chicago recuperou 95 por cento de um Jobaria adulto.
Dados do Dinossauro:
Nome: Jobaria
Nome Científico: Jobaria tiguidensis
Época: Cretáceo
Local onde viveu: África
Peso: Cerca de 18 toneladas
Tamanho: 21 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Kentrossauro
    O Kentrossauro cujo nome significa "lagarto de espigas", viveu no Jurássico Superior, na Tanzânia, África. É um estegossaurídeo, e como todos os da sua família possui placas ósseas nas costas. Mas esse possuí algo diferente: Na metade das costas acabam-se as placas e começam esporos. Como o Estegossauro, ele também tinha um cérebro muito pequeno.

Dados do Dinossauro:
Nome: Kentrossauro
Nome Científico: Kentrosaurus aethiopicus
Época: Fim do Jurásico
Local onde viveu: Na Tanzânia, sul da África
Peso Cerca de 500 quilos
Tamanho: Cerca de 5 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Kolopsis
 
    O Kolopsis era um marsupial que viveu há aproximadamente 10 milhões de anos atrás durante o Mioceno na Austrália, era do tamanho de uma anta e porém com parentescos próximos dos atuais vombates e koalas. Habitava florestas próximas a rios e lagos, onde passava boa parte do tempo. Entre seus predadores se encontravam enormes crocodilos e marsupiais carnívoros ( thylacinos ). Acredita-se que sua extinção foi causada pela falta de plantas e comida, quando seu ambiente começou a mudar e que levou a extinção diversas espécies semelhantes ao Kolopsis.
Dados do Mamífero:
Nome: Kolopsis
Nome Científico: Kolopsis torus
Época: Mioceno
Local em que viveu: Austrália
Peso: Cerca de 250 quilos
Tamanho:  1 metro de altura e 1,5 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Koolasuchus
            
 O Koolasuchus era um grande anfíbio de um grupo antigo conhecido como temnospondyls. Como um anfíbio grande típico, o Koolasuchus era capaz de rastejar em terra, mas se sentia mais em casa na água. Possuía mais de 5 metros de comprimento e era equipado com um crânio volumoso; era um carnívoro poderoso capaz de comer crustáceos, peixes, tartarugas e até mesmo dinossauros pequenos como um jovem de Leaellynasaura. É provável que ele podia descobrir as vibrações das presas na água.
Temnospondyls era o grupo de anfíbios grandes que prosperou por mais de 100 milhões de anos. Porém, durante o tempo dos dinossauros, os crocodilos venceram a competição com os temnospondyls. Em 1989 pensava-se que o temnospondyls tinha desaparecido uns 100 milhões de anos antes do término do período Triássico.
Porém, o achado de Koolasuchus mudou tudo aquilo. Em 1989 duas mandíbulas grandes, com 80 centímetros de comprimento cada, foi escavado em pedras do Cretácio próximo de San Remo, Victoria, Austrália. Somente quando as mandíbulas foram removidas da pedra é que a magnitude do achado foi percebida.
O Koolasuchus era um " fóssil  vivente ", um sobrevivente de um tempo distante no passado.
Poderia ter sobrevivido bem em ambientes severos como as regiões antárticas do hemisfério Meridional, pois estava muito frio para crocodilos. Isto teria permitido à sobrevivência em um ambiente tão ostil..
Dados do Anfíbio:
Nome: Koolasuchus
Peso: Aproximadamente 500 quilos
Época: Cretáceo
Local em que Viveu: Austrália
Tamanho: 5 metros de comprimento.
Alimentação: Carnívora
Kronossauro
 
    O Kronossauro era um réptil marinho que aterrorizavam os mares do período Cretáceo, com sua enorme boca de quase 2 metros de comprimento, especializada em pegar presas grandes, em seu cardápio constavam peixes, lulas, grandes moluscos, tubarões, ictiossauros, tartarugas marinhas, mosassauros e até outros plesiossauros. Os Kronossauros viviam em alto-mar, e só aproximavam da costa para pôr ovos ( como as tartarugas marinhas fazem atualmente ), possuíam quatro potentes nadadeiras, as quais utilizavam para nadar com extrema agilidade e rapidez, só respeitando predadores maiores que eles, como por exemplo outros plesiossauros e alguns tubarões. Sua pequena cauda supõe-se que serviria apenas como leme, auxiliando em mudanças rápidas de direção e outras manobras. Tornavam-se presas fáceis na época da desova em que deveriam sair da água e rastejar nas praias em pleno período Cretáceo ( auge dos dinossauros ), onde enormes carnossauros estariam a espreita para obter uma ótima refeição.

Dados do Plesiossauro:
Nome: Kronossauro
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 25 toneladas
Tamanho: 11 metros de comprimento
Alimentação: Carnívoro
Lambeossauro
      O nome Lambeossauro é em homenagem  a um paleontólogo e significa " Lagarto de Lambe´s ", ele pertencia ao grupo dos hadrossauros, dinossauros que possuía um bico semelhante ao das aves, por isso o nome significa lagarto com bico de pato, andavam em manadas para aumentar a proteção individual, era do tipo lambeossauríneo que surgiu no jurássico com crista arredondada.
      O Lambeossauro era um dos maiores da família a qual pertencia. Foi encontrado em Alberta, Canadá, em 1923.
Dados do Dinossauro:
Nome: Lambeossauro
Nome Científico: Lambeosaurus lambei
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 8 toneladas
Tamanho: 15 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Leaelinassaura
Seu nome foi dado em homenagem à filha do paleontólogo que o encontrou. Viveu no Cretáceo Inferior, no sul da Austrália, quando esta ainda estava unida à Antártida. Foi encontrado em um lugar chamado "Dinosaur Cove", a Gruta dos Dinossauros. O Leaelinassaura era um pequeno herbívoro bípede. Viveu em um clima polar do sul da Austrália e Antártida. No início do Cretáceo esta parte de Austrália, embora fosse arborizada era extremamente fria, ficando sem sol visível por quatro meses do ano.
Tudo leva a crer que o Leaelinassaura tinha uma visão exepcionalmente apurada, tanto que conseguia enxergar no escuro. Era parente do Hipsilofodonte, e como ele, tinha ambos os tipos de dentes. Tinha também um cérebro grande, por isso era muito inteligente.

Dados do Dinossauro:
Nome: Leaelinassaura
Nome Científico: Leaellynasaura sp
Época em que Viveu: Início do Cretáceo, na Austrália
Tamanho: De 2 a 3 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Leão Americano
    O Leão Americano era maior que o leão atual  medindo mais de 2 metros de comprimento, mas deve pertencer a mesma espécie dos leões atuais. Vivia nas planícies da América do norte e da América do Sul há aproximadamente 12 mil anos atrás, juntamente com mamutes, rinocerontes lanutos, bois almiscarados e Tigres Dentes de Sabre os quais deveriam disputar territórios e caças.
Dados do Mamífero:
Nome: Leão Americano
Nome Científico: Panthera atrox
Época: Pleistoceno
Local em que Viveu: Américas do Norte e do Sul
Peso: Cerca de 260 quilos
Tamanho: 2,6 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Leão das Carvernas 
    O Leão das Cavernas surgiu há aproximadamente 15 mil anos atrás, na Ásia e na Europa, era um pouco maior que os atuais leões, porém deveriam ser animais solitários ao contrário dos leões atuais como os tigres, viveram durante o Pleistoceno disputando caça, territórios e cavernas com os Humanos, os quais deveriam ser seus principais adversários e talvez a causa que os levou a extinção. Acredita-se que os Leões das Cavernas não possuíssem jubas.
Dados do Mamífero:
Nome: Leão das Cavernas
Nome Científico: Panthera spelaea
Época: Pleistoceno
Local em que Viveu: Ásia e Europa
Peso: Cerca de 300 quilos
Tamanho: 3 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Leão Marsupial
    O Leão Marsupial era um enorme predador que viveu há aproximadamente 40 mil anos atrás durante o Pleistoceno na Austrália, é um dos maiores predadores australianos que já existiu, sua aparência não lembra muito a de um leão porém sua força e agressividade eram muito parecidas. O Leão Marsupial era extremamente forte e robusto, o que tornava meio lento e próprio para caçar presas grandes como os enormes marsupiais australianos de sua época, como cangurus e vombates. Possuía dentes incisivos bem especializados para rasgar carne, diferenciando dos mamíferos os quais apresentam os caninos desenvolvidos para essa função.
Dados do Marsupial:
Nome: Leão Marsupial
Nome Científico: Thylacoleo carnifex
Época: Pleistoceno
Local em que viveu: Austrália
Peso: Cerca de 160 quilos
Tamanho: 2 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Leedsichthys
   O Leedsichthys é um peixe gigantesco que viveu há aproximadamente 160 milhões de anos atrás durante o período Jurassico, tinham mais de 40.000 dentes, no entanto estes gigantes eram inofensiveis para a grande maioria das espécies de animais marinhos, pois seus dentes eram usados para filtrar pequenos animais aquáticos como camarões, águas vivas pequenos peixes e kril, similar a estilo de vida das baleias azuis atuais.
Esta é provavelmente a maior espécie de peixe que já viveu no planeta, nadavam calmamente enormes distâncias procurando locais dos oceanos que apresentassem acumulos sazonais de alimento, em pequenos grupos e próximos a superfície, onde encontravam com maior frequencia seus principais alimentos, com as imensas bocas abertas filtrando enormes quantidades de água.
Animais adultos e saudáveis, possuiam poucos inimigos naturais, como por exemplo o gigantesco Liopleurodonte, porém os animais jovens, velhos e doentes, eram caçados por diversas espécies de tubarões e répteis marinhos, como os Metriorhynchus e os Hybodus.

Nome: Leedsichthys
Nome Científico: Leedsichthys problematicus
Época: Jurássico
Local em que viveu: Oceano Atlântico
Peso: Cerca de 80 toneladas
Tamanho: 27 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Actinopterygii
Ordem: Pachycormiformes
Família: Pachycormidae
Género: Leedsichthys
Espécie: Leedsichthyis problematicusLêmure Gigante
    O Lêmure Gigante era um enorme primata que viveu há 2000 anos atrás durante o Holoceno em Madagascar na África, seus dedos eram longos, o que o tornava um bom escalador de árvores, porém eram ruins para caminhar no solo tornando-o desajeitado no mesmo. O Lêmure Gigante era do tamanho de um gorila, sendo mais similar aos atuais Orogotangos comendo folhas no alto das árvores, seus olhos era na lateral da cabeça, seu focinho era longo, seus caninos eram grandes e sua extinção coincide com a chegada do Homem em sua ilha (Madagascar), não se tem provas que possam concluir que o homem extinguiu essa espécie diretamente, porém além de caçá-los os homens alteraram seu habitat, tornando difícil a sobrevivência dessa enorme espécie, que se viu obrigada a se adaptar e migrar para outros lugares, porém esse contato foi suficiente para a extinção dessa espécie.
Dados do Mamífero:
Nome: Lêmure Gigante
Nome Científico: Megaladapis edwardsi
Época: Holoceno
Local onde viveu: Madagascar
Peso: Cerca de 230 quilos
Tamanho: 2 metros de altura
Alimentação: Herbívora
Leptocerátops
    É o protoceratopídeo mais primitivo que se tem notícia.
    Ao contrário dos outros ceratopsídeos, o Leptocerátops não tem uma crista rudimentar ao redor do pescoço. A cabeça do Leptocerátops é desproporcionalmente grande se comparada ao resto do corpo.
    Embora descrito como sendo ao menos parcialmente bípede, o paleontologista Dale Russel o reconstituiu como um animal quadrúpede. Para isso ele raciocinou que o peso do corpo para a frente do pelvis, as mãos largas e o fêmur reto eram adptações para um estilo de vida quatro-patas.
    O espécime original do Leptocerátops foi coletado por um famoso caçador de dinossauros, Barnum Brow do Museu Americano de História Natural, durante uma expedição para a formação de Edmonton (agora Scollard) no "Red Deer River" (Rio dos Cervos Vermelhos) em Alberta, EUA, no ano de 1910. Ele recuperou apenas alguns fragmentos, incluindo material incompleto do crânio. Depois, novas expedições trouxeram espécimes melhores, incluindo um esqueleto articulado quase completo descoberto por Cherles M. Slerberg, em 1947.

Dados do Dinossauro:
Nome: Leptocerátops
Nome Científico: Leptoceratops gracilis
Época em que viveu: Início do Cretáceo
Alimentação: Herbívora.
Leptocerátops
    É o protoceratopídeo mais primitivo que se tem notícia.
    Ao contrário dos outros ceratopsídeos, o Leptocerátops não tem uma crista rudimentar ao redor do pescoço. A cabeça do Leptocerátops é desproporcionalmente grande se comparada ao resto do corpo.
    Embora descrito como sendo ao menos parcialmente bípede, o paleontologista Dale Russel o reconstituiu como um animal quadrúpede. Para isso ele raciocinou que o peso do corpo para a frente do pelvis, as mãos largas e o fêmur reto eram adptações para um estilo de vida quatro-patas.
    O espécime original do Leptocerátops foi coletado por um famoso caçador de dinossauros, Barnum Brow do Museu Americano de História Natural, durante uma expedição para a formação de Edmonton (agora Scollard) no "Red Deer River" (Rio dos Cervos Vermelhos) em Alberta, EUA, no ano de 1910. Ele recuperou apenas alguns fragmentos, incluindo material incompleto do crânio. Depois, novas expedições trouxeram espécimes melhores, incluindo um esqueleto articulado quase completo descoberto por Cherles M. Slerberg, em 1947.

Dados do Dinossauro:
Nome: Leptocerátops
Nome Científico: Leptoceratops gracilis
Época em que viveu: Início do Cretáceo
Alimentação: Herbívora.
Lexovissauro
 
    O Lexovissauro cujo nome significa " Lagarto de Lexovix ", viveu na Inglaterra e o no norte da França no período Jurássico há aproximadamente 150 milhões de anos atrás.O Lexovissauro chegava a medir aproximadamente 6 metros de comprimento e podia pesar 2 toneladas. Lexovissauro foi um dos primeiros estegossauros que foram descobertos. A armadura deles era uma seleção de espinhos apontados que corriam desde seu pescoço até a sua cauda. Quando o este animal estava em perigo, curvava a cabeça para baixo, protegendo-a com sua nuca repleta de espinhos e ao mesmo tempo aplicava fortes golpes laterais com a sua cauda.

Dados do Dinossauro:
Nome: Lexovissauro
Nome Científico: Lexovisaurus durobrivensis
Época: Jurássico
Local onde viveu: Europa
Peso: Cerca de 2 toneladas
Tamanho: 6 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Liliensternus
    O Liliensternus , cujo o nome significa " lagarto de Hugo Von Rüle Lilienstern " viveu na França e na Alemanha durante o período Triássico há aproximadamente 210 milhões de anos atrás, este animal chegava a medir 7 metros de comprimento e 4 metros de altura pesando aproximadamente 400 quilos.O Liliensternus tinha as patas traseiras compridas e o crânio pontiagudo repleto de dentes afiados; tinha garras desenvolvidas para fechar quando eram flexionadas, agarrando a presa. Era um dinossauro bípede, projetado para correr. Deveria ter um faro muito bom; os olhos também eram grandes, o que possibilitava uma vista lateral ampla e poderiam localizar facilmente suas presas. Graças a sua cauda poderia se mover ereto e manter o equilíbrio.


Dados do Dinossauro:
Nome: Liliensternus
Nome Científico: Liliensternus liliensterni
Época: Triássico
Local onde viveu: Europa
Peso: Cerca de 400 quilos
Tamanho: 7 metros de comprimento e 4 metros de altura
Alimentação: Carnívora
Liopleurodonte
    Era definitivamente "O Terror dos mares", pois é o maior carnívoro conhecido que já existiu na Terra. Tinha quatro nadadeiras grandes que o tornava um nadador poderoso. Possuía uma boca enorme com 3 metros de comprimento e dentes que se assemelhavam à presas de elefante.
    O Liopleurodonte era um animal extremamente territorial, que comeria qualquer coisa que se movimenta-se; mas até mesmo esses gigantes marinhos tinham seus dias de caça, pois muitos desses animais, em suas travessias marítimas acabavam encalhando em praias e servindo de alimento para os carnívoros carniceiros terrestres da época. Recentes estudos no crânio de um Liopleurodonte mostraram que ele possuía um sentido direcionado de olfato, duas câmaras distintas no nariz agiam como um par de orelhas indicando com precisão a fonte de um odor, sendo isto um sistema sofisticado de rastreamento.
    Fósseis de Liopleurodonte são relativamente comuns e bem preservados em vários depósitos marinhos ao longo da Europa. São também preservados os restos de ataques de Liopleurodonte em registros fósseis, como Ictiossauros meio-comidos e marcas de dentes em plesiossauros mostrando evidências claras da voracidade desses animais.
   Os Liopleurodontes pertenciam ao grupo dos pliossauros, que por sua vez eram um grupo de plesiossauros, que são um grupo de répteis que voltaram ao mar. Os Plesiossauros apareceram no período jurássico que rapidamente se dividiu em dois grupos principais: Cryptoclidus, e  Pliossauros como Liopleurodonte.

Dados do Animal:
Nome: Liopleurodonte
Nome Científico: Liopleurodon ferox
Época: Jurássico
Local onde viveu: Oceano Atlântico
Peso: Cerca de 150 toneladas
Tamanho: 25 metros de comprimento
Alimentação: Carnívoro

Lobo Terrível
 
    O Lobo Terrível ou Lobo Medonho vem do inglês " Dire wolf " e foi chamado assim pelo seu tamanho gigantesco para um canídeo, ou seja, para um animal pertencente a família dos cães, viveu desde 150 mil anos atrás até 10 mil anos atrás nas Américas do Sul e do Norte, coincidindo com a chegada do homem nesses ambientes, o qual extinguiu as presas que o Lobo Terrível caçava como enormes preguiças, servos, camelos entre outros, causando a extinção do mesmo. O Lobo Terrível provavelmente surgiu na América do Sul, migrando posteriormente para a América do Norte, onde teve de enfrentar enorme concorrência com outros carnívoros de grande porte como leões, tigres dentes de sabre e ursos, os quais obteriam vantagens por andarem em matilhas socialmente organizadas como fazem os lobos atuais.
Dados do Mamífero:
Nome: Lobo Terrível
Nome Científico: Canis dirus
Época: Pleistoceno
Local onde Viveu: América do Sul e América do Norte
Peso: Cerca de 120 quilos
Tamanho: 1,7 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Machairodus
    O Machairodus era um dente de sabre que viveu há aproximadamente 10 milhões de anos atrás durante o período Mioceno na África, Europa, Ásia e América do Norte, foram encontradas diversas espécies de Machairodus, variando muito em tamanhos e habitats. Acredita-se que o Machairodus é o ancestral de diversos tipos de felinos dentes de sabre que viriam a surgir posteriormente durante o período Pleistoceno. Provavelmente caçavam em grupos, nos quais os machos lutavam pela liderança de um grupo de fêmeas, como os leões hoje em dia.

Dados do Mamífero:
Nome: Machairodus
Nome Científico: Machairodus giganteus, Machairodus africanus, Machairodus aphanistus, Machairodus oradensis, Machairodus colorandensis
Época: Mioceno
Local onde viveu: África, Europa, Ásia e América Norte
Peso:  Cerca de 160kg
Tamanho: 1,8 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Macrauchenia
      
    O Macrauchenia cujo nome significa " Grande Lhama " viveu há 200 mil anos atrás, era muito semelhante aos atuais dromedários, porém possuía uma pequena tromba semelhante a dos elefantes, vivia em pequenos grupos pastando nas planícies sul-americanas, utilizando sua pequena tromba para desfolhar árvores e arbustos. Provavelmente o Macrauchenia é pertencente há um grupo de mamíferos extintos chamados litopterns que só foram encontrados na América do Sul.
Dados do Mamífero:
Nome: Macrauchenia
Época: Pleistoceno
Local onde viveu: América do Sul
Peso: Cerca de 200 quilos
Tamanho: 2,6 metros de altura
Alimentação: Herbívora
Maiassaura
Em 1778, foram descobertos em Montana, nos EUA, ninhos de uma espécie nova de Hadrossauro, o Maiassaura, "lagarto boa-mãe". Esse Hadrossauro, que tinha uma pequena elevação óssea entre os olhos, cuidava de sua cria como uma verdadeira mãe dedicada. Ela cavava um buraco não muito profundo na terra, forrava-o com plantas e depositava seus ovos.
Tratava-se de uma descoberta sensacional, pois forneceu surpeendentes revelações sobre o comportamento social, tanto dos Hadrossauros como também de outros dinossauros que viveram nesta região no fim do período Cretáceo.
Devido a grande quantidade de pequenos ossos encontrados pelos cientistas, é provavel que os filhotes tenham permanecido no ninho à espera de alimento. Talvez a mãe tenha sido morta enquanto procurava alimento e os filhotes indefezos, que esperavam pacientemente pelo seu retorno, acabarem morrendo de fome.
Descobriu-se que um filhote de Maiassaura teria em torno de 46 centímetos de comprimento, o mesmo que um um gato doméstico. Teriam de crescer rápido, caso contrário seriam facilmente pegos por predadores.
O Maiassaura comportava-se como os pássaros, pois ia todos os anos para a mesma região a fim de botar seus ovos e cuidar da cria.

Dados do Dinossauro:
Nome: Maiassaura
Nome Científico: Maiasaura peeblesorum
Época em que Viveu: Fim do Cretáceo, por volta de 66 milhões de anos atrás
Peso: Cerca de 4 toneladas
Tamanho: 9 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Majungatolo
    O Majungatolo foi um grande dinossauro carnívoro terópode que viveu há aproximadamente 70 milhões de anos atrás durante o período Cretáceo em Madagascar e Egito, era muito parecido com o Carnotauro, o que intriga seus descobridores, seria apenas convergência adaptativa ou teriam algum parentesco próximo. Sendo assim questiona-se a separação dos continentes Africano e Sul americano de "uma só vez", mantendo ainda uma ponte de terra entre os dois continentes, a qual seria formada pela Antártida. O Majungatolo era um predador de grande porte, por isso caçava animais grandes em pequenos grupos familiares ou sozinhos, por não ser muito pesado podia ser bem ágil e veloz, que juntando com sua agressividade o tornavam um matador nato.

Dados do Dinossauro:
Nome: Majungatolo
Nome Científico: Majungatholus atopus
Época: Cretáceo
Local onde viveu: África
Peso: Cerca de 4 toneladas
Tamanho: 9 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Mamenchissauro
    O Mamemchissauro cujo nome significa " lagarto de Mamenchi ", que lembra o local onde foi encontrado, era um saurópode enorme e possuía um dos maiores pescoços conhecidos, chegava a ter quase 15 metros de comprimento, porém seu rabo era curto não o tornando no geral "muito" comprido, conhece-se duas espécies principais de Mamenchissauro: Mamenchisaurus constructus, Mamenchisaurus hochuanensis.
    Eles viveram durante o período Jurássico, na Ásia há aproximadamente 160 milhões de anos atrás. Nessa mesma época os dinossauros estavam atingindo proporções enormes e os saurópodes começavam a tingir seu alge.

Dados do Dinossauro:
Nome: Mamenchissauro
Nome Científico: Mamenchisaurus constructus e Mamenchisaurus hochuanensis
Época: Jurássico
Local onde viveu: Ásia
Peso: Cerca de 30 toneladas
Tamanho: 23 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Mamute
     Os Mamutes eram parentes dos atuais elefantes, ou seja, pertencentes ao grupo dos proboscídeos ou elefantídeos, eram coberto de pelos, e existem teorias que dizem que eles foram caçados pelos humanos que moravam nas cavernas. Eles vivia nos frios climas setentrionais da América do Norte e Rússia e se extinguiram há 12 mil anos atrás. Existiam várias espécies de mamutes essa era o Mammuthus trogontherii que deu nome ao grupo, mas também existiam o Mamute Lanudo, o Mamute Imperial que foi o maior de todos os proboscídeos entre outros.
Dados do Mamífero:
Nome: Mamute
Nome Científico: Mammuthus trogontherii
Época: Pleistoceno
Local onde Viveu: América do Norte e norte da Ásia ( Rússia )
Peso: 13 toneladas
Tamanho: 4 metros de altura
Alimentação: Herbívora
Mamute anão
     O Mamute anão era parentes dos atuais elefantes, mas não era seu ancestral, eles eram adaptações ao meio dos enormes Mamutes, que quando se encontravam exilados em pequenas ilhas eram obrigados a se tornar menores ou morrerem, existiram diversas espécies de Mamutes anões, essa era a Mammuthus exilis que viveu 12 mil anos atrás na Califórnia ( EUA ) durante o Pleistoceno, mas a última espécie de mamute a existir no planeta foi uma das espécies de Mamutes anões que viveram em ilhas congeladas ao norte da Sibéria e só foram extintas há 4 mil anos Antes de Cristo. Com a chegada de eras glaciais grande parte dos oceanos ficam congelados, assim os animais não conseguem diferenciar terra de água, atravessando mares (como aconteceu as travessias da Ásia para a América do Norte) e com fim de eras glaciais o gelo volta a derreter e os animais que atravessaram grandes porções de água não conseguem mais retornar, em pequenas ilhas não há alimento suficiente para manter um enorme bando de Mamutes, então muitos morrem e outros sobrevivem adaptando-se ao meio e assim muitas espécies de Mamutes acabaram se tornando " anões ".
Dados do Mamífero:
Nome: Mamute anão
Nome Científico: Mammuthus exilis
Época: Pleistoceno
Local onde Viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 600 quilos
Tamanho: 1,8 metros de altura
Alimentação: Herbívora
Mamute Columbino
     O Mamute Columbino conhecido também como Mamute Americano é uma espécie de mamute sem pelos, que se originou da adaptação do Mamute meridional a climas temperados e tropicais perdendo sua grossa pelagem, eles eram parentes dos atuais elefantes, ou seja, pertencentes ao grupo dos proboscídeos ou elefantídeos, porém não eram ancestrais do mesmo e existem teorias que dizem que eles foram caçados pelos humanos que moravam nas cavernas. O Mamute Columbino podia viver de 60 á 80 anos, como demonstra os vários achados fósseis desse animal.
Nome: Mamute Columbino
Nome Científico: Mammuthus columbi
Época: Pleistoceno
Local onde Viveu: América Central e América do Norte
Peso: 10 toneladas
Tamanho: 4,2 metros de altura
Alimentação: Herbívora
Mamute Imperial
     Os Mamutes Imperiais eram os maiores dos pertencentes ao grupo dos Mamutes que por sua vez eram parentes dos atuais elefantes, ou seja, pertencentes ao grupo dos proboscídeos ou elefantídeos, eram coberto de pelos, e existem teorias que dizem que eles foram caçados pelos humanos que moravam nas cavernas. Eles viviam nos frios climas setentrionais da América do Norte e Rússia e se extinguiram há 12 mil anos atrás, por não viver em regiões de frio extremo seus pelos não tão volumosos se comparados aos do Mamute lanudo. Existiam várias espécies de mamutes essa era o Mammuthus imperator,  mas também existiam o Mamute que deu nome ao grupo, o Mamute lanudo entre outros.
Nome: Mamute Imperial
Nome Científico: Mammuthus imperator
Época: Pleistoceno
Local onde Viveu: América do Norte e norte da Ásia ( Rússia )
Peso: 18 toneladas
Tamanho: Cerca de 5 metros de altura
Alimentação: Herbívora
Mamute Lanudo

     O Mamute lanudo cujo nome se origina de sua grande camada de pelos que os protegiam das baixas temperaturas polares. Viveu há aproximadamente 12 mil anos atrás no final do Pleistoceno no Norte da Rússia, na região Siberiana e durante a última era glacial, quando se formou a ponte de terra entre a Ásia e a América do Norte, eles migraram para a América do Norte, porém se mantinham sempre próximos de regiões geladas, migrando apenas para regiões um pouco mais quentes durante os rígidos invernos.
     Foram umas das espécies de mamutes mais abundantes, pois seus achados fósseis são bem numerosos, incluíndo até individuos congelados muito bem preservados, os quais geraram esperanças de se encontrar DNA´s intactos, possibilitando-se assim a clonagem e eventual retorno dessa espécie. Se alimentavam de vegetações presentes nos frios climas setentrionais, como as tundras e estepes, os quais eram compostos por vegetações rasteiras e com pouca quantidade de árvores.
     Seus corpos eram fortes e compactos, com orelhas pequenas e uma grossa camada de pelos longos, que juntamente com suas longas presas curvas, os tornavam bem adaptados a enfrentar os climas frios próximos aos pólos. Os Mamutes lanudos eram apenas uma das várias espécies de mamutes que existiam, acredita-se que os Mamutes lanudos eram descendentes dos Mamutes ancestrais, os quais sofreram adaptações aos climas frios siberianos.
     Existem várias teorias para sua extinção, porém as mais aceitas são as de que os mamutes lanudos foram caçados pelos homens até a extinção, pois os mamutes poderiam fornecer grandes quantidades de carne, gordura e pelos, além das presas que eram utilizadas para a fabricação de diversos utensílios. Porém outros fatores podem ter ajudado a levar a extinção completa dessa espécie, como por exemplo mudanças climáticas, pois a era glacial já estava chegando ao seu término, e também doenças que os homens e seus animais "domésticos" poderiam transmitir devido a suas longas migrações.

Dados do Mamífero:
Nome: Mamute Lanudo
Nome Científico: Mammuthus primigenius
Época: Pleistoceno
Local onde viveu: América do Norte e Rússia
Peso: Cerca de 8 toneladas
Tamanho: 3,3 metros de altura
Alimentação: Herbívora
Mamute Meridional
     O Mamute meridional também chamado de Mamute ancestral, migrou da Ásia para a América do Norte há 1,7 milhões de anos atrás durante o Pleistoceno, continuou as suas peregrinações e ao ir mais para o sul adaptando-se ao clima evoluiu para oMamute columbino, como todo mamute comia gramas, folhas e outras folhagens, tudo em enormes quantidades para manter seu enorme corpanzil de quase 10 toneladas.
Dados do Mamífero:
Nome: Mamute Meridional
Nome Científico: Mammuthus meridionalis
Época: Pleistoceno
Local onde Viveu: América do Norte e norte da Ásia ( Rússia )
Peso: Cerca de 10 toneladas
Tamanho: 4 metros de altura
Alimentação: HerbívoraMassospondylus
 
    O Massospondylus cujo nome significa " Vértebras maciças " possuía uma cabeça pequena, com um pescoço e da cauda muito longos, este foi um dos primeiros dinossauros herbívoros a surgir no planeta. Erguido nas patas traseiras, ele alcançava galhos bem altos.Os pequenos dentes deste dinossauro eram úteis para arrancar folhas, mas não para mastigar. Na descoberta dos primeiros fósseis do animal, alguns pedregulhos foram encontrados na região do abdômen. Isso supõem que o MassospondyIus engolia pedras que, entrando em atrito com o alimento dentro do estômago, ajudavam o animal a fazer a digestão.
    Para sua defesa, o MassospondyIus possuía nas quatro patas um enorme dedo polegar, dotado de garra pontiaguda. Junto com o segundo e o terceiro dedos, o polegar também servia para agarrar. Os outros dois dedos eram frágeis e pequenos. Viveu há aproximadamente 200 milhões de anos atrás durante o período Jurássico.
Dados do Dinossauro:
Nome: MassospondyIus
Época: Jurássico
Local em que viveu: África e América do Norte
Peso: Cerca de 5 toneladas
Tamanho: 4 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Mastodonte Americano
    O Mastodonte Americano viveu na América do Norte durante o Pleistoceno, juntamente com seus parentes não distantes os mamutes e os elefantes. Os Mastodontes machos mediam 3 metros, na altura do dorso, já as fêmeas eram um pouco menores. Comiam vegetação  macia como folhas e ramos nos campos e florestas norte americanos.
Dados do Mamífero:
Nome: Mastodonte americano
Nome Científico: Mammut americanum
Época: Pleistoceno
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 7 toneladas
Tamamnho: 3 metros de altura
Alimentação: Herbívora
Mastodonte da Planície
    O Mastodonte da Planície viveu na América do Sul há 3 milhões de anos atrás durante o Plioceno, descendendo dos mastodontes que vieram da América do Norte quando se formou a ponte de terra entre as Américas. Os Mastodontes machos mediam 3 metros, na altura do dorso, já as fêmeas eram um pouco menores. Comiam vegetação  macia como folhas e ramos nos campos e florestas sul americanos. Os Mastodontes das Planícies são um dos maiores mamíferos que habitaram a América do Sul.
Dados do Mamífero:
Nome: Mastodonte da Planície
Nome Científico: Cuvieronius humboldtii
Época: Plioceno
Local onde viveu: América do Sul
Peso: Cerca de 7 toneladas
Tamamnho: 3 metros de altura
Alimentação: Herbívora
Megalania
    O Megalania cujo nome significa " Grande e Antigo" era um gigantesco lagarto monitor que viveu há aproximadamente 1,6 milhões de anos atrás até 30 mil anos atrás durante o Pleistoceno na Austrália ( Queensland, onde foi descoberto por Owen em 1860 ), era muito parecido com os atuais Dragões de Komodo, apresentando o mesmo modo de vida, alimentação, acasalamento, porém atingia tamanhos muito superiores aos mesmos, chegando a atingir 8 metros da cabeça até a cauda. O Megalania podia caçar ou comer carne putrefata ( carniça ), dos enormes marsupiais que existiam em sua época, além de cobras, outros répteis e pássaros, engolindo até os ossos dos animais e depois disso podendo ficar quase um ano sem precisar se alimentar novamente.
    
Dados do Réptil:
Nome: Megalania
Nome Científico: Megalania prisca
Época: Pleistoceno
Local onde viveu: Austrália
Peso: Cerca de 700 quilos
Tamanho: 8 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora


Reino: Animalia
Filo: Chordata
Sub-Filo: Vertebrata
Super-Classe: Tetrapoda
Classe: Reptilia
Sub-Classe: Diapsida
Infra-Classe: Lepidosauria
Ordem: Squamata
Super-Família: Anguinomorphoidea
Família: Varanidae
Megalodonte
    O Megalodonte cujo nome significa " dente enorme ", era um dos maiores tubarões que já existiram, que viveu há aproximadamente 20 milhões de anos atrás durante o Mioceno, esse gigantesco tubarão chegava a medir 20 metros de comprimento e pesar 4 toneladas. Provavelmente se alimentava de enormes peixes, outros tubarões e baleias que nessa época já haviam atingido tamanhos enormes. Sendo mais de três vezes maior que o atual tubarão branco, o Megalodonte possuía dentes que ultrapassavam 16 centímetros de comprimento que eram trocados constantemente durante a vida toda. Todas essas características tornam o Megalodonte o maior e o mais temido peixe que já existiu. Na imagem acima o Megalodonte ( tubarão maior ) é comparado com o atual tubarão branco ( logo acima do Megalodonte ), os quais acreditam-se serem parentes.
Dados do Tubarão Pré-Histórico:
Nome:
Megalodonte
Nome Científico: Carcharodon megalodon
Época: Mioceno
Local em que viveu: Oceano Atlântico
Peso: Cerca de 4 toneladas
Tamanho: 20 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Megalonyx
    O Megalonyx cujo nome significa " Garra gigante " era uma preguiça gigantesca que viveu há 12 mil anos atrás durante o Pleistoceno nos EUA e era do tamanho de um boi, sendo muito semelhante ao Glossotherium ( outra preguiça gigante ). Esta preguiça era um pouco mais " ágil " que seus parentes norte americanos, por possuir pernas mais longas , as quais os ajudavam a passar o dia todo comendo folhas de árvores e arbustos, em enormes quantidades, utilizando sua língua comprida para obtê-las e manejando os galhos com suas garras que eram grandes e fortes. Os Megalonyxs eram parentes dos Megatheriuns que vieram da América do Sul para a América do Norte quando emergiu uma ponte de terra entre os dois continentes no final do período Terciário. Os Megalonyxs eram criaturas pacíficas e muitos predadores pleistocênicos deviam atacá-los pela enorme quantidade de carne que elas podiam fornecer, mas com certeza eles podiam se defender muito bem no combate corpo a corpo, pois eram muito fortes e entre esses predadores estavam os Tigres dentes de sabre, os Ursos das Cavernas, Leões Americanos, lobos e o pior de todos, os quais acredita-se ter extinguido essa espécie, o Homo sapiens. Foi descoberta em 1855.
Dados do Mamífero:
Nome: Megalonyx
Nome Científico: Megalonyx jeffersonii
Época: Pleistoceno
Local onde Viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 1 tonelada
Tamanho: 1,7 metros de altura e 3 metros de comprimento.
Alimentação: Herbívora
Megalossauro
 
    O Megalossauro cujo nome significa " grande réptil " teve seus primeiros vestígios de fósseis descobertos nas minas de ardósia de Stonesfield em Oxfordshire, Inglaterra, em 1818. Desde então, mais de 25 dinossauros receberam o mesmo nome. Muitos dos grandes terópodes que não puderam ser identificados claramente receberam esse nome.
    As mandíbulas gigantescas e outros ossos deste dinossauro, achados em Stonesfield, provam que ele deve ter sido um enorme e temível predador. O Megalossauro era grande como dois rinocerontes e superava duas vezes a altura de um homem adulto. A boca continha grandes e afiados dentes curvos, em forma de serra. Sua base era rente à mandíbula, resistindo a pancadas violentas. Os pacíficos herbívoros não eram páreos para um Megalossauro com fome.
    Além das terríveis mandíbulas, ele tinha garras nas patas, usadas para furar a pele e retalhar a carne de suas presas.Existem três principais espécies de Megalossauro: Megalosaurus bucklandii, Megalosaurus hesperis, Megalosaurus cambrensis.
Dados do Dinossauro:
Nome: Megalossauro
Nome Científico: Megalosaurus bucklandii, Megalosaurus hesperis e Megalosaurus cambrensis.
Época: Jurássico
Local onde viveu: Ásia, Europa e América do Sul
Peso: Cerca de 1 tonelada
Tamanho: 9 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Meganeura
 
    O Meganeura era um inseto gigantesco muito semelhante as atuais libélulas ( do inglês Dragonfly ) que viveu há aproximadamente 300 milhões de anos atrás durante o Carbonífero nos EUA, foi um dos maiores insetos que já existiu e com certeza o maior que já voou, sua envergadura poderia atingir 80 centímetros e com certeza possuía boas habilidades de vôo, seu corpo atingia quase meio metro de comprimento. O Meganeura era um predador extremamente voraz, podia agarrar suas presas com seus 3 pares de pernas e guiá-lo até suas poderosas mandíbulas.
Dados do Inseto:
Nome: Meganeura
Nome Científico: Meganeura monyi
Época: Carbonífero
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 1 quilo
Tamanho: 80 centímetros de envergadura e 40 centímetros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Megantereon
    O Megantereon era um felino dente de sabre muito parecido com as atuais onças pintadas que viveu durante o período Pleistoceno há 1 milhão de anos atrás no norte da África, sul da Europa e Oeste da Ásia, provavelmente fosse um caçador solitário que utilizava sua camuflagem para emboscar suas presas. Eram cada vez mais frequentes os encontros dos Megantereons com os homens, os quais disputavam os mesmos territórios e as mesmas caças, mas não é preciso dizer quem levou a melhor, é só verificar quem se tornou extinto. Os Megantereons eram um pouco menores que os Tigres-Dentes-de-Sabre e os Homotheriuns.

Dados do Mamífero:
Nome: Megantereon
Nome Científico: Megantereon whitei e Megantereon cultridens
Época: Pleistoceno
Local onde viveu: África, Europa e Ásia
Peso:  Cerca de 140 quilos
Tamanho: 1,6 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Meiolania

    O Meiolania era um quelônio que viveu durante o período Pleistoceno há aproximadamente 1 milhão de anos atrás na Austrália, nas ilhas de Lord Howe, Nova Caledonia e Queensland. Foi um dos quelônios mais esquisitos que já existiram, possuía uma enorme cabeça de aproximadamente 60 centímetros de comprimento com dois enormes chifres na parte de trás da cabeça e pequenos chifres em cima da cabeça e no rabo. Acredita-se que essa família de quelônios surgiram na Antártida e posteriormente migraram para a Austrália e para a América do Sul e representantes dessa família sobreviveram até bem próximo aos dias de hoje.
Dados do Quelônio:
Nome: Meiolania
Nome Científico: Meiolania platyceps
Época: Pleistoceno
Local onde viveu: Austrália
Peso: Cerca de 1 toneladas
Tamanho: 2,5 metros de comprimento
Alimentação: Onívora
Melanorossauro
    Dinossauro sauropodomorfo primitivo conhecidos também como prossaurópode, era ancestral dos gigantescos sauropodes que viriam aparecer no Jurássico, as vezes agiam como bípedes para poder alcançar folhagens mais altas, este era o maior de todos os dinossauros no Triássico.
Dados do Dinossauro:
Nome: Melanorossauro
Peso: Cerca de 8 toneladas
Época: Triássico
Local onde Viveu: África do Sul
Tamanho: 15 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Mesonyx
    O Mesonyx que era um onívoro terrícola da ordem Condylarthra, ao qual acredita-se que tenha parentesco com as atuais baleias. O Mesonyx provavelmente começou a comer peixes e outros animais aquáticos mortos que vinham parar nas praias e nas beiras de rios e de lagos, logo o Mesonyx começou a ir buscá-los na água para os comer em terra, tempos depois já os caçava dentro d´agua e assim acredita-se que seguiu sua evolução no ambiente aquático.
Dados do Mamífero:
Nome: Mesonyx
Época: Eoceno
Local em que viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 150 quilos
Tamanho: 1 metros de altura e 1,8 de comprimento
Alimentação: Carnívora
Mesopithecus
    O Mesopithecus é um ancestral dos atuais primatas que viveu há aproximadamente 20 milhões de anos atrás durante o Mioceno na Ásia e na Europa, possuía uma longa cauda, dedos ágeis e um cérebro relativamente grande. Passava a maior parte do tempo no alto das árvores comendo folhas novas em pequenos grupos familiares. Seu esqueleto já era bem parecido com o de alguns primatas atuais.
Dados do Mamífero:
Nome: Mesopithecus Miacid
    O Miacid surgiu logo após a extinção dos dinossauros há aproximadamente 56 milhões de anos atrás, foi um dos primeiros representantes da grande Ordem dos Carnivora, ancestral de todos os atuais " Patas de veludo " ( atuais familias dos cães, ursos, gatos, hienas e doninhas ), viveu durante o Mioceno caçando pequenos roedores, lagartos e insetos, já demonstrando grande aptidão para a caça. Era do tamanho de um gato, porém não era muito parecido com mesmo, se assemelhando em hábitos mais com as atuais doninhas.
Dados do Mamífero:
Nome:
Miacid
Época: Eoceno
Local em que Viveu: Ásia
Peso: Cerca de 10 quilos
Tamanho: 60 centímetros de comprimento
Alimentação: Carnívora

Nome Científico: Mesopithecus pentelici
Época: Mioceno
Local onde viveu: Ásia e Europa
Peso: Cerca de 8 quilos
Tamanho: 80 centímetros de altura
Alimentação: Herbívora

Microraptor
 
    O Microraptor cujo nome significa " pequeno caçador " era um pequeno dinossauro carnívoro pertencente ao grupo dos terópodes que viveu há aproximadamente 125 milhões de anos atrás durante o período Cretáceo na China,  chegava a medir de 50 a 80 centímetros de comprimento e caçava pequenos mamíferos,anfíbios, répteis e insetos. Seus fósseis apresentavam vestígios de penas o que levou a acreditar que sejam " elos perdidos " no processo evolutivo das aves.
Dados do Dinossauro:
Nome: Microraptor
Nome Científico: Microraptor zhaoianus
Época: Cretáceo
Local onde viveu: Ásia
Peso: Cerca de 1 quilo
Tamanho: 80 centímetros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Minmi
    O Minmi cujo nome significa "nomeado após a formação da rocha", viveu durante o período Cretáceo, na Austrália comendo folhas de pequenos arbustos e plantas rasteiras. É um nodossauro que possuía uma forte couraça, com enormes espinhos que lhe sobressaiam ao corpo, já demonstrando a blindagem que se desenvolveria melhor em seus predecessores. Para se defender ao ser atacado provavelmente teria de proteger a única parte de seu corpo que não apresentava blindagem, sua barriga e deitando de barriga no solo a protegeria e ainda poderia desferir rabadas que com seus enormes espinhos poderia desencorajar enormes predadores.

Dados do Dinossauro:
Nome: Minmi
Nome Científico: Minmi paravertebra
Época: Cretáceo
Local onde viveu: Austrália
Peso: Cerca de 1 tonelada
Tamanho: 2 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Moa Gigante
 
    O Moa Gigante era uma ave gigantesca, uma das maiores que já existiram, que viveu há 700 anos atrás durante o Holoceno na Nova Zelândia, sua extinção coincide com a chegada do homem na Nova Zelândia, que juntamente com provas fósseis que consistem em ossos quebrados por ferramentas humanas, carbonizados, em forma de colares e anzóis e com marcas de dentes humanos, demonstram serem os mesmos os responsáveis pela extinção dessa magnífica ave, que ocorreu em menos de 100 anos, nos quais foram mortos mais de 170 mil espécimes. O Moa gigante não possuía mais ossos das asas e as vezes nem as junções das asas com o corpo. Os Moas se alimentava de folhas, viviam em pares ou em pequenos grupos familiares e não tinham predadores naturais, isto é, até a chegada do Homem. Existiam 11 espécies diferentes de Moas, está era a maior delas o Dinornis maximus, que podia chegar a quase 4 metros de altura e pesar 400 quilos.
Dados da Ave:
Nome:
Moa Gigante
Nome Científico: Dinornis maximus
Época: Holoceno
Local onde viveu: Nova Zelândia
Peso: Cerca de 400 quilos
Tamanho: 3,7 metros de altura
Alimentação: Herbívora
Moeritherium
     O Moeritherium cujo nome significa " Besta de Moeris " (lago onde foi achado o primeiro fóssil desse animal), surgiu a 36 milhões de anos, tinha apenas 60 centímetros de altura, não se sabe ao certo se possuía tromba, se possuí-se elas pequenos vestígios semelhantes a de antas e suas orelhas e presas eram pequenas, habitou o norte da África no final do Eoceno, seu tamanho se assemelhava ao de uma anta, ele se alimentava de gramíneas à beira e dentro da água. Pode ter adotado o estilo de vida semi-aquático como dos atuais hipopótamos.
Dados do Mamífero:
Nome: Moeritherium
Nome Científico: Moeritherium Lyonsi
Época: Eoceno
Local onde viveu: Norte da África
Peso: Cerca de 180 quilos
Tamanho: 70 centímetros de altura 1,2 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Monolofossauro
    O Monolofossauro cujo nome significa " lagarto de crista simples " era um veloz carnívoro de porte médio, que caçava suas presas atacando velozmente e arrancando enormes pedaços, aí era só esperar que a presa tombasse. Como na imagem acima, em que um Monolofossauro persegue um Mamenchissauro. O Monolofossauro é semelhante ao Yangchuanossauro porém com um porte menor, ambos viveram na China e em épocas próximas.
Dados do Dinossauro:
Nome: Monolofossauro
Nome Científico: Monolophosaurus jiangi
Época: Jurássico
Local em que viveu: China
Peso: Cerca de 2 toneladas
Tamanho: 5 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Mosassauros
    Fámilia de lagartos aquáticos aparentados aos lagartos monitores atuais. Potentes nadadores, por vezes cresciam mais de nove metros; em suas vigorosas mandíbulas se alinhavam dentes pontiagudos como caninos.  Eles se alimentavam de peixes e moluscos de conchas duras de uma ordem extinta, as amonites.
    Os mosassauros representaram uma rápida adaptação da vida na terra para uma vida passada inteiramente no oceano.
    O primeiro fóssil foi encontrado em 1960, em uma pedreira na Holanda, no Vale do Rio Mosa e desde sua descoberta muitos outros fósseis foram descobertos pelo mundo.
    Os mosassauros tinham uma mandíbula adaptada para engolir grandes peixes e moluscos, e essas mandíbulas possuíam dentes afiados e curvados para trás, que para a presa poder escapar só indo mais para dentro da boca, perfeitos para pegar peixes escorregadios e triturar conchas.

Dados do Mosassauro:
Nome: Mosassauros ( Réptil do Rio Mosa )
Época : Fim do período Cretáceo, 98 à 66 milhões de anos atrás
Local onde Viveu: No antigo oceano Atlântico, costas da África, Europa e Américas do Norte e Sul
Peso: Cerca de 2 toneladas
Tamanho: 8 à 9 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora, a base de peixes e moluscos
Moschops
 
    O Moschops viveu há aproximadamente 250 milhões de anos atrás durante o Permiano no sul da África, era um réptil da ordem dos terápsidios, sendo um dos maiores animais de sua época, que é anterior ao surgimento dos dinossauros, dinossauros só atingiram esse porte 40 milhões de anos após o Moschops ter desaparecido.
Dados do Réptil:
Nome:
Moschops
Nome Científico: Moschops
Época: Permiano
Local onde viveu: África
Tamanho: 5 metros de comprimento e 3 metros de altura
Peso: Cerca de 5 toneladas
Alimentação: Herbívora
Mussaurus
 
        Há cerca de 20 anos foram descobertos vários esqueletos fósseis de um dinossauro muito pequeno. Alguns deles eram tão pequenos que podiam ser comparados a um pequeno pássaro. Foram batizados com o nome de Mussaurus que significa "lagarto-rato". Mas os seus descobridores depressa se deram conta de que se tratava de crias, dado terem os olhos, a cabeça e os dentes demasiados grandes em relação ao tamanho do corpo. Supõe-se que o animal adulto podia ser um dinossauro primitivo "de pescoço comprido", com cerca de 3 metros de comprimento.
Dados do Dinossauro:
Nome: Mussaurus
Tamanho: 3 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Mutaburrassauro
  
    O Mutaburrassauro era um grande herbívoro quadrúpede que podia andar também sobre duas pernas. Era bem parecido com o Iguanodonte. O Mutaburrassauro possuía mandíbulas muito poderosas, adaptadas para comer uma vegetação dura que existia em sua região. Também tinha um buraco aumentado em cima do focinho que poderia ter sido usado para produzir sons e chamados distintos para propósitos de exibição. Porém, como nenhum tecido nasal petrificado foi achado, isto permanece uma hipótese. Viveu a aproximadamente 110 milhões de anos atrás durante o período Cretáceo na Austrália e na Antártida.
Dados do Dinossauro:
Nome: Mutaburrassauro
Nome Científico: Muttaburrasaurus
Época: Cretáceo
Local em que viveu: Austrália, Antártida
Peso: Cerca de 4 toneladas
Tamanho: 9 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Necrolemur
    O Necrolemur é um antigo primata que viveu há aproximadamente 45 milhões de anos atrás durante o Eoceno na Europa, era parecido com os atuais lêmures, porém seus olhos e orelhas eram enormes, aptos ao modo de vida mais noturno, tendência a qual uma grande linhagem de primatas seguiu. Apresentavam as palmas das mãos e as plantas dos pés "carnudas", as quais facilitavam para o animal agarrar galhos de árvores, dando grande agilidade e segurança ao saltar de galhos em galhos na copa das árvores para comer frutas.
Dados do Mamífero:
Nome: Necrolemur
Nome Científico: Necrolemur antiquus
Época: Eoceno
Local onde viveu: Europa
Peso: Cerca de 0,5 quilos
Tamanho: 30 centímetros de comprimento
Alimentação: HerbívoraNoassauro
    O Noassauro ("lagarto do noroeste da Argentina") foi um pequeno predador teve uma evolução única na América do Sul. Tinha grandes garras nos pés e o comprimento de 3 metros.

Dados do Dinossauro:
Nome: Noassauro
Nome Científico: Noasaurus leali
Peso: Cerca 15kg
Tamanho: De 2 à 3 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Nodossauro
    O Nodossauro cujo nome significa " réptil nódulo " era um dinossauro pertencente ao grupo dos nodossaurídeos, grupo o qual ele é responsável pelo nome, viveu há aproximadamente 135 milhões de anos atrás durante o período Cretáceo nos EUA, foi um dos primeiros dinossauros a desenvolver uma armadura protetora, ainda não possuía espigões e nem armas defensivas como os anquilossauros, possuía apenas uma couraça grossa que cobria quase todo o corpo do animal e impedia maiores ferimentos quando atacado por predadores.
Dados do Dinossauro:
Nome: Nodossauro
Nome Científico: Nodosaurus
Local onde viveu: América do Norte
Época: Cretáceo
Peso: Cerca de 1,5 tonelada
Tamanho: 5,5 metros de comprimento e 1,7 metros de altura
Alimentação: Herbívora
Nothossauro
    O Nothossauro provavelmente é um dos ancestrais dos répteis marinhos que surgiram no Jurássico e no Cretáceo, seu corpo não era totalmente adaptado a vida aquática, pois possuía patas com dedos e unhas como um jacaré e sendo um animal marinho esse fato demonstra que ainda permanecia grande parte do tempo fora da água, e deveria caminhar com dificuldade como um leão-marinho. O Nothossauro foi um dos maiores predadores aquáticos de sua época, que é anterior ao surgimento dos ictiossauros, que já possuíam nadadeiras e eram mais adaptados a vida aquática.
Dados do Nothossauro:
Nome: Nothossauro
Nome Científico: Nothosaurus
Época: Triássico , há 220 milhões de anos atrás.
Tamanho: Cerca de 8 a 9 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Notronychus
 
    O Notronychus possuía garras de um carnívoro, mas o pescoço e a cabeça eram de um herbívoro, é que os Notronychus assim como os Therizinossauros, com os quais tinham um grau de parentesco próximo, eram carnívoros que se tornaram herbívoros, e seus corpos ainda estavam em processo de adaptação. Suas garras serviam como excelente arma de defesa contra ataque de predadores que resolvessem se meter com esse estranho " peru gigante " e elas também o ajudariam a agarrar galhos para facilitar na alimentação, pois deveriam passar a vida todo comendo folhas nas árvores. Os Notronychus eram parecidos com aves e existem evidências fósseis que indicam que ele devia possuir penas.
Dados do Dinossauro:
Nome: Notronychus
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 3 toneladas
Tamanho: 5,5 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Nyctossauro
    O Nyctossauro cujo nome significa " Lagarto noturno" era um pterossauro que viveu durante o período Cretáceo há aproximadamente 88 milhões de anos atrás no Brasil, comendo peixes e outros animais marinhos, possuía uma pequena crista no topo da cabeça, a qual deveria servir para ajudar no equilíbrio da cabeça e dar uma pequena estabilidade ao vôo.
Dados do Pterossauro:
Nome: Nyctossauro
Nome Científico: Nyctossauro lamegoi
Época: Cretáceo
Local onde viveu: Brasil
Peso: Cerca de 18 quilos
Tamanho: 3 metros de envergadura
Alimentação: Carnívora
Oftalmossauro
              
    O Oftalmossauro faz parte de um grupo de répteis marinhos chamados ictiossauros, tinha 5 metros  de comprimento e seu corpo hidrodinâmico se assemelhava ao golfinho. Sua mandíbula quase desdentada foi adaptada para pegar calamares e peixes. Tinha os olhos maiores que qualquer vertebrado. Evidências fósseis, globos oculares cercados por um anel de osso que teoricamente daria apoio contra pressão de água, sugerem que eles caçassem em águas escuras e profundas.
    Quando foram escavados fósseis de ictiossauro durante o ano de 1820, paleontologistas foram confundidos pelos ossos da cauda deles, que dobrou de bruços. Ictiossauros eram répteis assim foi pensado já que os rabos deles deveriam ser iguais a de lagartos, retos. O mistério foi resolvido quando alguns fósseis de ictiossauro foram achados com impressões da pele e um esboço de um rabo semelhante ao dos golfinhos.
    Foram achados outros fósseis de animais adulto que continham esqueletos completos de bebês. Em alguns, os rabos dos bebês estavam fora e as cabeças ainda estavam na barriga da mãe. Isto indica que os ictiossauros ao dar à luz o rabo saia primeiro para que o filhote não se afoga-se e pudessem ir à superfície para respirar. Baleias modernas e golfinhos fazem isto. Mais de cinqüenta esqueletos de ictiossauros fêmea foram achados com embriões dentro. Poderiam nascer de dois a onze filhotes por cria, embora dois à três filhotes pareciam ser mais habitual.
Dados do Ictiossauro:
Nome: Oftalmossauro
Peso: Cerca de 3 toneladas
Época: Jurássico à de 165 à 150 milhões de anos atrás.
Local em que Viveu: Costas da Europa e América do Sul.
Tamanho: 5 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Onohippidium
    O Onohippidium é um parente próximo dos cavalos atuais e viveu há aproximadamente 40 mil anos atrás durante o Pleistoceno na América do Norte, Bolívia e Argentina, seus hábitos não diferem dos cavalos de hoje, as vezes é chamado de cavalo americano ou cavalo sul americano, pois foram poucas as espécies de cavalos que habitaram a América do Sul.
Dados do Mamífero:
Nome: Onohippidium
Nome Científico: Onohippidium devillei, Onohippidium galushai, Onohippidium munizi
Época: Pleistoceno
Local onde viveu: América do Norte e do Sul
Peso: Cerca de 650 kg
Tamanho:  1,5 metros de altura
Alimentação: Herbívora
Opabinia
   O Opabinia foi um invertebrado curioso e integrante da Fauna de Burgess Shale que habitou os mares próximos ao atual Canadá há aproximadamente 530 milhões de anos atrás durante o período Cambriano. A Fauna de Burgess foi uma das mais ricas já documentadas, sendo Burgess Shale um extraordinário sítio arqueológico, localizada nas Montanhas Rochosas, no Canadá, onde, em 1909, foram encontrados os mais importantes fósseis com partes moles, provenientes do baixo Cambriano.
   Os Opabinias possuiam 5 olhos enfileirados na frente de sua cabeça em formato de cogumelo uma carapaça rígida, não possuía pernas, 8 centímetros de comprimento e capturava suas vítimas com sua “tromba” bifurcada com garras na extremidade. Ao contrário de outros seres de seu tempo, o Opabinia não deixou nenhum descendente hoje.
Dados do Tubarão:
Nome: Opabinia
Nome Científico: Opabinia regalis
Época: Cambriano
Local onde viveu: Oceanos
Peso: Cerca de poucas gramas
Tamanho: 8 centímetros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Opisthocoelicaudia

    O Opisthocoelicaudia cujo o nome significa " ossos ocos na parte de trás da cauda ", viveu na Mongólia durante o período Cretáceo, era um dinossauro saurópode de porte médio, chegando a 12 metros de comprimento e 6 de altura, que para alcançar as copas das árvores apoiava-se nas pernas de traseiras e usava a cauda como apoio. em fósseis encontrados no deserto de Góbi, na Mongólia, havia marcas de dentes na perna fossilizada e faltava a cabeça do Opisthocoelicaudia, provavelmente algum predador mordeu a perna do Opisthocoelicaudia e esperou ele cair para depois devorá-los e talvez levar a cabeça embora..., ou então um carnívoro o encontrou morto e o comeu, só podemos deduzir algo assim, mas ter certeza do que realmente ocorreu provavelmente nunca teremos.
Dados do Dinossauro:
Nome: Opisthocoelicaudia
Nome Científico: Abelisaurus
Época: Cretáceo
Local onde viveu: Ásia
Peso: Cerca de 10 toneladas
Tamanho: 12 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Ornitolestes
          
    O Ornitolestes era um dinossauro teropode com ossos ocos. Era um predador de duas pernas ágil e seu rabo longo lhe proporcionol grande manobrabilidade e equilíbrio para caçar. Sua cabeça era relativamente pequena e com dentes afiados, cônicos e um pouco de crista no topo do nariz.
    Era pequeno o bastante para morar dentro das florestas densas onde alimentava-se de lagartos, ovos, pequenos mamíferos e carne putrefata. Poderia agarrar estes com suas mãos fortes que tinham 2 dedos longos e um pequeno.
    O Ornitolestes que significa "pássaro ladrão" era um parente próximo do Coelophysis. Também era muito próximo relacionado à linha evolutiva que produziu os pássaros. Teve pulsos que permitiam comprimir suas mãos da mesma maneira perto de seu corpo como um pássaro segura suas asas.
Um esqueleto de Ornitolestes parcial que incluiu o crânio e mandíbula foi descoberto em 1900 na Pedreira de Cabana de Osso na Formação de Morrison de Wyoming, E.U.A..
Dados do Dinossauro:
Nome: Ornitolestes
Peso: Cerca de 12 quilos
Época: Jurássico de 155 à 145 milhões de anos atrás.
Local onde Viveu: América do Norte.
Tamanho: 2,5 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Ornitomimo
Os primeiros fósseis de Ornitomimo, "imitador de pássaro", foram encontrados em 1889, no Colorado, EUA. Em 1917, descobriu-se um esqueleto quase completo desse animal, um fato difícil de acontecer.
Parecido com o avestruz, o Ornitomimo tinha pescoço comprido, cabeça pequena com bico de ave e olhos grandes. Sua cauda era comprida (mais da metade de seu comprimento) e lhe ajudava a manter o equilíbrio quando corria. E como corria! O elegante Ornitomimo chegava a desenvolver até 65 quilômetros horários.

Dados do Dinossauro:
Nome: Ornitomimo
Nome Científico: Ornithomimus velox
Época em que Viveu: Fim do Cretáceo, por volta de 66 milhões de anos atrás
Peso: Cerca de 90kg
Tamanho: Cerca de 3,5 metros de comprimento
Alimentação: Onívora, comiam plantas e possivelmente pequenos animais
Othnielia
O Othnielia é um animal da família dos Hipsilofodontídeos. Ele recebeu esse "outro" nome em homenagem ao seu descobridor, o cientista Othniel Charles Marsh (o mesmo que descobriu o Apatossauro).
Era pequeno, magro e muito veloz. Possuia cinco dedos nas mãos e quatro nos pés. Tinha braços curtos, pernas longas e ágeis, sendo as canelas mais compridas que as coxas, parecendo uma gazela. A longa cauda era reforçada com pequenos ossos que garantiam o equilíbrio quando fugiam dos predadores.
Os dentes arredondados eram esmaltados nos dois lados, e era essa característica que o diferenciava do Hipsilofodonte. Vivendo principalmente nos EUA, essa espécie sobreviveu durante quase 100 milhões de anos.

Dados do Dinossauro:
Nome: Othnielia
Nome Científico: Othnielia rex
Época em que Viveu: Fim do Jurássico, por volta de 144 milhões de anos atrás
Peso: Cerca de 40kg
Tamanho: 1,5 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Ouranossauro
     O Ouranossauro cujo nome significa " Lagarto valente "era um  iguanodontídeo e como todos eles, possuía mandíbulas que apresentavam dentes queixais e podiam andar com 4 ou 2 pernas, eram aparentados aos hadrossauros mas possuíam diferenças, este possuía uma espécie de vela nas costas que poderia servir para se aquecer e/ou demonstrar vigor físico para prováveis inimigos e fêmeas para acasalamento. Suas patas traseiras eram muito fortes e robustas, proporcionando ao animal uma boa agilidade em fugas rápidas, caso contrário se tornariam presas fáceis ao terríveis Carcharodontossauros que viveram junto com os Ouranossauros.
Dados do Dinossauro:
Nome: Ouranossauro
Nome Científico: Ouranosaurus nigeriensis
Época: Cretáceo
Local onde viveu: Norte da África
Peso: Cerca de 3 toneladas
Tamanho: 7 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Oviraptor
 
    O Oviraptor cujo nome significa "ladrão de ovos" viveu de 144 à 66 milhões de anos atrás durante o período Cretáceo, provavelmente era um especialista em abrir os grandes ovos de outros dinossauros, como o Protocerátops. Esse "ladrão" tinha as mandíbulas fortes, que terminavam num bico largo e desdentado. Em sua cabeça havia uma crista rígida e o rosto era bem curto, com grandes olhos. As mãos do Oviraptor tinham três dedos com garras curvadas e os pés possuiam quatro dedos, sendo que o dedão era minúsculo. Interessante nesse animal eram os dois dentículos pontudos no céu da boca, com os quais provavelmente abria e comia os ovos que roubava. Aliás, foi durante um desses roubos, que uma terrível tempestade de areia o soterrou, onde permaneceu até 1924, quando se descobriu seu fóssil na atual Mongólia.
    Apesar de sua alimentação predileta ser os ovos de outros dinossauros, eles também eram pais cuidadosos, como comprova um fóssil muito bem preservado de um Oviraptor chocando ovos. Existem duas principais espécies de Oviraptor: Oviraptor philoceratops e Oviraptor mongoliensis.

Dados do Dinossauro:
Nome: Oviraptor
Nome Científico: Oviraptor philoceratops e Oviraptor mongoliensis
Época: Cretáceo
Local onde viveu: Leste da Ásia
Peso: Cerca de 33 quilos
Tamanho: 1,80 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Pakicetus
    O Pakicetus era um ancestral das atuais baleias, provavelmente viveu ao longo das margens dos rios durante o Eoceno médio. Os fósseis demonstram que seu ouvido interno não era inteiramente adaptado para suportar a pressão de águas profundas, portanto é provável que passasse a maior parte do tempo na superfície da água ou em terra. Ele assemelhava-se a uma lontra.
Dados do Mamífero:
Nome: Pakicetus
Época: Eoceno
Peso: Cerca de 200 quilos
Tamanho: 1,5 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Palaelama
 
    A Palaelama é um membro da família dos camelídeos que vivia na América do Norte e que migrou para a América do Sul, quando surgiu uma ponte de terra entre os dois continentes, tinha a altura de uma pessoa e pesava algo em torno de 60 quilos, sendo muito parecida com as atuais vicunhas e guanacos da Cordilheira dos Andes, se tornou extinta a 17 mil anos atrás.
Dados do Mamífero:
Nome: Palaelama
Época: Pleistoceno
Local onde viveu: América do Norte e do sul
Peso: Cerca de 60 quilos
Tamanho: 1,8 metros de altura
Alimentação: Herbívora
Paleomastodonte
 
    O Paleomastodonte cujo nome significa " Mastodonte antigo " era um ancestral dos atuais elefantes que viveu há aproximadamente 35 milhões de anos atrás durante o Eoceno na Ásia e no norte da África, era um pouco menor que os atuais elefantes e possuía presas que estendiam a partir das duas mandíbulas que possivelmente serviam para extrair raízes e arrancar plantas. Pertencia ao grupo dos Phiomidae.
Dados do Mamífero:
Nome: Paleomastodonte
Época: Eoceno
Local onde viveu: Ásia e África
Peso: Cerca de 3 toneladas
Tamanho: 2,3 metros de altura
Alimentação: HerbívoraPalorchestes
 
    O Palorchestes também chamado de Anta marsupial, pois se parecia muito com a mesma, viveu há aproximadamente 10 milhões de anos atrás durante o Mioceno na Austrália. Apesar de se parecer muito com as antas, seus parentes mais próximos são os atuais vombates e koalas mostrando apenas um caso de convergência adaptativa com as atuais antas. Possuía garras fortes que serviam para arrancar cascas de árvores para comer e arrancar pequenas árvores para comer raízes, sua pequena "tromba" o auxiliava nessa tarefa de alimentação. Não se sabe ao certo as causas que tornaram este animal extinto, porém acredita-se que necessitava de grande quantidade de água para viver e no final do Mioceno ocorreu uma grande seca na região habitada por esses animais, podendo ser a causadora da extinção dessa espécie.
Dados do Marsupial:
Nome: Palorchestes
Nome Científico: Palorchestes painei
Época: Mioceno
Local em que viveu: Austrália
Peso: Cerca de 300 quilos
Tamanho: 2 metros de comprimento e 1 metro de altura
Alimentação: Herbívora
Pampatherium
 
    O Pampatherium cujo nome significa " Besta da pampa " é um gigantesco tatu que viveu há aproximadamente 11 mil anos atrás durante o Pleistoceno na Argentina. O Pampatherium foi um dos maiores tatus que já existiu, o único que atingiu tamanho próximo foi o Holmesina, primo norte-americano. Se alimentava de raízes, insetos,ovos, moluscos e carniça, e com a ajuda de suas poderosas garras podiam cavar enormes tocas onde passavam a maior parte do tempo. Os adultos quase não tinham predadores naturais.
Dados do Mamífero:
Nome: Pampatherium
Nome Científico: Pampatherium typicum
Época: Pleistoceno
Local em que viveu: América do Sul
Peso: Cerca de 250 quilos
Tamanho: 2,6 metros de comprimento
Alimentação: Onívora
Panthera gombaszoegensis
    A Panthera gombaszoegensis surgiu há cerca de 5 milhões de anos atrás na Ásia e na Europa durante o Plioceno caçando cervídeos e outros animais de médio porte, acredita-se que este animal tenha migrado para a África e com o processo de adaptação ao meio deu origem ao leopardo (Panthera pardus), posteriormente migrou também para as Américas pelo Alasca e se adaptou até chegar na América do Sul onde originou a Onça-pintada (Panthera onca), podem ter existido Pantheras gombaszoegensis que apresentassem também a pelagem de cor escura, a chamada " Pantera-negra", como ocorre com o leopardo e com a onça.
Dados do Mamífero:
Nome:
Panthera gombaszoegensis
Época: Plioceno
Local em que Viveu: Ásia e Europa
Peso: Cerca de 100 quilos
Tamanho: 2 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Paquicefalossauro
Os primeiros restos de fósseis dessa espécie de dinossauro foram encontrados nos EUA e Canadá, em meados do século passado. O que mais impressionou os estudiosos foi a extraordinária espessura do crânio desses animais, com quase 25cm. Seu focinho era coberto por ferrões ósseos. O Paquicefalossauro andava ereto e usava a cauda para se equilibrar quando parado.
É raro encontrar crânios completos nos achados de dinossauros, pois estes eram leves e se decompunham com maior rapidez antes de virar fóssil. No caso do Paquicefalossauro, "lagarto cabeça-dura", o crânio de conservou muito bem, devido justamente a sua forte espessura.
Segundo os cientistas, o Paquicefalossauro poderia ser considerado uma "cabra montanhesa" do seu período, pois vivia e montanhas em pequenos rebanhos. Alguns acreditam que para decidirem quem mandaria no lugar, Paquicefalossauros teriam lutado entre si, participando de concursos de bater cabeça, mas essa teoria já foi superada, pois sabe-se que, sendo o topo cabeça do Paquicefalossauro perfeitamente redondo, seria praticamente impossível um dos crânios não se deslocarem quando os dois animais desse porte e nessa velocidade colidíssem; neste caso, o crânio do oponente atingiria a região dos olhos ou focinho, que é muito frágil, levando à um ferimento muito grave ou até mesmo a morte.
Provavelmente, caso estes animais lutassem mesmo, usariam seus crânios para acertar a barriga ou o peito do adversário, deixando-o sem fôlego e vencendo a batalha.

Dados do Dinossauro:
Nome: Paquicefalossauro
Nome Científico: Pachycephalosaurus wyomingensis
Época em que Viveu: Fim do Cretáceo, por volta de 66 milhões de anos atrás
Peso: Cerca de 90kg
Tamanho: 4,5 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Paquirinossauro

    O Paquirinossauro é relativamente incomum entre os centrossaurídeos, já que não foram encontrados restos de um chifre nasal. Ao invés disso, ele tem uma saliência óssea áspera no lugar, que deveria ter sido usada em combates entre os machos. É improvável que essa saliência tenha suportado qualquer tipo de chifre de queratina, como tem sido descrito às vezes.
    O Paquirinossauro era um centrossaurídeo maciço, com cerca de 7 metros de comprimento. Provavelmente, rebanhos desses animais devem ter migrado sazonalmente para dentro e fora do Canadá.

Dados do Dinossauro:

Nome: Paquirinossauro
Nome Científico: Pachyrhinosaurus canadensis
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 3 toneladas
Tamanho: Cerca de 7 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Paraceratherium
    O Paraceratherium foi um dos maiores mamíferos terrestres que já existiu, sendo um ancestral dos atuais rinocerontes ele chegava a pesar 30 toneladas e medir pouco mais de 5 metros de altura e 9 de comprimento, sendo um pouco mais pesado que o seu primo próximo também ancestral dos rinocerontes o Indricotherium que já foi considerado o mais pesado dos mamíferos terrestres e o Paraceratherium foi um pouco maior também que o Mamute Imperial, considerado o maior e mais pesado dentre os probocídeos, animais ancestrais dos atuais elefantes que são os maiores animais terrestres atuais, o Paraceratherium é considerado maior mamífero terrestre que já existiu. Viveu na Ásia durante o Oligoceno há 30 milhões de anos atrás.
   Os Hábitos do Paraceratherium lembrariam o da girafa, comendo folhagens á 6 metros de altura onde outros animais menores não alcançariam e com certeza eles preencheram o nicho ecológico deixado pelos dinossauros.
Dados do Mamífero:
Nome: Paraceratherium
Nome Científico: Paraceratherium bugtiense, Paraceratherium grangeri
Época: Oligoceno
Local onde viveu: Ásia
Peso: Cerca de 30 toneladas
Tamanho: 5,5 metros de altura e 9 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Parahippus
    O Parahippus evoluiu a partir do Mesohippus, ele se mudou das florestas para os campos norte-americanos. Ali, os cavalos de patas mais longas escapavam melhor dos predadores e a evolução foi selecionando cavalos mais altos. O Parahippus possuía um terceiro artelho muito grande e dois artelhos pequenos, que não tocavam o solo enquanto o animal corria.
Dados do Mamífero:
Nome: Parahippus
Nome Científico: Parahippus
Época: Oligoceno há 25 milhões de anos atrás
Local em que viveu: América do Norte e Europa
Peso: Cerca de 60 á 70 quilos
Tamanho: Aproximadamente 80 centímetros de altura e 130 de comprimento
Alimentação: Herbívora
Paralititan
    O Paralititan cujo nome significa "Gigante do Mar", lembrando o local onde foi encontrado, viveu há aproximadamente 94 milhões de anos atrás, durante o período Cretáceo, foi encontrado no Bahariya oásis no meio do deserto do Sahara, a 300 km a sudoeste do Cairo no Egito, onde era um antigo mar. O Paralititan era um saurópode enorme, provavelmente um dos maiores que já existiu, se igualando em tamanho ao braquiossauro e outros gigantes. Provavelmente andariam em enormes manadas de adultos com jovens no centro da manada para proteção. O Paralititan apesar de não ser tão alto e nem tão comprido, era bem robusto com membros fortes e grossos se comparado aos outros saurópodes.
Dados do Dinossauro:
Nome: Paralititan
Nome Científico: Paralititan stromeri
Época: Cretáceo
Local em que Viveu: Egito
Peso: Cerca de 75 toneladas
Tamanho: 30 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora

Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Superordem: Dinosauria
Ordem: Saurischia
Subordem: Sauropoda
Classe: Titanosauria
Genero: Paralititan
Parassaurolofo
   
    O Parassaurolofo cujo nome significa "paralelo ao Saurolofo", recebeu esse nome porque viveu no mesmo período que o dinossauro Saurolophus. Pertencia a família dos Hadrossauros. Viveu principalmente nos EUA e Canadá e foi descoberto por volta de 1900.
    Talvez tenha sido o mais exótico dentre os chamados "dinossauro bico de pato", devido a sua estranha crista em forma de um longo tubo ósseo, que começava nas narinas e se projetava por mais ou menos 1,6m além do crânio. Para alguns estudiosos, esse tubo era usados pelo animal para emitir som.
    Construindo um modelo da crista do Parassaurolofo, foi possível reproduzir o ruído que este dinossauro emitia e agora sabe-se que o que mais se ouvia nas florestas há 70 milhões de anos atrás, eram bramidos (som emitido pelos elefantes) profundos e vibrantes do Parassaurolofo, apelidado de "dinossauro trombeta". Esse som poderia ter sido uma forma de chamamento dos machos para o acasalamento, ou um aviso de perigo, quando um predador se aproximava.
    Primeiramente achou-se que estes dinossauros habitavam os pântanos e as terras alagadiças, e só se alimentavam de plantas aquáticas. Sua crista, neste caso serviria como um tubo de respiração. Mas essa teoria foi superada, pois a crista, ao contrário de um tubo de respiração, não possuía abertura na extremidade. Viveu há aproximadamente 66 milhões de anos.

Dados do Dinossauro:
Nome: Parassaurolofo
Nome Científico: Parasaurolophus walkeri
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 5 toneladas
Tamanho: 10 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Pelorossauro
    O Pelorossauro cujo o nome significa " Lagarto monstruoso " viveu na Inglaterra e em Portugal este animal chegava a medir 24 metros de comprimento pesando aproximadamente 30 toneladas. Este animal pertencia a família dos saurópodes. Sua altura lhe permitia comer as copas das árvores. Ele podia usar sua longa cauda como defesa contra seus predadores, já que mais pareciam grandes chicotes.

Dados do Dinossauro:
Nome: Pelorossauro
Nome Científico: Pelorosaurus conybearei
Época: Cretáceo
Local onde viveu: Europa
Peso: Cerca de 30 toneladas
Tamanho: 24 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Pentaceratops
    O Pentaceratops cujo o nome significa " Lagarto de cinco chifres ", viveu no Novo México e Colorado, media aproximadamente 8 metros de comprimento e chegava a pesar 3 toneladas, viviam em grupos alimentando se de vegetações rasteiras. Pertencia a família dos ceratopsídeos. O escudo e os chifres eram ótimas armas de defesa contra predadores porém eram também utilizadas em batalhas entre machos na disputa de fêmeas, escudo o qual acredita-se que fosse ornamentado de colorido que serviria para seduzir fêmeas e aterrorizar possíveis adversários.
Dados do Dinossauro:
Nome: Pentaceratops
Nome Científico: Pentaceratops sternbergi
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 3 toneladas
Tamanho: 8 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Peteinossauro
        
    O Peteinossauro era um réptil voador, um dos primeiros pterossauros conhecidos do período de Triássico. De fósseis achados, os paleontologistas concluiram que sua habilidade para voar já era bem desenvolvida.
Tinha um esqueleto oco e leve. Suas asas consistiam em pele estirada entre um dedo comprido de sua mão que iam até seus tornozelos. Os Peteinossauros são uns dos vertebrados que mais cedo demonstrou evidências de vôo.
    Teve um rabo longo, de aproximadamente 20 centímetros, o qual usou para fazer manobras precisas. Esto foi feito de vértebras e fortalecido com cartilagem.
    Foi classificado segundo o tamanho e por causa dos dentes cônicos e afiado, que provavelmente comeria insetos e por isso teve êxito na evolução das asas.
    Foram descobertos fósseis de Peteinossauros formosamente preservados em pedras que datam do período de Triássico, perto de Cene, nos Alpes italianos. Pterossauros são largamente considerados primos íntimos dos dinossauros, mas a ausência de formas transitivas significa que isto não é completamente certo.
Dados do Pterossauro:
Nome: Peteinossauro
Época: Triássico de 228 à 215 milhões de anos atrás
Local em que viveu: Europa
Peso: Cerca de 200 gramas
Tamanho: 60 centímetros de envergadura.
Alimentação: Herbívora
Phobetor
    O Phobetor cujo nome significa " Deus do Medo " era um pterossauro que viveu durante o período Cretáceo há aproximadamente 130 milhões de anos atrás na Mongólia, comendo peixes e outros seres aquáticos. Seu nome foi dado em relação ao seu crânio, considerado ao de um animal muito feio.
Dados do Pterossauro:
Nome: Phobetor
Nome Científico: Phobetor parvus
Época: Cretáceo
Local onde viveu: Ásia
Peso: Cerca de 20 quilos
Tamanho: 1,5 metros de envergadura
Alimentação: Carnívora
Phobosuchus
    O Phobosuchus cujo o nome significa "crocodilo terrível", sua cabeça media 1,8 metros de comprimento, seus dentes mediam cerca de 10 centímetros de comprimento e provavelmente utilizava esse arsenal para capturar enormes peixes e até dinossauros que estivessem perto de rios e lagos em que viviam esses "monstros". Este enorme crocodilo viveu há 100 milhões de anos atrás, atingia 15 metros de comprimento e era uma verdadeira máquina de matar muito bem adaptada ao meio aquático.
Dados do Crocodilo:
Nome: Phobosuchus
Época: Cretáceo
Peso: Cerca de 2 toneladas
Tamanho: 15 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Phororhacos
 
    O Phororhacos, era uma grande rapineira sul-americana, seu crânio media cerca de 50 centímetros e provavelmente caçava pequenos mamíferos e lagartos que habitavam as planícies sul-americanas. Possuindo grande agilidade, perseguia suas presas e desferia-lhes fortes bicadas e patadas ( com suas fortes garras dos pés ), se transformando em  um dos grandes predadores da época. Mas há aproximadamente 9 milhões de anos atrás o Phororhacos não resistiu a competição com os predadores mamíferos ( como o Tigre Dentes de Sabre ) se tornando alimento para eles e entrou em  processo de extinção.
Dados da Ave:
Nome:
Phororhacos
Nome Científico: Phororhacos longissimus
Época: Mioceno
Local onde viveu: América do Sul
Peso: Cerca de 160 quilos
Tamanho: 1,9 metros de altura
Phytossauro
    Os Phytossauros eram Archossauros próximo dos crocodilos aos que eles se assemelhavam em aparecimento e estilo de vida semi-aquático. Uma diferença notável entre estes animais e os crocodilos são que, considerando que crocodilos têm narinas no focinho, nos phytossauros elas estão situadas sobre os olhos.
    Os Phytossauros mediam aproximadamente 2 metros de comprimento e tinha focinhos estreitos com muitos dentes pontiagudos enfileirados, era muito parecido com os atuais gaviais indianos. Eles comiam peixes principalmente mas também poderiam agarrar animais pequenos à extremidade da água que vinham para beber. Os Phytossauros vêm do período Triássico, eles desapareceram na extinção em massa ao término do período.
Dados do Archossauro:
Nome: Phytossauro
Época: Triássico
Peso: Cerca de 40 quilos.
Tamanho: 2 metros de comprimento.
Alimentação: Carnívoro

Alimentação: CarnívoraPiatnitzkysaurus
Viveu no final do Jurássico, na América do Sul. Seu nome significa "lagarto de Piatnitzky". É da família dos terópodes.

Dados do Dinossauro:
Nome: (?)
Nome Científico: Piatnitzkysaurus sp
Época em que Viveu: Fim do Jurássico, América do Sul
Tamanho: Cerca de 4,3 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Platecarpus
    O Platecarpus é pertencente ao mesmo grupo dos mosassauros e viveu há aproximadamente 68 milhões de anos atrás durante o final do período Cretáceo na América do Norte e Europa, era um predador voraz, caçava desde peixes e moluscos até enormes tartarugas e outros répteis marinhos.

Dados do Mosassaurídeo:
Nome: Platecarpus
Época : Cretáceo
Local onde viveu: Europa e Américas do Norte
Peso: Cerca de 600 quilos
Tamanho: 4,3 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Plateossauro
      O Plateossauro cujo nome significa " Lagarto plano " viveu há aproximadamente 235 milhões de anos atrás durante o período Triássico na Europa, foi um dos primeiros grandes dinossauros herbívoros. Chegava a atingir um tamanho aproximado de 9 metros de comprimeto e 4 metros de altura. O Plateossauro pertencia a um grupo conhecido como prossaurópodes.
      Os Plateossauros possuíam um enorme pescoço que os possibilitavam alimentar-se de árvores e locais altos onde outros animais não alcançavam, pois acredita-se que apesar de andar nas quatros patas, eles poderiam se erguem apenas em duas para alcaçar lugares ainda mais altos.

Dados do Dinossauro:
Nome: Plateossauro
Nome Científico: Plateosaurus sp
Época: Triássico
Local onde Viveu: Europa
Peso: Cerca de 4 toneladas
Tamanho: 9 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Plesiadapis
    O Plesiadapis é um dos mais antigos primatas conhecidos que viveu há aproximadamente 60 milhões de anos atrás durante o Paleoceno na Europa e na América do Norte, era muito parecido com os atuais esquilos, ainda possuía garras e seus olhos ainda estavam localizados nas laterais da cabeça, o que os tornavam mais ágeis em terra do que no alto das árvores, porém já começavam a passar boa parte do tempo em galhos mais baixos de arbustos e árvores, alimentando-se de frutas e folhas.
Dados do Mamífero:
Nome: Plesiadapis
Nome Científico: Plesiadapis
Época: Paleoceno
Local onde viveu: Europa e América do Norte
Peso: Cerca de 1 quilos
Tamanho: 30 centímetros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Polacanto
          
          
    O Polacanto era um nodossauro, um tipo de dinossauro. Possuía um casaco espesso de pratos  ósseos que cobriram sua anca. Filas uniformemente espaçadas de espigas ferozes corriam ao longo de seus lados e ombros.
    Está relacionado de perto aos estegossauros e anquilossauros pois estes confiaram em armaduras ou espinhos como arma de defesa contra predadores.
    Era um herbívoro achatado, quadrúpede que comia vegetação de solo. É só conhecido por aproximadamente três esqueletos fragmentários e muitos pratos de armadura. Estes foram achados na Inglaterra meridional, particularmente na Ilha de Wight.
    Há a possibilidade de ter se juntado a manadas de outros dinossauros, como Iguanodonte, para cooperação na proteção de ambas espécies.
Dados do Dinossauro:
Nome: Polacanto
Época: Início do Cretáceo, de 132 a 112 milhões de anos atrás
Peso: Cerca de 1 tonelada
Tamanho: 4 metros de comprimento e 1,5 de altura
Alimentação: Herbívora
Postosuchus
                 
              
O Postosuchus evoluiu no período Triássico. Seu crânio era pequeno e largo, e tinha um focinho estreito com mandíbulas poderosas. Tinha uma armadura que consistia em filas de pratos osseos que cobriam toda as suas costas. Era o carnívoro que estava no topo da cadeia alimentar da época.
Tinha pernas retas em baixo de seu corpo sugerindo um corredor rápido e eficiente. Às vezes é chamado de    " crocodilo corrente ", as pernas traseiras eram mais longas que as pernas dianteiras. Alguns paleontologistas acreditavam que ele podia correr em duas pernas, mas a maioria acha que ele corria de quatro mesmo.
O Postosuchus era um Archossauro (" réptil governante "), um grupo principal de répteis extintos que incluem crocodilos, dinossauros, pterosauros e pássaros. Estava na linha dos crocodilos, mas não era um crocodilo.
Houve vários Postosuchus achados fósseis na Floresta Petrificada do Arizona, e na Pedreira de Posto no Texas, ambos nos E.U.A.. 
Dados da Archossauro:
Nome: Postosuchus
Peso: Cerca de 1 toneladas
Época: Triássico
Local de Origem: América do Norte
Tamanho: 6 metros de comprimento e 2 metros de altura.
Alimentação: Carnívora
ProailuPreondactylus
    O Preondactylus era um pterossauro primitivo que viveu durante o período Triássico há aproximadamente 225 milhões de anos atrás na Itália, caçando insetos em enormes bandos, agilmente como morcegos. sua cauda comprida o ajudava a ter estabilidade enquanto faria manobras aéreas. É o pterossauro mais primitivo que se conhece.
Dados do Pterossauro:
Nome: Preondactylus
Nome Científico: Preondactylus buffarinii
Época: Triássico
Local onde viveu: Europa
Peso: Cerca de 10 quilos
Tamanho: 1,5 metros de envergadura
Alimentação: Carnívora
gato " mais antigo que se conhece e dele se originaram todos os atuais felinos, era do tamanho de um gato doméstico, com um rabo longo e membros esbeltos, viveu há 38 milhões de anos atrás durante o Eoceno, caçando pequenos animais como roedores, lagartos e peixes, sua unhas já começavam a ser retrateis e acredita-se que o Proailurus já possuía grande agilidade para subir em árvores.
Dados do Mamífero:
Nome:
Proailurus
Época: Eoceno
Local em que Viveu: Ásia
Peso: Cerca de 20 quilos
Tamanho: 90 centímetros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Proailurus
    O Proailurus cujo nome significa " gato que apareceu cedo " pois acredita-se que ele é " gato " mais antigo que se conhece e dele se originaram todos os atuais felinos, era do tamanho de um gato doméstico, com um rabo longo e membros esbeltos, viveu há 38 milhões de anos atrás durante o Eoceno, caçando pequenos animais como roedores, lagartos e peixes, sua unhas já começavam a ser retrateis e acredita-se que o Proailurus já possuía grande agilidade para subir em árvores.
Dados do Mamífero:
Nome:
Proailurus
Época: Eoceno
Local em que Viveu: Ásia
Peso: Cerca de 20 quilos
Tamanho: 90 centímetros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Proceratossauro
    O Proceratossauro cujo o nome significa " Anterior ao Ceratossauro " viveu na Inglaterra durante o período Jurássico há aproximadamente 166 milhões de anos atrás e chegava a medir 3 metros de comprimento e pesar aproximadamente 100 quilos. Este animal pertencia a família dos terópodes. A boca continha grandes dentes afiados e curvos, em forma de serra. Além das terríveis mandíbulas, ele tinha garras nas patas, usadas para furar a pele e retalhar a carne de suas presas.

Dados do Dinossauro:
Nome: Proceratossauro
Nome Científico: Proceratosaurus bradleyi
Época: Jurássico
Local onde viveu: Europa
Peso: Cerca de 100 quilos
Tamanho: 3 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Procompsognato
    O Procompsognato cujo nome significa " pré queixo bonito " foi o animal que, como o próprio nome já diz, antecedeu o Compsognato. É um animal muito primitivo e um dos animais que desmente aquela idéia antiga de que os dinossauros eram " lagartos grandes e lentos ". Foi encontrado na Alemanha em 1913 e caçava insetos nas florestas do período Triássico.

Dados do Dinossauro:
Nome: Procompsognato
Nome Científico: Procompsognathus triassicus
Época: Triássico
Local onde viveu: Europa
Peso: Cerca de 10kg
Tamanho: 1,2 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Proconsul

    O Proconsul é um ancestral dos atuais grandes primatas incluindo os hominídeos que viveu há aproximadamente 15 milhões de anos atrás durante o Mioceno na África, era muito parecido com os atuais chipanzés porém sua capacidade cerebral era inferior. Viviam em pequenos grupos os quais se sentiam bem à vontade tanto no solo como nas árvores, onde encontravam as frutas que lhe serviam de alimento. A primeira prova fóssil desse animal ocorreu em 1927 e em 1948 foi descoberto o primeiro crânio.
Dados do Mamífero:
Nome: Proconsul
Nome Científico: Proconsul africanus
Época: Mioceno
Local onde viveu: África
Peso: Cerca de 20 quilos
Tamanho: 90 centímetros de altura
Alimentação: Herbívora
Proganochelys
 
    O Proganochelys viveu há aproximadamente 200 milhões de anos atrás durante o período Triássico nos pântanos da Alemanha, é a tartaruga mais antiga que se conhece e acredita-se ser o ancestral comum de toda linhagem dos quelônios. Seu plastrão e sua carapaça não era presos as costelas, como o das tartarugas atuais, era apenas o início da formação dessa família, ainda possuía dentes ao invés dos atuais bicos córneos, mas sem dúvida era uma tartaruga, sendo apenas primitiva. Seus ancestrais dominariam todo o planeta nos milhões de anos seguintes e perdurariam por mais de 200 milhões de anos, mostrando que essa forma de vida é bem eficaz.
Dados do Quelônio:
Nome: Proganochelys
Nome Científico: Proganochelys quenstedi
Época: Triássico
Local onde viveu: Europa
Peso: Cerca de 20 quilos
Tamanho: 60 centímetros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Prolibytherium
    O Prolibytherium é um dos mais antigos girafídeos conhecidos, ele viveu há 15 milhões de anos atrás durante o Mioceno no norte da África, região acima do deserto do Saara, já mostrava as futuras aptidões de sua família, possuía pernas lonas e finas, pescoço um pouco mais comprido que seus parentes e possuía chifres um pouco maiores que os encontrados nas girafas atuais, seu comportamento deveria ser semelhante ao dos seu descendente atual o Ocapi, vivendo solitário no interior das florestas, se alimentando de folhas de arbustos.
Dados do Mamífero:
Nome: Prolibytherium
Nome Científico: Prolibytherium magnieri
Época: Mioceno
Local onde viveu: África
Peso: Cerca de 50 quilos
Tamanho: 1 metro de altura
Propalaeotherium
 
    O Propalaeotherium cujo nome significa " anterior ao Palaeotherium " é um dos ancestrais dos cavalos mais antigos que se conhece, possuíam quatro dedos nas patas da frente e três nas patas de trás. Viveu há 49 milhões de anos atrás comendo folhas e frutas durante o Eoceno na Europa, deveriam andar em pequenos bandos que caminhavam em filas pelo interior das florestas.
Dados do Mamífero:
Nome: Propalaeotherium
Época: Eoceno
Local onde viveu: Europa
Peso: Cerca de 60 quilos
Tamanho: 70 centímetros de altura 1 metro de comprimento
Alimentação: Herbívora

Alimentação: Herbívora
Protocerátops
 
    Em 1922 foi descoberto na Mongólia, uma grande quantidade de restos de um dinossauro que foi apelidado de Protocerátops, "primeira cara de corno".
    O Protocerátops caracterizava-se por uma pequena crista em forma de leque ao redor do pescoço, ou seja, uma estrutura óssea coberta de pele que além de fixar a forte musculatura maxilar, também servia de escudo. Seu corpo perecia um barril, a cabeça era grande e saiam-lhe elevações sobre os olhos e focinho.
    O Protocerátops andava sobre as quatro patas, porém, como as dianteiras eram mais curtas, acredita-se que também podia erguer-se nas patas traseiras. A fêmea cavava buracos na areia onde botava seus ovos cuidadosamente em círculo. Com característica semelhantes foi encontrado um animal um pouco menor e mais leve que recebeu o nome de Microcerátops, que significa "mini cara de corno".

Dados do Dinossauro:
Nome: Protocerátops, "primeira cara de corno"
Nome Científico: Protoceratops andrewsi
Época em que Viveu: Fim do Cretáceo, por volta de 66 milhões de anos atrás
Peso: 1,5 toneladas
Tamanho: Cerca de 2,5 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Protostega
 
    O Protostega era uma espécie de quelônio enorme que viveu há aproximadamente 80 milhões de anos atrás durante o período Cretáceo nos mares próximos a costa dos Estados Unidos, comendo peixes, crustáceo, moluscos e até algas entre outros vegetais marinhos, sendo muito parecida com as atuais tartarugas marinhas, quase nunca indo em terra a não ser para a desova.
Dados do Quelômio:
Nome: Protostega
Nome Científico: Protostega
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 800 quilos
Tamanho: 2,8 metros de comprimento
Alimentação: Onívora
Protosuchus
    O Protosuchus cujo o nome significa "primeiro crocodilo" foi um dos mais antigos crocodilianos encontrados, viveu há cerca de 200 milhões de anos atrás. Ele não se parecia muito com os atuais crocodilos, suas pernas eram compridas pois ele era terrestre e dificilmente permanecia muito tempo na água, porém sua cabeça e seu dorso encouraçado não negam sua família crocodiliana.
Dados do Réptil:
Nome: Protosuchus
Época: Jurássico
Peso: Cerca de 40 quilos
Tamanho: 1 metro de comprimento
Alimentação: Carnívora
Pseudaelurus
    O Pseudaelurus se originou do Proailurus e devido há algumas adaptações do Pseudaelurus há novos ambientes os quais ele começou a habitar surgiram diversas espécies que deram origem aos felinos atuais e a um grande grupo que originou alguns dos maiores dentes-de-sabre, como por exemplo o Tigre-Dente-de-Sabre (Smilodon Fatalis ).Viveu há 25 milhões de anos atrás durante Oligoceno o caçando pequenos animais como roedores, lagartos e peixes, já possuía grande agilidade para subir em árvores.
Dados do Mamífero:
Nome:
Pseudaelurus
Época: Oligoceno
Local em que Viveu: Ásia, África e Europa
Peso: Cerca de 25 quilos
Tamanho: 1 metro de comprimento
Alimentação: Carnívora
Psitacossauro

O Psitacossauro recebeu esse nome, que significa "réptil papagaio", porque tinha um bico duro e afiado, para retalhar plantas. Suas pernas traseiras eram longas e as dianteiras, curtas e providas de quatro dedos. É possível que andasse com as quatro patas de vez em quando. Era um animal pequeno, de até 2 metros de comprimento.
Foi encontrado na Mongólia e nomeado em 1923. Certamente foi o antecessor de todos os Ceratopsídios (dinossauros com chifre).

Dados do Dinossauro:
Nome: Psitacossauro, "réptil papagaio"
Nome Científico:
Psittacosaurus mongoliensis
Tamanho:
Cerca de 2 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Pteranodon
    Enquanto os dinossauros governavam os ambientes terrestres do planeta, outro grupo de répteis tinha se apoderado dos espaços aéreos. Eram os pterossauros, um dos quais, o pteranodon, com asas gigantescas de pele elástica como a dos morcegos, era um dos reis do vôo planando nas zonas costeiras. Os seus ossos eram finos e tinham espaços ocos que os tornavam mais leves.
    Os pteranodons faziam seus ninhos nas escarpas e, por serem pouco ágeis em terra firme, talvez alimentassem suas crias do ar.
Dados do Pterossauro:
Nome: Pteranodon
Época: Fim do Cretáceo
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 30 quilos.
Tamanho: 2 metros de altura e 8 metros de envergadura.
Alimentação: Peixes
Pterodactylus
    O Pterodactylus era um pterossauro que vivia na beira de rios, lagos e mares, comendo peixes , insetos e pequenos invertebrados de beira d´água. O Pterodactylus evoluiu a partir de um grupo de pterossauros primitivos chamados de ranforrincos. Acredita-se que eles se comportavam como as aves marítimas de pequeno porte de hoje, voando em bandos e sendo vistos comumente nas praias.
    Os pterossauros que possuem caudas curtas são pertencentes ao grupo dos Pterodáctilos, o qual foi utilizado o nome desse famoso pterossauro.
Dados do Pterossauro:
Nome: Pterodactylus
Época: Jurássico
Local onde Viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 5 á 10 gramas
Tamanho: 46  centímetros de envergadura
Alimentação: Carnívora
Pterodaustro
    O Pterodaustro cujo nome significa " Asa do Sul " era um pterossauro que viveu durante o período Cretáceo há aproximadamente 140 milhões de anos atrás na Argentina, possuía muitos dentes na parte inferior do bico, tornando-a parecida com um pente, a qual era usada para filtrar à água em busca de pequenos crustáceos e outros pequenos animais marinhos.
Dados do Pterossauro:
Nome: Pterodaustro
Nome Científico: Pterodaustro guinzani
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Sul
Peso: Cerca de 5 quilos
Tamanho: 1,3 metros de envergadura
Alimentação: Carnívora
Puertassauro
    O Puertassauro reuili cujo nome é em homenagem a seus descobridores Pablo Puerta e Santiago Reuil, viveu há aproximadamente 70 milhões de anos, ou seja, pouco antes da extinção em massa que afetou a vida na Terra, há 65 milhões de anos, se acreditava que a era de maior esplendor dos dinossauros, na qual atingiram maior tamanho e diversidade, havia transcorrido há 90 ou 100 milhões de anos. Esta descoberta demonstra que esta linhagem de tamanho descomunal sobreviveu até o fim da era dos dinossauros, quando o normal ao descobrir fósseis desta fase eram animais muito menores.
    O paleontólogo Fernando Novas chefiou a expedição que encontrou os restos fósseis, financiada pela americana National Geographic Society e pelas organizações científicas do governo argentino Conicet e Agência Nacional de Promoção Científica. e fazer os estudos comparativos que levaram a determinar que se tratava de uma espécie desconhecida levou cinco anos.
   Segundo os cientistas os restos encontrados, demonstram ser este o maior de todos os animais terrestres encontrados até agora, foram encontrados quatro vértebras de pescoço, do dorso e da cauda, sendo estes os restos mais austrais descobertos em toda a América. A descoberta ocorreu em 2001 no monte Los Hornos, perto do lago Viedma, em La Leona, na província de Santa Cruz  nos Andes patagônios, 2.800 km ao sul,ao sul de Buenos Aires.
   A vértebra cervical encontrada mede 1,20 metro de comprimento por 1,40 de largura e uma primeira vértebra das costas tem 1,70 metros por 1,00 metro. A princípio, as duas superam em tamanho as peças similares do argentinossauro, considerado o maior saurópode e animal terrestre da atualidade.

Dados do Dinossauro:
Nome: Puertassauro
Nome Científico: Puertasaurus reuili
Época: Cretáceo
Local em que viveu: América do sul
Peso: Cerca de 100 toneladas
Tamanho: 20 metros de altura e 40 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora

Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Superordem: Dinosauria
Ordem: Saurischia
Subordem: Sauropoda
Familia: Titanosauridae
Genero: Puertasaurus
Purussauro
    O Purussauro era um jacaré gigantesco que viveu há aproximadamente 5 milhões de anos atrás no rio Amazonas e seus afluentes, estima-se que ele podia atingir 20 metros de comprimento, comia grandes peixes, mamíferos terrestres e aquáticos ( como o Peixe-boi e o Boto ) e outros jacarés de menor porte.
Dados do Jacaré:
Nome: Purussauro
Época: Plioceno
Local onde viveu: América do Sul
Peso: Cerca de 4 toneladas
Tamanho: 20 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Quagga
     O Quagga é uma espécie de zebra ( cavalo ) que foi extinta há 120 anos atrás durante o atual Holoceno nos prados da África do Sul, seus hábitos eram idênticos aos das zebras atuais, porém como habitava uma pequena região específica e foi caçado tanto pela sua carne como pela sua pele, a ponto não sobrar mais nenhum na natureza, fato este que ocorreu em 1872, sobrevivendo apenas alguns animais em zoológicos espalhados pelo mundo. O último representante dessa espécie morreu no Zoológico de Amsterdã em 1883, aumentando assim a lista de espécies extintas pela "Invasão Humana". A terceira imagem é uma foto de um exemplar de Quagga tirada em um zoológico europeu em 1870 por Frederick York.
Dados do Mamífero:
Nome: Quagga
Nome Científico: Equus quagga
Época: Holoceno
Local onde viveu: África
Peso: Cerca de 350 quilos
Tamanho:  1,6 metros de altura
Alimentação: Herbívora
Quetzalcoatlus
   
    O Quetzalcoatlus era um pterossauro enorme com uma envergadura de até 13 metros  era umas das maiores criatura voadoras. É o último pterossauro conhecido que sobreviveu mesmo ao fim do período de Cretáceo.
    Apesar de seu tamanho enorme, foi construído seu esqueleto o animal inteiro provavelmente pesaria aproximadamente 100 quilos. Era um bom planador, certamente seria capaz de cobrir grandes distâncias. Seu pescoço era extremamente longo, suas mandíbulas eram esbeltas com dentes afiados provavelmente para pegar peixes, mas acredita-se que ele deveria comer carne de dinossauros e outros animais mortos que encontrasse.
    Douglas Lawson foi o primeiro a achar um fóssil de Quetzalcoatlus, no parque nacional de Curva Grande no Texas, E.U.A.. Ao contrário da maioria dos outros fósseis de pterossauro estes restos não foram achados em estratos marinhos mas na areia e lodo da planície inundada de um grande rio. Isto levantou perguntas de como ele viveu.
    O fato de os Quetzalcoatlus terem um pescoço longo e que ele podia planar incitou a idéia que ele poderia ser como um abutre e poderia se alimentar nos corpos de dinossauros mortos. Mas alguns paleontologistas, notando as mandíbulas esbeltas e longas sugerem que sondasse rios, pântanos e lagoas para comer moluscos e crustáceos. Outros pensam que ele voava baixo em cima dos mares rasos e mornos para pegar peixes na superfície. Lawson nomeou o Pterossauro com o nome do deus da serpente emplumada dos Astecas, Quetzalcoatl.
Dados do Pterossauro:
Nome: Quetzalcoatlus
Nome Científico: Quetzalcoatlus northropi
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Norte.
Peso: Cerca de 100 quilos
Tamanho: 13 metros de envergadura.
Alimentação: Carnívora
Rhamphorhynchus
 
    O Rhamphorhynchus era um tipo primitivo de réptil voador chamados de Pterossauros, e possuía asas de até 2 metros de envergadura e corpo de1 metro de comprimento. Estas as quais foram feitas da pele estirada entre um dedo comprido de sua mão, até seu tornozelo.
    Teve um rabo direto longo, aproximadamente (20 cm) que endureceu com ligamentos que terminavam em um ótimo leme. Acredita-se que um dos modos dos Rhamphorhynchus caçar era arrastando seu bico na água.  Quando entrava em contato com a presa fechava o bico e cravaria seus dentes que pareciam agulhas afiadas, e ai lançaria a comida em sua bolsa na garganta, uma estrutura que foi preservada de fato em alguns fósseis raros.
    Foram recuperados fósseis de Rhamphorhynchus de barros marinhos jurássicos na Inglaterra meridional mas os espécimes melhores surgiram na pedreira de Solnhofen em Baviera, Alemanha meridional. O  bom granulado desta pedreira famosa rendeu numerosos restos formosamente preservados de Rhamphorhynchus.    Muitos destes fósseis não só preservam os ossos mas também impressões de espetáculo de tecidos suaves como as asas e rabo.
Dados do Pterossauro:
Nome: Rhamphorhynchus
Peso: Cerca de 20 quilos.
Época: Jurássico de 170 à 145 milhões de anos atrás
Local onde Viveu: Europa e África
Tamanho: 1 metro de comprimento e 2 metros de envergadura
Alimentação: Carnívora
Rinoceronte Lanudo
    O Rinoceronte Lanudo era uma variação dos atuais rinocerontes, porém como vivia em regiões glaciais possuía um avantajado casaco de pele, atingindo cerca de 3,5 metros de comprimento, 1,8 metros de altura e 3,5 toneladas de peso, se alimentava de gramíneas e musgos, utilizando-se de seu chifre quando necessário para " cavar na neve " para obtê-las. Viveu junto com Mamutes, Ursos, Bois Almiscarados e grandes felinos pré-históricos, com os quais disputavam alimentos e defendiam suas crias, pois um Rinoceronte Lanudo adulto não possuía muitos predadores naturais. Seu parente mais próximo vivo acredita-se ser o Rinoceronte de Sumatra.
Dados do Mamífero:
Nome: Rinoceronte Lanudo
Nome Científico: Coelodonta
Época: Pleistoceno, à 12 mil anos atrás
Local em que Viveu: América do Norte, Europa e Norte da Ásia (Rússia)
Peso: Cerca de 3,5 toneladas
Tamanho: 3,5 metros de comprimento e 1,9 metros de altura
Alimentação: Herbívora

Rinoceronte primitivo
    O Rinoceronte primitivo viveu há aproximadamente 55 milhões de anos atrás na América do Norte, durante o Eoceno, sendo considerando um dos primeiros ancestrais diretos dos rinocerontes atuais. Acredita-se que todos os rinocerontes atuais e seus ancestrais gigantescos descendem deste pequeno animalzinho, que era muito parecido com os ancestrais dos cavalos, os quais tinham um ancestral comum um pouco mais antigo. Mais tarde seus descendentes migraram para a Ásia e posteriormente a África.
Dados do Mamífero:
Nome: Rinoceronte primitivo
Nome Científico: Hyrachyus
Época: Eoceno
Local em que Viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 20 quilos
Tamanho: 30 centímetros de altura e 70centímetros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Rutiodonte
    O Rutiodonte vivia em rios e lagos norte americanos durante o período Triássico, chegava a medir pouco mais de 7 metros de comprimento e era muito parecido com os atuais crocodilos e jacarés, suas pernas curtas inibiam sua velocidade em terra o que dificultava o ataque a presas terrestres, mas ele se virava bem na caça de peixes e outros animais aquáticos. Em sua época os dinossauros estavam começando a aparecer e não era ameaça ao Rutiodonte. Como os crocodilos de hoje os Rutiodontes tomariam sol para se esquentar próximos uns aos outros e seriam bons predadores sobrevivendo ainda por muito tempo.
Dados do Réptil:
Nome: Rutiodonte
Época: Triássico
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 300 quilos
Tamanho: 7 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Saichania
    O Saichania pertencia ao grupo dos anquilossauros ou dinossauros couraçados. Possuía placas ósseas com espetos que lhe cobriam a cabeça , o pescoço , o dorso e a cauda, como também na parte ventral. As placas ósseas eram porosas e o seu interior era oco, portanto , bastante leves , o que permitia que o animal move-se com uma certa desenvoltura. Sua cauda terminava num grande volume ósseo , todavia era leve e flexível. O Saichania conseguia movimentá-la com rapidez de um lado para outro e a utilizava como uma temível arma de defesa, que poderia derrubar até um Tiranossauro. Viveu há aproximadamente 80 milhões de anos atrás, no deserto de Gobi, na Mongólia.
Dados do Dinossauro:
Nome: Saichania
Nome Científico: Saichania chulsanensis
Época: Cretáceo
Local onde viveu: Ásia
Peso: Cerca de 4 toneladas
Tamanho: 7 metros de comprimento
Alimentação: Herbívoro
Saltassauro
    O Saltassauro era um saurópode encouraçado, que possuía pratos ósseos grandes e nódulos menores na pele da parte de trás e lados do corpo. Esta couraça provavelmente era uma defesa efetiva contra ataques de grandes dinossauros carnívoros, já que ele viveu na mesma época em que os terópodes ( carnívoros bípedes ) alcançaram seus mais excepcionais tamanhos e como o Saltassauro não possuía tamanho e nem velocidade capaz de o livrar dos predadores, a evolução o selecionou com uma proteção parecida com a dos anquilossaurídeos porém menos espinhosa.
    O Saltassauro tinha um rabo espesso, que quando apoiado engrenava vértebras, formando um ótimo apoio, através do qual ele poderia atingir uma vegetação mais alta. Provavelmente os Saltassauros viveriam em manadas que nidificavam em colônias de regiões costeiras, onde se alimentaria de coníferas. Foram encontrados ovos fósseis de Saltassauro, e ele deveriam pesar em torno de 3 a 4 quilos.
Dados do Dinossauro:
Nome: Saltassauro
Nome Científico: Saltasaurus loricatus
Peso: Cerca de 8 toneladas
Tamanho: 12 metros de comprimento
Época: Cretáceo
Local em que viveu: América do Sul
Alimentação: Herbívoro
Saltopus
    O Saltopus cujo nome significa " pé saltador " viveu há 210 milhões de anos atrás durante o período Triássico na Escócia, era um dos menores dinossauros que já existiram e muito ágil, o que possibilitava o Saltopus apanhar insetos em pleno vôo e caçar pequenos animais, provavelmente vivessem em pequenos grupos com pequenas relações sociais.
Dados do Dinossauro:
Nome: Saltopus
Nome Científico: Saltopus elginensis
Época: Triássico
Local onde viveu: Europa
Peso: cerca de 900 gramas
Tamanho: 60 centímetros de comprimento
Alimentação: Carnívora

Sarcosuchus
    O Sarcosuchus imperator cujo nome significa " Crocodilo imperador " era um gigantesco crocodilo que viveu há 110 milhões de anos atrás no norte da África durante o período Cretáceo, chegava a medir 12 metros e pesava 1,5 toneladas, sendo muito forte e robusto provavelmente capturava enormes peixes e dinossauros com uma mordida que podia ultrapassar 3 toneladas de força. Na imagem acima um Sarcosuchus está atacando um Suchomimo de 10 metros de comprimento. Era muito parecido com os atuais gaviais com as mandíbulas um pouco finas e muitos dentes pontiagudos, porém era muito maior do que seus parentes recentes que atingem no máximo de 4 à 5 metros de comprimento.
Dados do Crocodiliano:
Nome: Sarcosuchus
Nome Científico: Sarcosuchus imperator
Época: Cretáceo
Local onde viveu: África
Peso: Cerca de 1,5 toneladas
Tamanho: 12 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Saurolophus
    O Saurolophus cujo nome significava " Lagarto de crista " era um dinossauro que pertencia ao grupo dos hadrossauros, possuía um bico semelhante ao das aves, por isso o nome significa lagarto com bico de pato, este tinha uma pequena saliência semelhante a um chifre e como característica da família deveria andar em mandas para se protegeram de seus predadores. Viveu durante o período Cretáceo no norte da América do Norte e norte da Ásia, utilizando suas baterias de dentes para mastigar folhas de árvores e arbustos.
Dados do Dinossauro:
Nome: Saurolophus
Nome Científico: Saurolophus osborni
Época: Cretáceo
Local onde Viveu: América do Norte e Ásia
Peso: Cerca de 4 toneladas
Tamanho: 12 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Sauroposeidon
    O Sauroposeidon cujo nome significa " Lagarto Poseidon " (Poseidon é o deus grego dos mares e terremotos), foi um dos dinossauros saurópodes mais altos encontrados até agora. Foi descoberto em 1994, no município de Otaka, em Oklahoma, EUA e possuía vértebras de até 1,4 metros de comprimento, o Sauroposeidon era um braquiossaurídeo que tinha um pescoço de tamanho descomunal, mas apesar disso, ele não devia ser "pesar muito" (o equivalente a doze elefante!!!), já que os ossos eram porosos e até muito finos em alguns lugares. Ele devia ter sacos de ar em torno da garganta para deixar o pescoço ainda mais leve, caso contrário ele não poderia levantá-lo até as árvores. Viveu durante o período Cretáceo há aproximadamente 110 milhões de anos atrás nos EUA.
    O Sauroposeidon deveria passar 3/4 de seu tempo comendo uma tonelada de suas folhas, já que naquele tempo, estas eram pobres em energia. Apesar da quantidade que ingeria, não seria o bastante para tornar o animal ágil.
   Na terceira imagem temos três grandes recordistas do mundo animal, o primeiro da esquerda é um Argentinossauro ( o animal terrestre mais pesado, 100 toneldas ), o segundo no meio é um Sauroposeidon ( o animal terrestre mais alto, 25 metros ) e o último da direita é um Seismossauro ( o animal terrestre mais comprido, 52 metros ), temos também um pequeno ser humano em tamanho proporcional para verificarmos as gigantescas dimensões desses animais.
Dados do Dinossauro:
Nome:
Sauroposeidon
Nome Científico: Sauroposeidon protelus
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 60 toneladas
Tamanho: 30 metros de comprimento e até 25 metros de altura
Alimentação: Herbívora
Saurornithoides
    O Saurornithoides cujo o nome significa " Lagarto em forma de pássaro " viveu na Mongólia este animal chegava a medir 3,5 metros de comprimento pesando aproximadamente 30 quilos. Este animal pertencia a família dos terópodes. Provavelmente chocavam seus ovos e cuidavam de seus filhotes até estes poderem se adaptar ao habitat.Tinha um cérebro relativamente grande e usava a sua inteligência para caçar.
Dados do Dinossauro:
Nome: Saurornithoides
Nome Científico: Saurornithoides mongoliensis
Local onde viveu: Ásia
Peso: Cerca de 30 quilos
Tamanho: 3,5 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora

Saurornitholestes
 
    O Saurornitholestes , cujo o nome significa " Lagarto pássaro ladrão " viveu em Alberta no Canadá, este animal chegava a medir 2 metros de comprimento pesando aproximadamente 10 quilos. Este animal pertencia a família dos terópodes. Caçavam em bandos, o que os tornavam armas letais.
Dados do Dinossauro:
Nome: Saurornitholestes
Nome Científico: Saurornitholestes langstoni
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 10 quilos
Tamanho: 2 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Scaphognathus
    O Scaphognatus cujo nome significa " Bico de canoa " era um pterossauro que viveu durante o período Jurássico há aproximadamente 150 milhões de anos atrás na Alemanha e Inglaterra, caçando insetos em enormes bandos, agilmente como morcegos.
Dados do Pterossauro:
Nome: Scaphognathus
Nome Científico: Scaphognathus crassirostris
Época: Jurássico
Local onde viveu: Europa
Peso: Cerca de 3 quilos
Tamanho: 1 metro de envergadura
Alimentação: Carnívora
Scelidossauro
    O  Scelidossauro cujo o nome significa " Lagarto de membros " viveu no Arizona e na Inglaterra durante o período Jurássico, este animal chegava a medir 4 metros de comprimento pesando aproximadamente 250 quilos. Este animal era fortemente blindado. Alguns o consideram um anquilossauro primitivo, mas há também  uma forte semelhança  com os estegossauros primitivos. Ele  provavelmente deu inicio a ambos os grupos. O Scelidossauro era um dinossauro quadrúpede e se alimentava de plantas. Possuía em seu corpo espinhos ósseos. Era um herbívoro pacato que estava em um processo de evolução que iria dar origem a um dos mais eficazes sistemas defensivos, as armaduras sobre o corpo e a arma sobre a cauda.
Dados do Dinossauro:
Nome: Scelidossauro
Nome Científico: Saurornitholestes langstoni
Época: Jurássico
Local onde viveu: América do Norte e Europa
Peso: Cerca de 400 quilos
Tamanho: 4 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Scutossauro

    O Scutossauro viveu há aproximadamente 250 milhões de anos atrás durante o Permiano na Europa, era um réptil da ordem dos captorrinídeos, podendo ser considerado grande para os padrões da época, que é anterior ao surgimento dos dinossauros. O Scutossauro era um pacato herbívoro que passava o dia pastando.
Dados do Réptil:
Nome:
Scutossauro
Nome Científico: Scutosaurus
Época: Permiano
Local onde viveu: Europa
Tamanho: 2,5 metros de comprimento e 1,5 metros de altura
Peso: Cerca de 500 quilos
Alimentação: Herbívora
Seismossauro
    O Seismossauro cujo nome significa "lagarto que faz a terra tremer", era um dos mais compridos dinossauros que já existiram, tinha quase o dobro do comprimento de um Diplodoco. Em 1985, grandes ossos achados no Novo México, EUA, foram identificados como sendo desse dinossauro, viveu durante o período Cretáceo há aproximadamente 120 milhões de anos atrás.
    Com o corpo em forma de barril, cabeça pequena e uma cauda incrivelmente longa, o Seismossauro tinha uma espinha dorsal forte e flexível. Em toda sua extensão, essa coluna era sustentada por enormes ligamentos, como os cabos de uma ponte moderna.
    Agitando a cauda como um chicote o Seismossauro conseguia abater um predador com a facilidade com que se mata uma mosca. Quando os ossos de Seismossauro foram encontrados havia mais de 200 pedras redondas e polidas perto dele. Eram gastrólitos, ou pedras do estômago, que ajudavam o dinossauro a digerir a enorme quantidade de plantas que comia.
    Provavelmente andavam em manadas de adultos, com os jovens no meio da manada, pois os adultos eram tão grandes que quase nenhum predador conseguia atacar, já os jovens eram lentos e não tinham tanta força para se defender de predadores.
   Na segunda imagem um Seismossauro adulto morto, está sendo devorado por um Alossauro, um caçador que talvez não rejeitasse o papel de carniceiro. E na terceira imagem temos três grandes recordistas do mundo animal, o primeiro da esquerda é um Argentinossauro ( o animal terrestre mais pesado, 100 toneldas ), o segundo no meio é um Sauroposeidon ( o animal terrestre mais alto, 25 metros ) e o último da direita é um Seismossauro ( o animal terrestre mais comprido, 52 metros ), temos também um pequeno ser humano em tamanho proporcional para verificarmos as gigantescas dimensões desses animais.

Dados do Dinossauro:
Nome: Seismossauro
Nome Científico: Seismosaurus halli
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 40 toneladas
Tamanho: 52 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Shonissauro
    O Shonissauro era um ictiossauro " peixe réptil " que viveu há aproximadamente 200 milhões de anos atrás durante o período Triássico no Oeste dos EUA e era um réptil marinho que atingiu proporções gigantescas, podia medir pouco mais de 15 metros de comprimento e estima-se que podia chegar a pesar mais de 40 toneladas, sem duvida foi um dos maiores répteis marinhos que já existiram e só não é o maior ictiossauro conhecido porque recentemente foi encontrado um maior ainda com 23 metros de comprimento no Canadá. O Shonissauro se alimentava de peixes e moluscos nos oceanos triássicos.
Dados do Ictiossauro:
Nome: Shonissauro
Nome Científico: Shonisaurus popularis
Época: Triássico
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 40 toneladas
Tamanho: 15 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Shunossauro
 
    O Shunossauro cujo nome significa " Lagarto Shu " viveu durante o período Jurássico  há aproximadamente 158 milhões de anos atrás na China, era um enorme dinossauro saurópode, alias era o único saurópode que possuía " espinhos " na cauda, uma espécie de clava, a qual serviria para dar rabadas em seus adversários, indo além das " chicotadas " que os saurópodes comumente davam, se assemelhando a dos anquilossauros. Na imagem acima um Shunossauro protege seu filhote de um Yangchuanossauro.
Dados do Dinossauro:
Nome: Shunossauro
Nome Científico: Shunosaurus lii
Época: Jurássico
Local onde Viveu: Ásia
Peso: Cerca de 9 toneladas
Tamanho: 14 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Sinraptor
    Seu nome significa "ladrão chinês", que a pesar do nome, não parece ter merecido o título de "raptor", já que suas pernas eram robustas e não deveriam ser ágeis o suficiente para isso. O Sinraptor tinha 7 metros de comprimento e parecia-se mais com os grandes terópodes do que com os raptores.

Dados do Dinossauro:
Nome: Sinraptor
Nome Científico: Sinraptor dongi
Local em que viveu: China
Tamanho: Cerca de 7 metros de comprimento
Peso: 500 quilogramas
Alimentação: Carnívora
Sivatherium
    O Sivatherium pertencia ao grupo dos sivatheriuns, parentes das atuais girafas e ocapis, viveu durante o Pleistoceno há 1 milhão de anos atrás na Ásia, esse grupo de animais Sivatheriuns não possui mais representantes vivos, eles se separaram do grupo das atuais girafas durante o Mioceno , possuem um ancestral comum bem próximo e acredita-se que seus hábitos era semelhantes aos das girafas. Existem evidencias de esculturas feitas pelos Sumérios que datam de 5 mil anos atrás muito semelhantes a este animal, o que demonstra que este animal foi um dos últimos parentes da girafa a desaparecer.
Dados do Mamífero:
Nome: Sivatherium
Nome Científico: Sivatherium giganteum
Época: Pleistoceno
Local onde viveu: Ásia
Peso: Cerca de 400 quilos
Tamanho: 3 metros de altura
Alimentação: Herbívora
Sivatherium africano
    O Sivatherium africano pertencia ao grupo dos sivatheriuns, parentes das atuais girafas e ocapis, viveu durante o Pleistoceno há 1 milhão de anos atrás no norte da África, esse grupo de animais Sivatheriuns não possui mais representantes vivos, eles se separaram do grupo das atuais girafas durante o Mioceno , possuem um ancestral comum bem próximo e acredita-se que seus hábitos era semelhantes aos das girafas. Existem evidencias de obras de arte feitas por tribos africanas que datam de menos de 10 mil anos atrás muito semelhantes a este animal, criando teorias de que este animais viveram até alguns milhares de anos atrás.
Dados do Mamífero:
Nome: Sivatherium africano
Nome Científico: Sivatherium maurusium
Época: Pleistoceno
Local onde viveu: África
Peso: Cerca de 260 quilos
Tamanho: 2,3 metros de altura
Alimentação: Herbívora
Sivatherium de chifre no focinho
    O Sivatherium de chifre no focinho pertencia ao grupo dos grafídeos, ancestrais das atuais girafas e ocapis, viveu há aproximadamente 5 milhões de anos atrás durante o Plioceno no leste da África, era muito parecido com atual Ocapi, em tamanho, forma e no mesmo local, acredita-se ser o ancestral mais próximo do mesmo. Seus habitos deveriam ser muito semelhantes também ao Ocapi, vivendo solitário no interior de florestas comendo folhas de arbustos.
Dados do Mamífero:
Nome: Sivatherium de chifre no focinho
Nome Científico: Giraffokeryx punjabiensis
Época: Plioceno
Local onde viveu: África
Peso: Cerca de 150 quilos
Tamanho: 1,6 metros de altura
Alimentação: Herbívora
Sivatherium Europeu
    O Sivatherium europeu pertencia ao grupo dos sivatheriuns, parentes das atuais girafas e ocapis, viveu durante o Pleistoceno há 1 milhão de anos atrás no sul da Europa, próximo ao Mar Mediterrâneo, esse grupo de animais Sivatheriuns não existe mais representantes vivos, eles se separaram do grupo das atuais girafas durante o Mioceno e possuem um ancestral comum bem próximo e acredita-se que seus hábitos era semelhantes aos das girafas.
Dados do Mamífero:
Nome: Sivatherium europeu
Nome Científico: Birgerbohlinia schaubei
Época: Pleistoceno
Local onde viveu: Europa
Peso: Cerca de 220 quilos
Tamanho: 2 metros de altura
Alimentação: Herbívora
Sordes
    O Sordes era um pterossauro que viveu há aproximadamente 150 milhões de anos atrás durante o período Jurássico na Ásia, caçando pequenos insetos. Tinha um esqueleto oco e leve, suas asas consistiam em pele estirada entre um dedo comprido de sua mão que ia até seus tornozelos. Tinha um rabo longo, de aproximadamente 20 centímetros feito de vértebras e fortalecido com cartilagem, o qual usava para fazer manobras precisas. 
Dados do Pterossauro:
Nome: Sordes
Nome Científico: Sordes
Época: Jurássico
Local onde viveu: Ásia
Peso: cerca de 200 gramas
Tamanho: 50 centímetros de envergadura
Alimentação: Carnívora
Steropodonte
O Steropodonte era um mamífero espinhoso parecido com o ouriço que viveu durante o período Cretácio. Ele possuí um descendente moderno, o echidna espinhoso australiano. O Steropodonte possuía algumas características de réptil, botava ovos, entretanto amamentava seu descendentes como um mamífero. Possuía aproximadamente 50 centímetros de comprimento, era principalmente um comedor de carniça, insetos, ovos e pequenos lagartos.
Dados do Antigo Mamífero:
Nome: Steropodonte
Peso: Cerca de 20 quilos.
Época: Cretáceo
Tamanho: 50 centímetros de comprimento
Alimentação: Carnívora



Stethacanthus

    O Stethacanthus foi pequeno tubatão primitivo que atingia cerca de 2 metros de comprimento, que viveu há aproximadamente 350 milhões de anos atrás, durante o período Devoniano no antigo Oceano X. Era um dos mais estranhos tubarões que já apareceram, pois possuía uma estrana nadadeira dorsal. Em sua época ocorria o predomínio de peixes placodermos como o gigantesco Dunkleosteus e os tubarões ainda estavam em processo de desenvolvimento inicial e sendo assim os Stethacanthus preferiam nadar em águas rasas, próximas as costas em busca de alimento, como pequenos peixes, crustáceos e cefalópodes, se aventurando com pouca frequencia em água profundas.
   Acredita-se que os Stethacanthus possuíam rotas migratórias, retornando a lugares em particulares todos os anos para se reproduzir. Devido ao formato hidrodinâmico de seu corpo, o mesmo podería desenvolver grandes velocidades.
Dados do Tubarão:
Nome: Stethacanthus
Nome Científico: Stethacanthus
Época: Devoniano
Local onde viveu: Oceanos
Peso: Cerca de 2,5 toneladas
Tamanho: 2 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Stupendemys

    O Stupendemys é o maior Quelônio de água doce que se conhece, viveu durante o Plioceno há aproximadamente 5 milhões de anos atrás na América do Sul mais especificamente na Amazônia ( Brasil, Venezuela, Bolívia ). Era pertencente ao grupos dos comumente conhecidos como cágados ou quelônios que retraem o pescoço lateralmente, por possuírem um pescoço um pouco mais alongados. Passava o dia tomando sol nas margens de rios, dando mergulhos periódicos para se alimentar de pequenos crustáceos, peixes e plantas, porém nem sempre a vida desses quelônios era sossegada, pois nessa época habitavam as regiões amazônicas enormes jacarés como o Purussauro, os quais adoravam como grandes quelônios como esse.
Dados do Quelônio:
Nome: Stupendemys
Nome Científico: Stupendemys geographicus
Época: Plioceno
Local onde viveu: América do Sul
Peso: Cerca de 1 toneladas
Tamanho: 2,6 metros de comprimento
Alimentação: Onívora
Stygimoloch
    O Stygimoloch cujo o nome significa "diabo com espinhos", viveu na América do Norte e chegava a ter até 3 metros de comprimento, suas pernas dianteiras eram atrofiadas e utilizava sua longa cauda para dar equilíbrio ao corpo. Possuía um crânio duro, resistente e cheio de chifres que provavelmente era usado para dar cabeçadas, acredita-se que os machos disputavam a liderança do bando, como os carneiros atuais, batendo as cabeças mas sem usar os chifres. Possivelmente utilizava seu poderoso crânio e seus chifres para se defender do ataque de predadores
Dados do Dinossauro:
Nome:  Stygimoloch
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 60 quilos
Tamanho: 3 metros de comprimento
Alimentação: Herbívoro

Suchomimo
    
    O Suchomimo cujo nome significa " imitação de crocodilo " era um dinossauro comedor de peixes que cresceu extraordinariamente, sendo muito parecido com os Espinossauros, só que sem aquela vela dorsal e um pouco menores .Viveu na região do Deserto do Teneré ( Nigéria ), na África. Ele pertencia ao grupo dos espinossaurídeos.
    Tinha o crânio muito assemelhado ao do crocodilo, longo e estreito para penetrar mais facilmente na água e apanhar peixes. Em suas mas haviam enormes garras que poderiam ter sido usadas como uma espécie de fisga para pegar peixes.
    Sendo um dinossauro com hábitos aquáticos freqüentemente o Suchomimo encontraria outros habitantes aquáticos comuns em sua época, crocodilos gigantescos que fariam desse grande predador suas presas. ( como na imagem a cima ). Viveu há aproximadamente 100 milhões de anos atrás durante o período Cretáceo.
Dados do Dinossauro:
Nome: Suchomimo
Nome Científico: Suchominus tenerensis.
Época: Cretáceo
Local onde viveu: África
Tamanho: Cerca de 11 metros de comprimento e 4 metros de altura nos quadris
Alimentação: Carnívora.

Talarurus

    O Talarurus era um dinossauro pertencente a família dos anquilossauros que viveu há aproximadamente 70 milhões de anos atrás durante o final do período Cretáceo na Mongólia, como todos de sua família, possuía enormes placas ósseas que funcionavam como uma armadura protetora ao longo de todo o corpo, com enormes "espigões" que juntamente com a clava ( maça ) na ponta da cauda, o tornavam uma verdadeira "máquina de guerra". A única parte vulnerável de seu corpo seria a barriga, a qual era a primeira a ser protegida em caso de ataque de algum predador.
Dados do Dinossauro:
Nome: Talarurus
Nome Científico: Talarurus
Época: Cretáceo
Local onde viveu: Ásia
Peso: Cerca de 3,6 toneladas
Tamanho: 6 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Tanystropheus
    O Tanystropheus tinha um extraordinário pescoço longo que continha doze vértebras e era usado para " pescar " juntamente com seus pequenos dentes de três vértices, bastante adequado para a alimentaçãoà base de peixes. Os Tanystropheus jovens não possuíam pescoços longos ( o mesmo só se tornaria enorme quando adultos ), se mantinham em terra e se alimentavam de insetos. Os indivíduos mais velhos iam para o mar e comiam peixes e mariscos . Fósseis deste réptil  extraordinário são agora conhecidos através de pedras do Triássico expostas nas montanhas da parte meridional da Suíça. Na época em que o Tanystorpheus viveu  lá, a região era um mar próximo da costa.
   
Dados do Réptil:
Nome: Tanystropheus
Nome Científico: Tanystropheus longobardicus
Época: Triássico
Local onde viveu: Europa
Peso: Cerca de 300 quilos
Tamanho: 7 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Tapejara
  
    O Tapejara era um pterossauro, um tipo de réptil voador. Tinha uma crista na cabeça notável, que atingia até um metro de altura. É possível que a usa-se para propósitos de exibição, como um pavão usa suas penas do rabo.
    Seu bico era bastante parecido com o de pássaros, só que um pouco curvado para baixo.
    Foram achados fósseis de Tapejara no Brasil, onde recebeu esse nome, que em Tupi significa "O Ser Velho ".
    A maioria dos paleontologistas considera que os pterossauros são os primos íntimos dos dinossauros, mas a ausência de formas transitivas torna isto incerto.
Dados do Pterossauro:
Nome: Tapejara
Nome Científico: Tapejara imperator
Época: Cretáceo de 120 à 110 milhões de anos atrás
Local em que viveu: Brasil
Peso: Cerca de 25 quilos
Tamanho: 5 metros de envergadura e 1 de comprimento
Alimentação: Carnívora
Tapejara wellnhoferi
    O Tapejara wellnhoferi era um pterossauro que viveu durante o período Cretáceo há aproximadamente 110 milhões de anos atrás no nordeste brasileiro. Foi o único pterossauro frugívoro até hoje encontrado, pode ter sido responsável pela difusão e desenvolvimento de espécies vegetais hoje comuns em nossa flora, como abacateiros e pitangueiras. Seu bico era semelhante ao de um tucano, com partes ocas para torná-lo mais leve e ao mesmo tempo poder comer frutas, abrir cascas e quebrar sementes.
Dados do Pterossauro:
Nome: Tapejara
Nome Científico: Tapejara wellnhoferi
Época: Cretáceo
Local onde viveu: Brasil
Peso: Cerca de 10 quilos
Tamanho: 1,5 metros de envergadura
Alimentação: Herbívora
Tarbossauro
    O Tarbossauro cujo o nome significa " réptil que causa espanto ", viveu na Mongólia no final do período Cretáceo há cerca de 70 milhões de anos atrás, alguns achavam este dinossauro tão parecido com o Tiranossauro rex que ambos poderiam ser o mesmo animal, no entanto o Tarbossauro foi encontrado na Mongólia , muito longe do Canadá, onde vivia o Tiranossauro rex. Além disso, ele tinha a cabeça maior e o corpo mais leve que o seu primo canadense. Para o seu tamanho, o Tarbossauro tinha os menores braços entre os dinossauros carnívoros, eles nem sequer podiam alcançar sua boca. Seu crânio era do tamanho de um leopardo, o corpo inteiro equivalia a três carros, em sua mandíbula superior, havia 27 dentes longos e curvos, prontos para dilacerar carne. Seus pequenos braços não serviam para lutar apesar de possuir garras fortes. Os pés eram incomparavelmente mais fortes, com três garras grandes e seus enormes tornozelos indicavam que este dinossauro podia mover-se com bastante velocidade. O Tarbossauro também era conhecido como Tiranossauro efremovi.
Dados do Dinossauro:
Nome: Tarbossauro
Nome Científico: Tarbosaurus bataar
Época: Cretáceo
Local onde viveu: Ásia
Peso: Cerca de 10 toneladas
Tamanho:  12 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Teleossauro
    O Teleossauro cujo o nome significa "último dos répteis", era muito parecido com os atuais gaviais, pois possuía o mesmo focinho fino próprio para pegar peixes e lulas nas encostas marítimas as quais habitavam. As placas ósseas da couraça ficaram menores e mais leves, que consiste numa adaptação ao ambiente marinho.
Dados do Réptil:
Nome: Teleossauro
Época: Jurássico
Peso: Cerca de 300 quilos
Tamanho: 4 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Teleoceras
 

    O Teleoceras era parente dos atuais rinocerontes que viveu há aproximadamente 12 milhões de anos atrás durante o Mioceno na Ásia, norte da África, Europa e América do Norte, seu corpo era um pouco mais baixo e atarracada que o dos rinocerontes atuais, por causa de suas pernas curtas, as quais deviam torná-lo um pouco lento em terra, porém seus hábitos de vida deveriam ser próximos ao dos rinocerontes atuais.
Dados do Mamífero:
Nome: Teleoceras
Nome Científico: Teleoceras sp, Teleoceras medicornutum, Teleoceras brachypus
Época: Mioceno
Local onde viveu: Ásia, Europa, África e América do Norte
Peso: Cerca de 640 kg
Tamanho: 1,5 metros de altura e 4 de comprimento
Alimentação: Herbívora
Telicomys
     O Telicomys era um roedor gigantesco, um dos maiores que já existiu, viveu há aproximadamente 5 milhões de anos atrás durante o Plioceno no Brasil e na Argentina, e podia atingir o tamanho de uma vaca, seus dentes incisivos possuíam 3 centímetros de largura e nunca paravam de crescer, possuía também 8 molares poderosos, os quais moíam toda a vegetação roída pelo animal. O Telicomys possuía patas largas, as quais estavam adaptadas tanto para andar em terra, como para nadar, como o fazem hoje as capivaras.
Dados do Mamífero:
Nome: Telicomys
Nome Científico:  Telicomys giganteus
Época: Pleistoceno
Local onde Viveu: América do Sul
Peso: Cerca de 250 kg
Tamanho: 2 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Tenontossauro
    O Tenontossauro cujo o nome significa " lagarto vigoroso ", viveu na América do Norte há aproximadamente 110 milhões de anos atrás durante o período Cretáceo e chegava a ter até 6,5 metros de comprimento assemelhava-se com o Iguanodonte. Pertencia ao grupo dos Ornitópodes. O Tenontossauro podia se equilibrar em suas patas traseiras para alimentar-se das folhas altas das árvores. O bico do Tenontossauro possuía uma fileira de dentes afiados dentro da boca que servia para triturar folhas e brotos. E ao ser atacado este dinossauro se defendia usando sua cauda como chicote.
Dados do Dinossauro:
Nome: Tenontossauro
Nome Científico: Tenontossauro tillettorum
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 900 Kg
Tamanho: 6,5 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Thalassodromeus
    O Thalassodromeus cujo nome significa " corredor marinho " e o segundo nome Sethi é uma referência ao deus egípcio do mal e do caos, era um pterossauro que viveu durante o período Cretáceo há aproximadamente 110 milhões de anos atrás no nordeste brasileiro ( Santana do Cariri - Ceará ). Sua enorme crista tornava sua cabeça com 1,40 metros de comprimento e nela foram encontrados vestígios de vasos sanguíneos, a qual poderia assumir cores mais fortes quando o animal se excitava e se preparava para o acasalamento ou para possíveis intimidações de adversários. Seu é semelhante a de aves atuais as quais os utilizam para dar vôos rasantes em lagoas para pegar peixes e crustáceos.
Dados do Pterossauro:
Nome: Thalassodromeus
Nome Científico: Thalassodromeus sethi
Época: Cretáceo
Local onde viveu: Brasil
Peso: Cerca de 40 quilos
Tamanho: 4,5 metros de envergadura e 1,8 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora

Theosodon
 
    O Theosodon pertencia há um grupo de mamíferos extintos chamados litopterns aparentado com o Macrauchenia e muito parecido com as atuais vicunhas e guanacos que pertencem a família dos camelídeos, viveu durante o Plioceno há aproximadamente 3 milhões de anos atrás na América do Sul, com a formação da ponte de terra entre as Américas esses animais se tornaram extintos por causa da competição com mamíferos norte-americanos, como ocorreu com seu primo o Macrauchenia
Dados do Mamífero:
Nome: Theosodon
Época: Plioceno
Local onde viveu: América do Sul
Peso: Cerca de 40 quilos
Tamanho: 1 metros de altura
Alimentação: Herbívora
Therizinossauro
    O esqueleto de Therizinossauro foi descoberto em 1979 por uma Expedição Paleontológica da Mongólia, no Deserto de Gobi na Mongólia. Como a maioria dos animais viventes eles gastavam muito tempo se alimentando mais que em qualquer outra atividade. Eles enganchavam nas folhagens pacientemente com seus membros dianteiros, e os puxava para sua boca. É muito provável que dobrando seus membros dianteiros, o peso que suas patas traseiras suportava dobraria e ocasionalmente ocorreria fratura mais facilmente. Uma ótima habilidade para desfolhear permitiu que o Therizinossauro ocupasse um nicho ecológico inacessível até então para os herbívoros contemporâneos. Também foi especulado que eles usariam suas garras para coletar e alimentar-se de raízes. Pesavam aproximadamente 3,3 toneladas e possuíam 6,5 metros de comprimento. Na verdade o Therizinossauro era um carnívoro que se tornou herbívoro, por isso possuí garras de carnívoro e corpo, ainda em processo de adaptação, de herbívoro. Há indícios de que ele deveria possuir penas no corpo.
    Diversos ovos de Therizinossauro foram encontrados fossilizados e demonstram claramente como seria o corpo deste estranho e belo animal.
Dados do Dinossauro:
Nome:
Therizinossauro
Nome Científico: Therizinosaurus cheloniformis
Época: Fim do Cretáceo
Local onde viveu: Ásia, no Deserto de Gobi, Mongólia
Peso: Cerca de 3,3 toneladas
Tamanho: 6,5 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora.
Thylacosmilus

    O Thylacosmilus parecia um Tigre Dente de Sabre, mas era um marsupial carnívoro, criava os filhotes em uma bolsa e viveu na América do Sul durante o final do Mioceno e o Plioceno, quando as Américas do Norte e do Sul se juntaram, eles não sobreviveram a concorrência com os mamíferos norte americanos, como por exemplo o Tigre Dentes de Sabre vindo da América do Norte durante o Pleistoceno. O Thylacosmilus media mais de 1 metro de comprimento e lembrava os grandes felinos de hoje.
Dados do Marsupial:
Nome: Thylacosmilus
Época: Plioceno
Local onde viveu: América do Sul
Peso: Cerca de 130 quilos
Tamanho: 1,5 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora

Tigre da Tasmânia
     O Tigre da Tasmânia ou Lobo da Tasmânia ou Tilacino era um marsupial carnívoro que foi extinto há 67 anos atrás, viveu na Tasmânia, próximo a Austrália, no atual Holoceno, era do tamanho de um "grande cachorro" com uma "cabeça de raposa" e a partir do meio do corpo até a cauda apresentava listras iguais às dos tigres, sendo os machos pouco maiores que as fêmeas, estas as quais possuíam uma bolsa, que é característica dos marsupiais. O Tigre da Tasmânia era um caçador solitário, caçando às vezes em pares, seu método era escolher um animal, como um pequeno canguru e então segui-lo até cansá-lo, pulando então sobre ele e matando-o com suas fortes maxilas, as quais podiam atingir uma abertura angular de maxilares de 120 graus.
    O Tigre da Tasmânia ganhou fama de assassino de gado e ovelhas, fato este que nunca foi comprovado, mas por causa desta fama tanto os criadores de ovelhas como o próprio governo ofereciam uma boa recompensa em dinheiro pela sua captura e então ele foi caçado impiedosamente de 1840-1909, espécimes vivos apanhados em armadilhas eram logo comprados por zoológicos no exterior, animais mortos eram "trocados" por recompensas financiadas pelo governo e somando com o fato de a população de Tigres da Tasmânia ter sido reduzida por uma séria doença desconhecida que devastou grande parte da vida selvagem da Tasmânia há  muitos anos, sem dúvida o homem foi o maior responsável por sua dizimação. O Tigre da Tasmânia foi considerado oficialmente extinto quando o último espécime morreu em 7 de setembro de 1936, no zoológico de Hobart, Tasmânia, demonstrando a que ponto a irracionalidade humana pode chegar.
Dados do Mamífero:
Nome: Tigre da Tasmânia
Nome Científico: Thylacinus cynocephalus
Época: Holoceno
Local onde viveu: Tasmânia
Peso: Cerca de 40 quilos
Tamanho:  1,9 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora

Tigre Dente de Sabre
    O Tigre Dente de Sabre ou Smilodon cujo o tamanho dos dentes caninos atingiam cerca de 20 centímetros é o mais famoso dos chamados dentes-de-sabre, haviam dois grupos básicos de Dentes de Sabre, um que incluí o Smilodon fatalis que tinham pernas curtas e eram mais parecidos com ursos do que com gatos, e um outro que possuía pernas longas e eram ágeis como os gatos atuais.
    Existiam várias espécies de Smilodons como por exemplo: Smilodon gracilis, Smilodon populator e o Smilodon fatalis. O Smilodon gracilis era um pouco menor e surgiu primeiro na América do Norte, representado acima pela primeira e segunda imagem. O Smilodon populator era o maior dentre os Tigres dentes de sabre, surgiu por último na América do sul, representado acima pela última imagem. O Smilodon fatalis o mais famoso viveu na América do Norte e com a junção dos continentes veio para a América do Sul sendo um pouco maior que o Smilodon gracilis e um pouco menor que o Smilodon populator, provavelmente se adaptou ao meio sul americano e se tornou maior dando origem ao Smilodon populator, representado acima pelas demais imagens.
    Para quem pensa que o Smilodon era um gato enorme que rugia como leões e tigres, engana-se pois ele era mais robusto que tigres, possuíam um cérebro pequeno e os músculos da mandíbula eram maiores que o dos atuais felinos.
    Os Tigres Dentes de Sabre se desenvolveram para caçar animais grandes, pois ao dar uma mordida com dentes grandes, o tamanho do ferimento causado será bem maior, fazendo com que um animal grande que é muito difícil de se abater, caía de fraqueza logo após o ataque devido a grande quantidade de sangue perdido.
    Há evidências de que os Tigres Dente de Sabre caçassem em grupos, pois o tamanho das presas abatidas era formidável, como por exemplo o bisão da imagem acima, eles eram muito semelhantes em tamanho em força com os atuais leões e tigres.
    Provavelmente os dentes de sabre lutavam entre si por disputa de território, de liderança do grupo, de fêmeas, de comida etc.., como o fazem os grandes felinos de hoje.
    Mais provável ainda teria sido o encontro entre os dentes de sabre e os homens das cavernas, que certamente disputaram o mesmo território e talvez a mesma caça, tornando assim os confrontos inevitáveis, e como o homem nessa época já manipulava instrumentos talvez tenha ajudado a extinguir essa espécie animal.
    Já foram descobertos mais de 2000 esqueletos de tigres dentes de sabre, a maioria no rancho La Brea, EUA e na Patagônia Argentina.
    Em sua época os tigres dentes de sabre estavam no topo da cadeia alimentar, mas esse "topo" era dividido com outros grandes predadores da época que com certeza competiam com o Smilodon por comida, como por exemplo os Dentes de Sabre Homotherium e o Xenosmilus, e com o Leão Americano (Panthera atrox).

Dados do Mamífero:
Nome: Tigre Dente de Sabre
Nome Científico: Smilodon fatalis, Smilodon gracilis e o Smilodon populator
Época: Pleistoceno à 12 mil anos atrás
Local onde Viveu: América do Sul e do Norte
Tamanho: 3 metros de comprimento
Peso:  300kg
Alimentação: Carnívora
Tiranossauro Rex

    O Tiranossauro cujo nome significa lagarto tirano rei, foi um dos maiores carnívoros terrestres encontrados até hoje, perdendo apenas para o Giganotossauro e para o Carcharodontossauro, seus parentes, possivelmente mais agressivos, pois alguns cientistas acreditam que o Tiranossauro era um carniceiro, assim como os atuais urubus.
    Seus dentes afiados eram ligeiramente curvos, de forma a agarrar melhor suas presas. Como o tubarão, uma vez que o Tiranossauro abocanhava sua vítima, para escapar de seus dentes curvos era necessário entrar mais fundo em sua boca. Possuía cerca de cinqüenta desses dentes afiadíssimos de até 20 cm, uma perfeita máquina de fatiar carne. Suas vítimas prediletas eram os hadrossauros e ceratopsídeos.
    O Tiranossauro andava sobre duas pernas, que eram fortes o suficiente para sustentar o grande corpo e movimentá-lo à uma velocidade de até 48km/h. Cada pé possuía garras fortíssimas. Três desses dedos eram de apoio e um nem tocava o chão. Os braços minúsculos, com apenas dois dedos cada chegavam a ser até meio ridículos se comparados ao tamanho desse animal. Não se sabe ao certo para que o Tiranossauro usava esses braços; se para se apoiar ou para agarrar a presas. O achado de um crânio danificado comprova que deveriam ocorrer violentas batalhas entre os Tiranossauros, por comida e pelo direito de se acasalar. Viveu durante o período Cretáceo há aproximadamente 66 milhões de anos atrás e pertencia ao grupo denominado de terópodes.
    Inicialmente ele foi chamado de Dynamosaurus imperiosus, mas logo recebeu um nome mais apropriado. Este magnífico e assustador animal que foi descoberto no Oeste Americano, tinha a cabeça gigantesca, cerca de 1,20 metros de comprimento e suas mandíbulas eram tão grandes que podiam devorar um ser humano inteiro e exercer uma pressão enorme. Isso também é umas das características que contestam os hábitos do Tiranossauro como sendo um necrófago.

Dados do Dinossauro:
Nome: Tiranossauro Rex
Nome científico: Tyrannosaurus rex
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Norte e Ásia
Peso: Cerca do 8 toneladas
Tamanho: 14 metros de comprimento e 5,60 metros de altura
Alimentação: Carnívoro
Titanis

     O Titanis era uma grande rapineira sul-americana, provavelmente caçava pequenos mamíferos e lagartos ( atacando-os com fortes bicadas e patadas) que habitavam as planícies sul-americanas, seu crânio media cerca de 60 centímetros de comprimento. O Titanis possuía  garras nas pontas das asas que possivelmente serviria para agarrar suas presas e facilitar a caçada, possuía também grande agilidade e facilmente se transformou em  um dos grandes predadores de sua época, mas há aproximadamente 9 milhões de anos atrás eles não resistiram a competição com os predadores mamíferos ( como o Tigre Dentes de Sabre ) e se tornou um alimento para eles, entrando em  processo de extinção.
Dados da Ave:
Nome:
Titanis
Época: Mioceno
Local onde viveu: América do Sul
Peso: Cerca de 150 quilos
Tamanho: 1,5 metros de altura
Alimentação: Carnívora
Titanossauro
    O Titanossauro era um dinossauro herbívoro, saurópode, que media cerca de l2 m de comprimento por 6 metros de altura, sendo considerado um dos maiores "dinossauros brasileiros" , reconhecido em diversas regiões do Brasil através de fósseis, dentes e ovos. O Titanossauro viveu a 100 milhões de anos atrás comendo folhas no topo das árvores há aproximadamente 6 metros de altura.

Dados do Dinossauro:

Nome: Titanossauro
Nome Científico: Titanosaurus sp
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Sul
Peso: Cerca de 9 toneladas
Tamanho: 12 metros de comprimento e 6 de altura
Alimentação: Herbívora
Torossauro
    O Torossauro cujo nome significa "lagarto touro" foi encontrado pelo famoso paleontólogo Othiniel Charles March, e podia atingir até 8 metros de comprimento, dos quais quase 3 eram só da cabeça, a qual é o maior crânio dentre os animais terrestres conhecidos. O escudo e os chifres eram ótimas armas de defesa contra predadores porém eram também utilizadas em batalhas entre machos na disputa de fêmeas, escudo o qual acredita-se que fosse ornamentado de colorido que serviria para seduzir fêmeas e aterrorizar possíveis adversários. Os músculos do pescoço do Torossauro eram extremamente forte para aquentar o peso da enorme cabeça e juntamente com eles os das patas dianteiras. Os Torossauros viviam em enormes manadas para se defenderem dos grandes predadores de sua época, como por exemplo o Tiranossauro rex, a manada e uniria e formaria um parede de escudos e chifres com os mais fracos (filhotes, velhos e doentes) no interior dela.

Dados do Dinossauro:
Nome:
Torossauro
Nome Científico: Torosaurus latus
Época: Cretáceo, de 67 a 65 milhões de anos atrás
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 5 toneladas
Tamanho: 8 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Toxochelys
 
    O Toxochelys, era uma espécie de quelônio que viveu há aproximadamente 70 milhões de anos atrás durante o período Cretáceo nos mares próximos a costa dos Estados Unidos, comendo peixes, crustáceo, moluscos e até algas entre outros vegetais marinhos, sendo muito parecida com as atuais tartarugas marinhas, quase nunca indo em terra a não ser para a desova que deveria ocorrer em enormes grupos vindos juntos nas mesmas praias onde nasceram para desovar.
Dados do Quelônio:
Nome: Toxochelys
Nome Científico: Toxochelys brachyrhina, Toxochelys moorevillensis
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 30 quilos
Tamanho: 80 centímetros de comprimento
Alimentação: Onívora
Tricerátops
    O Triceratops era um dinossauro do grupo dos ceratopsídeos que viveu há aproximadamente 66 milhões de anos atrás durante o período Cretáceo na América do Norte (EUA e Canadá),  os quais possuíam a cabeça grande e extremamente forte, as maxilas laterais tinham bochechas musculosas, muitos dentes bastante afiados, um bico córneo curvado com o qual provavelmente arrancava as plantas duras, uma prolongação do crânio maciça que servia como escudo para proteção de eventuais ataques de predadores e combates entre machos e três chifres, sendo dois grandes acima dos olhos e um pequeno na ponta do nariz.. Os Triceratops provavelmente vivessem em enormes bandos, os quais possuíam uma escala hierárquica com machos disputando posições e direitos de acasalamento, porém em situações de ataque de algum predador, acredita-se que se juntavam de forma defensiva contra o predador, formando uma "parede" de escudos e chifres contra o oponente, com os filhotes fracos e doentes no interior dessa "muralha" defensiva e dessa forma acredita-se que se defendiam contra o seu maior predador, o Tiranossauro.

Dados do Dinossauro:

Nome: Tricerátops
Nome Científico: Triceratops horridus
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 6 toneladas
Tamanho: 10 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Trilofodonte
    O Trilofodonte também conhecido por Platybelodon é um mastodonte ancestral dos elefantes atuais comumente encontrado na Ásia, na África e na América do Norte há 15 milhões de anos atrás durante o Mioceno médio, utilizava suas presas do maxilar inferior achatadas para arrancar vegetais e extrair raízes, sua tromba era larga e chata e sua boca possuía enormes dentes próprios para triturar vegetais. Pertencia ao grupo dos Phiomidae.
Dados do Mamífero:
Nome: Trilofodonte
Nome Científico: Platybelodon grangeri
Época: Mioceno
Local onde viveu: Ásia, África e América do Norte
Peso: Cerca de 1,5 toneladas
Tamanho: 2 metros de altura
Alimentação: Herbívora
Trodonte
    O Trodonte cujo nome significa "dentes afiados", tinha de 2 à 3 metros de comprimento e era ágil e veloz. Tinha um cérebro relativamente grande e usava a sua inteligência para caçar na floresta mesosóica.
    Um achado mostra que as mães Trodontes provavelmente chocavam seus ovos e cuidavam de seus filhotes até estes poderem se adaptar ao habitat. A característica mais marcante do Trodonte é que ele possuía o polegar oposto aos outros dedos, como um ser humano.

Dados do Dinossauro:
Nome:
Trodonte
Nome científico:
Trodon sp.
Peso:
Cerca de 50 quilos
Tamanho:
3 metros de comprimento
Alimentação:
Carnívora
Tropeognathus
    O Tropeognathus cujo nome significa " Mandíbula em forma de quilha " viveu durante o período Cretáceo há aproximadamente 110 milhões de anos atrás no Nordeste brasileiro, era um pterossauro de porte mediano, com seus aproximadamente 6 metros de envergadura. Acredita-se que com seus dentes afiados ele se alimentava de peixes nas costas brasileiras utilizando seu " bico " em forma de quilha para captura-los na superfície da água. No começo do período de Cretáceo, os pterossauros pequenos começaram a crescer e atingir tamanhos enormes e o Tropeognathus estava numa posição intermediária nessa escala de crescimento..
    Acredita-se que essa crista do Tropeognathus serviria também para fins de acasalamento, tornando-se mais colorida nessa época para impressionar as fêmeas.
Dados do Pterossauro:
Nome: Tropeognathus
Nome Científico: Tropeognathus mesembrinus
Época: Cretáceo
Local onde viveu: Brasil
Peso: Cerca de 40 quilos
Tamanho: 6,1  metros de envergadura
Alimentação: Carnívora
Tuatara
    O Tuatara moderno muito raro é o último sócio de um grupo de répteis antigos chamados de sphenodontians. Eles surgiram durante o período Triássico ao mesmo tempo que os dinossauros. Sphenodontians são archossauros e são encontrados agora só em alguns ilhas pequenas na costa da Nova Zelândia. Durante o período Triássico eles evoluíram rapidamente surgindo muitas formas diferentes. O fim do período Cretáceo não mostra nenhum registro de qualquer sphenodontians diferente do Tuatara ou Sphenodonte para dar seu nome científico. O Sphenodonte é relacionado aos lagartos, mas é mais primitivo o sistema de mandíbula altamente flexível deles. Eles são caracterizados pelas duas aberturas na região da bochecha do crânio.
Dados do Sphenodonte:
Nome: Tuatara
Local: Hoje em dia Nova Zelândia.
Alimentação: Carnívora
Tupuxuara
    O Tupuxuara era um pterossauro que viveu durante o período Cretáceo há aproximadamente 110 milhões de anos atrás no nordeste brasileiro. Sua enorme crista possuía 60 centímetros de comprimento e nela foram encontrados vestígios de vasos sanguíneos, a qual poderia assumir cores mais fortes quando o animal se excitava e se preparava para o acasalamento ou para possíveis intimidações de adversários.
Dados do Pterossauro:
Nome: Tupuxuara
Época: Cretáceo
Local onde viveu: Brasil
Peso: Cerca de 20 quilos
Tamanho: 6 metros de envergadura
Alimentação: Carnívora
Uberabasuchus
    O Uberabasuchus terrificus cujo nome significa "Crocodilo Terrível de Uberaba", viveu há aproximadamente 70 milhões de anos durante o período Cretáceo no Brasil, mais especificamente no estado de Minas Gerais. Era um crocodilomorfo terrestre semelhante aos crocodilos atuais mas não possuindo nenhum parentesco com os mesmos.
   Possuía uma mandíbula poderosa com a qual atacava em bando cruelmente outros animais incluindo dinossauros,os comendo ainda vivos. Habitavam regiões próximas de rios e lagos. Seu esqueleto fóssil encontrado encontrado em Peirópolis, bairro de Uberaba - MG, estava quase completo ( cerca de 70% do esqueleto preservado ), sendo um dos mais completos do tipo já descoberto no mundo, seu esqueleto deve ter sido soterrado tão repentinamente que não teve-se tempo de ocorrer a decomposição, permitindo que permanecesse praticamente intacto. A posição das narinas comprovam seus hábitos terrestres, pois está localizada mais na região frontal do que superior. O posicionamento das pernas demonstram que era um bom corredor de longas distâncias.
    O Uberabasuchus terrificus é membro da família Peirosauridae e tem parentes na Patagônia Argentina e em Madagascar, sendo que o seu parente mais próximo conhecido é o Mahajangasuchus insignis que habitava a ilha de Madagascar. Este fato demonstra que mesmo após a separação dos continentes Sul-americano e Africano, ainda continuou existindo uma ponte de terra entre América do Sul e Madagascar, que seria composta pela Austrália e Antártida.

Dados do Dinossauro:

Nome: Uberabasuchus
Nome Científico:Uberabasuchus terrificus
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Sul
Peso: Cerca de 300 quilos
Tamanho:  2,5 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora

Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Ordem: Crocodylomorpha
Família: Peirosauridae
Género: Uberabasuchus
Uintatherium
    O Uintatherium possuía três pares de chifres que eram mais desenvolvidos nos machos, ambos cobertos de pele, que se acreditava servir para combates ou exibições e até para se defender do ataque de predadores. Alimenta-se folhas e galhos de arbustos, mas na falta destes podia se alimentar de capim ou outras gramíneas. O Uintatherium era parecido com os atuais rinocerontes, porém não possuía um grau de parentesco próximo.
Dados do Mamífero:
Nome: Uintatherium
Época: Eoceno, há aproximadamente 40 milhões de anos atrás.
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 2 toneladas
Tamanho: 1,6 metros de altura e 3 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora
Ultrassauro
    O Ultrassauro um saurópode do fim do período Jurássico, que foi encontrado na América do Norte, é um dos maiores dinossauros conhecidos, na imagem acima o Ultrassauro (marrom) está ao lado de um outro saurópode o camarassauro ( violeta ). O Ultrassauro tinha mais 35 metros de comprimento e pesava quase 100 toneladas.
Dados do Dinossauro:
Nome: Ultrassauro
Peso: Cerca de 90 toneladas
Tamanho: 38 metros de comprimento e 22 de altura.
Época: Jurássico
Local em que Viveu: América do Norte
Alimentação: Herbívora
Urso das Cavernas
    O Urso das Carvernas era parecido com os ursos atuais, porém era bem maior, cerca de duas vezes o tamanho de um urso Polar ( que é o maior carnívoro terrestre  que existe atualmente ) que viveu há aproximadamente 12 mil anos atrás durante o Pleistoceno, o Urso das Cavernas pesava quase 1,5 toneladas e media quase 4,0 metros de altura em pé. O Urso das Cavernas era considerado pelos homens primitivos como um animal sagrado e existem relatos gravados nas paredes de cavernas demonstrando uma forma de ritual para urso. Eles tinham uma dieta basicamente carnívora, que nem os ursos de grande porte atuais, entre suas presas estavam os Alces Gigantes, Preguiças Gigantes, Mamutes, peixes, roedores e até homens das cavernas.
    Possuíam uma musculatura e agressividade maior que a dos ursos atuais, pois as circunstancias da época exigiam essas características e certamente teria que concorrer com grandes predadores como Tigres dentes de sabre e enfrentar as diversas eras glaciais que existiam em sua época.
Dados do Mamífero:
Nome: Urso das Carvernas
Nome Científico: Ursus spelaeus
Época: Pleistoceno
Local onde viveu: Europa e Ásia
Peso: Cerca de 1,4 toneladas
Tamanho: 2 metros de altura
Alimentação: Carnívora
Utaetus
    O Utaetus é um dos mais antigos ancestrais dos atuais Tatus, viveu durante o Paleoceno há aproximadamente 58 milhões de anos atrás na Argentina, Uruguai e sul do Brasil, era pertencente Ordem Edentata, porém possuía dentes com esmaltes, o que não ocorre com seus descendentes, dentes os quais utilizava para comer pequenos insetos, raízes e carniça.
Dados do Mamífero:
Nome: Utaetus
Nome Científico: Utaetus buccatus
Época: Paleoceno
Local em que viveu: América do Sul
Peso: Cerca de 4 quilos
Tamanho: 41 centímetros de comprimento
Alimentação: Onívora
Utahraptor
  
  
    O Utahraptor foi um dos maiores "raptores" que já existiram, possuía olhos grandes e uma ótima agilidade, viveram na América do Norte, nos EUA na região de Utah o que deu origem ao seu nome " raptor de Utah". Andavam à caça de outros dinossauros há 144 milhões de anos atrás, no início do períodoCretáceo. Os Raptores Foram talvez os mais eficientes predadores que já existiram. Teoricamente não havia o que um bando desses dinossauros não pudesse caçar, até mesmo os grandes saurópodes.
    Tinha no pé uma garra de até 25 centímetros de comprimento, com a qual retalhavam suas vítimas fatalmente, chutando, que eram retráteis como as de um gato.
Dados do Dinossauro:
Nome: Utahraptor
Nome Científico: Utahraptor ostrommaydisorum
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 800 quilos
Tamanho: 7 metros de comprimento e 3 metros de altura
Alimentação: Carnívora
Velociraptor mongoliensis
    O Velociraptor mongoliensis cujo nome significa " ladrão veloz " vivia em grandes bandos, de 5 a 20 animais, era feroz e agressivo , alcançando altas velocidades, era uma das menores espécies de raptores. Esse predador percorria as florestas do período Cretáceo caçando mamíferos ou pequenos dinossauros herbívoros, matando-os e devorando-os. As vítimas ficavam aterrorizadas e tinham pouca chance de escapar. A longa e afiada garra existente em cada pata traseira chegava a 11cm e era voltada pra dentro e usada para ferir e dilacerar sua presa.
    Vivendo principalmente na Mongólia, o Velociraptor pertencia a uma família de perigosos e astutos caçadores. Esse animal tinha a aparência de um lagarto, tanto na pele quanto no formato, mas movia-se com a velocidade e a inteligência de um leopardo. Tinha uma cabeça de 16cm e focinho alongado.
    O Velociraptor possuía clavícula, o que era incomum nos outros dinossauro. Desse modo, os braços ganhavam forças para agarrar a vítima com mais firmeza. Esse animal era esperto o suficiente para saber que andando em bando, conseguiria com mais facilidade abater presas maiores. Antes da descoberta do Velociraptor na Mongólia, em 1924, cientistas achavam que os dinossauros eram seres lerdos e estúpidos. Mas o Velociraptor, além ágil era também muito inteligente.

Dados do Dinossauro:
Nome: Velociraptor
Nome Científico: Velociraptor mongoliensis
Época: Fim do Cretáceo
Local onde viveu: Ásia
Peso: Cerca de 80 quilos
Tamanho: 2 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora

Xiphactinus
   O Xiphactinus era um enorme peixe que viveu no período Cretaceo há aproximadamente 87 a 65 milhões de anos atrás. Este pexie foi uma dos mais velozes animais marinhos, chegando a atingir 60 km/h.
   Acredita-se que o Xiphactinus possuía as cores azul escuro nas costas e prata claro em sua barriga como camuflagem, que combinado com sua poderosa cauda e sua grande velocidade o tornavam um feroz predador.
   Caçavam enormes pexies, lulas entre outros animais marinhos, inclusive pássaros marinhos comoo Hesperornis. Porém nem os Xiphactinus estavam livres de predadores, eles eram caçados por enormes tubarões como o Cretoxyrhina.
Dados do Peixe:
Nome:
Xiphactinus
Nome Científico: Xiphactinus
Época: Cretaceo
Local onde viveu: Oceanos
Tamanho: 7 metros de comprimento
Peso: Cerca de 500 kg
Alimentação: Carnívora
Wuerhossauro

    O Wuerhossauro cujo nome significa "réptil de Wuerho " viveu há aproximadamente 70 milhões de anos atrás durante o período Cretáceo no noroeste da China, na provincia de Wuerho, era pertence a família dos estegossauros, possuía placas nas costas e enormes espinhos na cauda, os quais utilizava para se defender de possíveis ataques de predadores. O Wuerhossauro era um dos menores membros de sua família sendo do mesmo tamanho do Kentrossauro ou até menor.
Dados do réptil:
Nome: Wuerhossauro
Nome Científico: Wuerhosaurus ordosensis
Época: Cretáceo
Local onde viveu: Ásia
Peso: Cerca de 470 quilos
Tamanho: 5 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora

Yangchuanossauro
    O Yangchuanossauro cujo nome significa "réptil de Yang-chuan" era um dinossauro carnívoro, que viveu há aproximadamente 180 milhões de anos atrás durante o período Jurássico na China e Mongólia, era muito forte e suas patas dianteiras não eram tão pequenas como as de outros terópodes, permitindo utilizá-las em suas caçadas, sua cabeça lhe permitia desferir golpes contra sua presa durante a perseguição. O Yangchuanossauro não era um dinossauro veloz como os raptores mas também não era tão lerdo como os grandes carnívoros.

Dados do Dinossauro:
Nome: Yangchuanossauro
Nome Científico: Yangchuanosaurus shangyouensis
Época: Jurássico
Local onde viveu: Ásia
Peso: Cerca de 3,5 toneladas
Tamanho: 11 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora
Zuniceratops
 
    O Zuniceratops foi o primeiro dinossauro com gola e chifres ( ceratopsídeos ) da América do Norte, viveu no Cretáceo, tinha o tamanho do corpo aproximado de uma vaca e seus ancestrais vieram da Ásia. Viviam em grupos grandes governados por machos dominantes onde todos se ajudavam em caso de ataque de predadores formando uma parede de chifres e passavam a vida pastando em campos e florestas. Seus descendentes deram origem aos diversos tipos de ceratopsídeos que surgiram posteriormente na América do Norte.
Dados do Dinossauro:
Nome: Zuniceratops
Nome Científico: Zuniceratops christopheri
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 2 tonelada
Tamanho: 4 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora

3 comentários: